“Há uma mudança histórica na Madeira”

Este domingo, no seu espaço habitual de comentário, Luís Marques Mendes disse que, embora ainda não tenham sido apurados todos os resultados das eleições na Madeira, tudo aponta para que haja uma “mudança histórica” no arquipélago.

“Há uma mudança histórica na Madeira. Acabam as maiorias absolutas de um só partido, que existiram durante 40 e tal anos. É uma mudança histórica e estrutural”, disse. “Não acredito que nos próximos anos, alguém consiga voltar a ter maiorias.”

As projeções iniciais “apontam para uma fortíssima bipolarização entre PS e PSD, o que era previsível”. Para Marques Mendes, a novidade destas eleições “é a esquerda”. “O PS durante 40 anos teve sempre fracos candidatos. Desta vez foi diferente”, apontou. Com o crescimento do PS, os pequenos partidos, “sobretudo à esquerda, são engolidos, vítimas desta bipolarização”.

A vitória do PSD é, para o comentador, “um mérito” do partido, “porque há um fator resistência”. Ao fim de 40 anos e do desgaste do poder e, nestes anos em que houve um programa de assistência, aguentar e conseguir ganhar é ótimo”.

este cenário, o ainda presidente do governo regional, Miguel Albuquerque, teria “mérito” porque “uniu o partido”. “Resta saber se com o CDS consegue ter os 24 deputados indispensáveis para fazer coligação de governo.” E se isso não acontecer? “Pode acontecer uma geringonça à esquerda”, atirou Marques Mendes, caso os partidos mais pequenos tenham conseguido sobreviver a “esta bipolarização”.

O PS tem agora “dois sentimentos contraditórios”: ” Faz o seu melhor resultado eleitoral de sempre” e, por isso, “pode cantar satisfação”, mas “a aposta do PS não era ter o melhor resultado de sempre, era ganhar. Se não ganhar tem uma forte desilusão”.

Por outro lado, Marques Mendes considera que os resultados na Madeira “não têm efeito nacional”.

O PSD venceu pela 12.ª vez consecutiva as eleições para a Assembleia Legislativa da Madeira, mas pela primeira vez desde 1976 sem maioria absoluta.

Apurados os resultados finais em todas as freguesias, o PSD obteve 39,46% dos votos, conseguindo fazer eleger 21 dos 47 deputados da Assembleia legislativa madeirense, à frente do PS, que obteve 35,76% e elegeu 19 deputados, e a 3 deputados dos 24 necessários para governar com maioria.

O CDS-PP, com 5,76% dos votos e 3 deputados, foi a terceira força política mais votada, seguido pelo JPP, com 5,47% e também 3 parlamentares. A CDU conquista um lugar, depois de alcançar 1,80% dos votos. Mais nenhum partido conseguiu eleger deputados para a Assembleia Legislativa da Madeira.

Rio “ganhou claramente”, Costa fez-se “de morto”

Sobre os debates entre os líderes partidários, Marques Mendes considerou que Rui Rio esteve “assim-assim”, mas “teve o seu momento alto no debate com António Costa”, na última segunda-feira. O líder do PSD “ganhou claramente”, porque “esteve ao ataque, teve iniciativa, foi assertivo, e colocou António Costa à defesa”.

Além disso, “centrou-se em três temas que são os calcanhares de Aquiles do Governo”: impostos, saúde e crescimento económico. Já António Costa “cumpriu o seu guião, que, em grande medida, é fazer-se de morto”.

Jerónimo de Sousa “não marcou propriamente pontos nos debates”, enquanto Catarina Martins teve “altos e baixos”. O comentador esteve “mal nalguns debates, por exemplo com António Costa. Não foi acutilante como devia ser”. Assunção Cristas, por sua vez, “foi sempre muito igual, pela positiva”. Foi “a mais combativa e manteve um padrão”. André Silva “tirando questões dos animais, é um susto, muito impreparado nas outras matérias”.

Marques Mendes acrescentou que a “maioria absoluta não está alcançada nem de longe nem de perto”.

Demissão de secretário de estado da Proteção Civil

O comentador da SIC defendeu que a demissão do secretário de Estado da Proteção Civil foi uma “demissão tardia, inevitável”, acrescentando que se José Artur Neves tivesse saído em agosto, quando a polémica das golas antifumo estalou, “teria saído pelo seu pé e com dignidade”. “Assim, saiu pela porta dos fundos, empurrado pela Justiça e pelo Ministério Público.”

Esta demissão “tardia” é, defende Marques Mendes, culpa do primeiro-ministro, que empurrou o tema “com a barriga” e, por isso, tem agora um “desgaste em período eleitoral”.

Questionado sobre o parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República, Marques Mendes considerou que se tratou de “uma vitória” para António Costa. Ainda assim, deve ser feita uma “reflexão”, porque “em todos os governos há sempre problemas” de incompatibilidades e conflitos de interesses com governantes. “Isto mina a confiança das pessoas na política. Veja-se o caso de Manuel Pinho. Ainda hoje não está esclarecida a relação com o BES.”

Marques Mendes sugeriu que os ministros e secretários de Estado passem obrigatoriamente por uma audição parlamentar para garantir que não há incompatibilidades resultantes do passado pessoal e profissional. “Se saírem limpinhos dessa audição, ficam reforçados e, com isso fica reforçada a democracia.”

Sobre a decisão da Universidade de Coimbra de proibir a carne de vaca, Marques Mendes disse tratar-se de uma “medida de enorme hipocrisia”, cuja grande preocupação “não foi ambiental”, mas “economicista. “A grande razão por que o reitor toma esta medida é para poupar dinheiro.”

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Sporting paga 5 milhões e "rouba" Bruno Tabata ao Braga

O Sporting conseguiu 'roubar' Bruno Tabata ao Sporting de Braga. O extremo do Portimonense assina pelos 'leões' num contrato válido por cinco temporadas. Bruno Tabata está a caminho do Sporting CP, avança este sábado o jornal …

Há (pelo menos) 16 escolas com casos de covid-19, mas não há dados oficiais

Nem o Ministério da Educação, nem a Direcção Geral de Saúde (DGS) revelam o número de casos de covid-19 nas escolas, depois da reabertura do ano lectivo. Mesmo sem dados oficiais, é possível contabilizar, pelo …

Deixar Bilbau não dá bom resultado (lembra-se da grande equipa de Bielsa?)

Javi Martínez tenta contrariar a tendência dos seus antigos companheiros de equipa no famoso Atlético de Bilbau, que só aceita no seu plantel futebolistas nascidos no País Basco ou com ascendência familiar basca. Javi Martínez, herói …

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …