Governo não consultou a DGS na exclusão de diabéticos e hipertensos do regime especial de proteção

O Governo não consultou a DGS na decisão de excluir os pacientes diabéticos e hipertensos do regime especial de proteção no contexto da pandemia de covid-19.

O Governo excluiu diabéticos e hipertensos da lista de doentes crónicos que beneficiam de um regime excecional de proteção face à pandemia de covid-19. O Conselho Científico do Programa Nacional para a Diabetes, integrado na Direção-Geral da Saúde (DGS), lamentou “não ter sido consultado” pelo Executivo.

O Expresso teve acesso ao email enviado por Graça Freitas a António Lacerda Sales, em que representantes do conselho científico consideram que a exclusão destes pacientes deste regime especial constitui uma forma de “discriminação das pessoas com diabetes”.

A medida é “desajustada e contrária ao interesse da população, já que esta patologia, quando presente, é das que mais contribui negativamente para a mortalidade e morbilidade”, lê-se no email enviado ao secretário de Estado da Saúde.

Inicialmente integrados nos grupos de risco acrescido face ao novo coronavírus, os doentes hipertensos e diabéticos já não podem justificar faltas ao trabalho, por exemplo.

“Os imunodeprimidos e os portadores de doença crónica que, de acordo com as orientações da autoridade de saúde, devam ser considerados de risco, designadamente os doentes cardiovasculares, os portadores de doença respiratória crónica, os doentes oncológicos e os portadores de insuficiência renal, podem justificar a falta ao trabalho mediante declaração médica, desde que não possam desempenhar a sua atividade em regime de teletrabalho ou através de outras formas de prestação de atividade”, lê-se na declaração de retificação.

No dia 4 de junho, Lacerda Sales salientou que a retificação do decreto “não exclui” diabéticos e hipertensos da proteção especial, uma vez que são considerados doentes crónicos. “A garantia que podemos dar é que, perante a avaliação médica, serão abrangidos pelo regime excecional”, explicou em conferência de imprensa.

No entanto, vários partidos não concordam e entendem que a retificação impede estes doentes de justificar as suas faltas ao trabalho quando não há a possibilidade de trabalhar remotamente. Esta quarta-feira vai-se definir um prazo para a apresentação de propostas de alteração à lei.

“Estou certo de que os partidos vão chegar a uma formulação conjunta e a uma proposta unificada que irá depois a plenário”, disse o presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal em declarações ao Expresso.

“A diabetes é provavelmente a doença em que as pessoas são mais responsáveis por si próprias. Têm de controlar os valores de açúcar, a alimentação e o exercício físico, e ajustar a medicação. Não há nenhuma outra doença em que as pessoas sejam tão autónomas no seu tratamento e merecem, por isso, consideração e incentivos para que se cuidem”, acrescentou ainda José Manuel Boavida.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rússia acusa Navalny e aliados de extremismo em novo processo

A Rússia intensificou a campanha contra o opositor do governo Alexei Navalny, abrindo esta terça-feira um novo processo judicial, que poderá levá-lo a cumprir uma pena de prisão de mais uma década. Navalny cumpre dois anos …

Governo demite Chefe do Estado-Maior da Armada. Gouveia e Melo provável sucessor

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, vai propor ao Presidente da República a demissão do Chefe do Estado-Maior da Armada, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas à Defesa. O Governo propôs ao Presidente da …

Borussia Dortmund 1-0 Sporting | Um Mal(en) que veio só… e foi suficiente

O “bicho papão Haaland não jogou, mas nem assim os “leões” conseguiram contrariar o maior poderio germânico. O Sporting saiu de Dortmund com uma derrota, apesar da excelente réplica no Signal Iduna Park, e muito por …

FC Porto 1-5 Liverpool | Dragão atropelado em casa

O Liverpool é uma espécie de “besta” em tons de “red” para o FC Porto. Em nove jogos oficiais, os “azuis-e-brancos” nunca venceram, somando 3 empates e 6 derrotas, a mais recente foi pesadíssima e …

China desenvolve arma invisível capaz de destruir redes de comunicação em dez segundos

Uma equipa de cientistas chineses está a desenvolver uma arma sónica, que gera um intenso pulso eletromagnético, capaz de destruir redes de comunicação e de fornecimento de energia elétrica. A arma poderá ter um alcance …

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …

Banguecoque em alerta. Mais de 70.000 casas inundadas na Tailândia

As autoridades tailandesas têm feito esforços para proteger partes de Banguecoque das cheias, que já inundaram 70.000 casas e mataram seis pessoas nas províncias no norte e centro do país. A tempestade tropical Dianmu causou cheias …

Exilados sírios obrigados a pagar taxas para evitar o alistamento obrigatório

No início deste ano, Yousef, um sírio de 32 anos que vive na Suécia, teve que pagar as taxas que lhe isentavam da obrigatoriedade de se alistar no exército da Síria, caso contrário a família …

Portugal tem cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, mais de metade em Lisboa

Estima-se que, em 2020, cerca de 485 pessoas tenham abandonado esta condição, o que representa uma descida de 39% face a 2019. Portugal terá cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, segundo os resultados de …