Gouveia e Melo garante regras mais apertadas na vacinação

Marinha Portuguesa / Facebook

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, novo coordenador da task-force para o Plano de Vacinação contra a covid-19

O novo coordenador da task-force para o Plano de Vacinação contra a covid-19 assegurou, esta quarta-feira, que vai apertar as regras e o controlo do processo, além de exigir uma maior consciencialização dos envolvidos.

“Claro que vamos apertar mais as regras, o aperto das regras é uma coisa importante, e o aperto do controlo também é importante, e também a consciencialização das pessoas que estão no processo”, afirmou aos jornalistas o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, em declarações transmitidas pela RTP3.

Questionado sobre as medidas concretas que vai implementar, o militar jogou à defesa, mas sublinhou que já sabe quais são. “O problema não está no processo em si de vacinação, está nas vacinas chegarem ao país, e é um processo que é macro europeu, pelo que Portugal não pode fazer muito mais“, lançou, garantindo que se sente capaz de ter êxito na nova missão, caso contrário, não teria aceitado o convite do Governo.

Segundo Gouveia e Melo, que reconheceu a existência de falhas na execução do plano de vacinação, “é prioritário atuar em todas as áreas, a começar pelas áreas onde não houve falhas”.

E acrescentou: “Vamos ter de analisar a razão das falhas e tentar evitar que se repitam. Há muita coisa para fazer, a lista é sempre grande. Imagine a complexidade de uma tarefa que é vacinar, grosso modo, duas vezes uma população de 10 milhões de habitantes”.

De resto, o vice-almirante assegurou que “as Forças Armadas apoiam o processo de vacinação e apoiam o Ministério da Saúde”, excluindo qualquer espécie de tomada de controlo das operações.

“O Ministério da Saúde tem uma estrutura que executa a vacinação, é uma estrutura grande, e nós temos de trabalhar com as pessoas que estão no terreno. Não vem ninguém de fora mandar em estruturas que estão a trabalhar no terreno. É um apoio mútuo.”

De acordo com Gouveia e Melo, esta colaboração permite aproveitar a “organização e estrutura” militar e o “conhecimento e saber” dos outros profissionais no terreno. “Estou confiante que vamos conseguir ajudar a vacinar a população portuguesa e, haja vacinas, a vacinar o mais rapidamente possível”, lançou.

Sobre as notícias dos últimos dias sobre as pessoas que estão a ser vacinadas indevidamente, considerou que tal “é lamentável”, nem que fosse um único caso. “Bastava haver um desvio que fosse que era lamentável“, comentou.

Gouveia e Melo disse ainda que, como já faz parte da task-force, apenas terá de se adaptar à nova posição de liderança, uma vez que conhece bem toda a estrutura.

Sobre o papel das Forças Armadas no combate à pandemia, o vice-almirante salientou o trabalho desenvolvido em coordenação com o Ministério, exemplificando com o aumento em 10 vezes da capacidade de resposta dos hospitais militares de Lisboa e do Porto, com o envolvimento de 700 militares no rastreamento de utentes e no apoio ao plano de vacinação.

Nós somos um silent service, gostamos de prestar serviço de forma silenciosa, porque não é estarmo-nos a pôr em bicos dos pés que vai ajudar o povo português. Nós, militares, estamos a ajudar o Ministério da Saúde, quem tem que realmente fazer o processo e o executar é o Ministério da Saúde”, frisou.

Ainda assim, Gouveia e Melo reconheceu que “houve e há sempre, em todos os processos, alguma tendência de desorganização, mas isso faz parte”, apontando para a “cultura militar”, conjugada com as orientações do Ministério da Saúde, como a melhor resposta a dar neste momento.

O novo líder da task-force adiantou ainda que o seu antecessor, Francisco Ramos, que pediu a demissão esta quarta-feira, lhe transmitiu pessoalmente essa sua intenção, considerando que só o próprio pode avaliar se tinha ou não condições para permanecer no cargo.

“Ele achou, de forma muito honrada, que face ao que aconteceu na instituição em que tinha responsabilidade, e também na outra instituição, que é a coordenação da task-force, que não estava em condições de continuar. Tomou uma posição muito honrada e muito nobre”, afirmou.

De acordo com o semanário Expresso, o grupo parlamentar do PSD afirmou ter ficado “surpreendido” com o inesperado adiamento da audição da Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19, prevista para esta quarta-feira, que agora só deverá acontecer a 17 de fevereiro.

Em comunicado, os sociais-democratas lamentam que na reunião da Comissão de Saúde, esta quarta-feira, o PS tenha inviabilizado a audição urgente da Comissão, justificada por “indisponibilidade da mesma”, apesar de a proposta de audição ter sido aprovada “por unanimidade” na Comissão de Saúde, a 6 de janeiro.

O PSD afirma que este adiamento prejudica “seriamente o adequado desenvolvimento do trabalho parlamentar de acompanhamento e fiscalização do processo de vacinação”, sobretudo quando, na melhor das hipóteses, a audição só vai acontecer “um mês após a sua aprovação parlamentar”.

Para o PSD, tratando-se de uma Comissão Técnica constituída por 11 membros, entre os quais um coordenador e um coordenador-adjunto, “não se compreende que, na indisponibilidade do primeiro, não possa ser o segundo a comparecer, eventualmente acompanhado por outros membros”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …