Nota artística: fumo, fogo… “Fazer o quê? É o futebol português”

Bem, isto anda interessante. Há uma semana houve um Porto-Benfica, a meio da semana um Sporting-Porto e um Braga-Benfica e agora uma final entre Sporting e Braga. As quatro equipas de topo a encontrarem-se frequentemente. Vai dar faísca. Vai mesmo: a comitiva do Sporting de Braga chegou ao estádio, em Leiria, pronta para encontrar…um pequeno incêndio no balneário. Antes do Sporting, o primeiro adversário foi o fumo. Quem foi o incendiário?

Um balde de plástico. Sacana. Foi um balde de plástico que derreteu e que obrigou a mudança temporária de instalações. Mas tudo controlado, vamos lá vestir, aquecer e jogar.

Jogar a final da Taça da Liga entre Sporting Clube de Portugal e Sporting Clube de Braga. Dois clubes que já venceram esta competição, mais do que uma vez. Aliás, nas últimas cinco edições todas as finais contaram, ou com o emblema lisboeta, ou com o emblema bracarense. Mas nunca se tinham cruzado no jogo decisivo. Final inédita.

Antes de começar, Fransérgio olhou bem para o troféu, enquanto pensava: “Vou pegar em ti, quando isto acabar”. O outro capitão, Coates, praticamente ignorou a taça, talvez pensasse que não era para ele. Veremos.

Igualmente antes de começar, os dois capitães disseram adeus…a uma poltrona. Que levou a bola para o relvado e que exibia duas crianças. Sim: um sofá vazio (ou mais ou menos) levou a bola do jogo, tinha uma câmara de vídeo incorporada e mostrou dois adeptos pequeninos, lá em casa deles. Isto chama-se 2021 e isto chama-se corona.

O sofá foi uma pequena parte da pequena cerimónia de abertura da final da Taça da Liga. Tudo pequeno, tudo pequeno, mas o jogo começou atrasado por causa destas coisas.

Inicia a partida. Carlos Carvalhal num banco, mas já esteve no outro. Ruben Amorim num banco, mas já foi jogador da outra equipa. Ah, e treinador também. Durante umas semanas. Esteve de passagem pelo comando técnico do Sporting de Braga. É um viajante.

Os dois treinadores conhecem a sua equipa mas também conhecem a outra. Têm respeito e consideração pela instituição adversária, vão portar-se bem.

Logo nos primeiros segundos, deu para ver João Mário a jogar futebol de praia. A meter a bola no ar, para conseguir controlá-la. Pois, com pequenos lagos em algumas zonas do relvado… Era melhor assim. Mas ninguém reparou que havia tanta água na relva? Pegavam na água e apagavam o incêndio no balneário.

O que se destacou durante os primeiros 40 minutos? Duas expulsões. Dos dois treinadores! Que começaram a reclamar um com o outro. E depois aproximaram-se, e depois houve empurrões, e depois houve socos, e depois rebolaram no chão à porrada, e depois houve xutos e pontapés. Sim, este cenário que Ruben e Carvalhal protagonizaram justificou os dois cartões vermelhos.

Tiago Martins não é um homem do leme ideal. Sem surpresa, o árbitro foi demonstrando ter pouco controlo sobre as operações, ao longo do duelo.

No meio de discussões, da chuva, de entrega, de cartões…zero oportunidades de golo. E zero golos, pois. Assim deverá ficar até ao intervalo. “Porra, eu não deixo!” – disse o Porro, antes de inaugurar o marcador, muito perto do descanso.

Na segunda parte, quando se esperava uma reação ofensiva dos minhotos, a equipa de Carvalhal (ou do seu adjunto) não encontrava espaços para criar perigo. Paulinho já tinha entrado, Horta continuava desaparecido… No outro lado, Pedro Gonçalves quase fez o 2-0, para Iuri Medeiros reagir logo de seguida. Mais para o fim, Al Musrati e Šporar também tentaram, com o último esforço a pertencer a João Novais.

Segundo tempo mais interessante e menos molhado do que o primeiro mas, como muitas vezes acontece, sem golos.

Mais um troféu para o museu do Sporting, nos últimos tempos. Ruben Amorim, que depois do apito final esteve sozinho numa bancada, a pensar na vida, durante quase dois minutos seguidos (eu contei), já conquistou oito vezes a Taça da Liga: seis como jogador e duas como treinador. Individualmente, é o maior neste torneio.

Vamos às declarações, que não escaparam ao momento das expulsões dos dois técnicos. João Mário – que não é, nem jogador do Sporting, nem do FC Porto, mas sim treinador-adjunto em Braga – disse que aquela discussão entre os dois líderes faz parte da festa do futebol.

A Cândida e o Carlos têm razão: isto faz parte da fanfarra e da algazarra que assistimos por cá. É que, além das expulsões, e do antijogo, mal o encontro terminou, houve direito a confusão no relvado e na tribuna. Há que espalhar a alegria e a harmonia.

Razão tem também o Fransérgio, que na entrevista rápida deixou a frase: “Fazer o quê? É o nosso futebol português”.

O futebol português deveria seguir o exemplo do futebol inglês. Carlos Carvalhal já disse isto, mais do que uma vez; quando fala no respeito, por exemplo, no fair-play. Durante os festejos do Sporting, alguém viu o Carvalhal no relvado? Nem sombra dele.

Nuno Teixeira Nuno Teixeira, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso. Num email …

Bayern Munique 'festeja' nono título consecutivo com goleada

O Bayern Munique coroou este sábado o seu nono título consecutivo na Liga alemã de futebol com uma goleada no triunfo diante do Borussia Moenchengladbach (6-0), num jogo com um hat-trick de Lewandowski. Antes de pisar …

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …

Cimeira Social. Jerónimo de Sousa diz que não se respondeu aos verdadeiros problemas

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou este sábado, no Porto, que a Cimeira Social da União Europeia não respondeu às necessidades associadas ao emprego, à valorização dos salários e ao fim da precarização …

Babbage escreveu uma carta a Tennyson. Exigia a "correção matemática" de um poema

A perspicácia matemática de Charles Babbage levou-o a escrever uma carta ao poeta Alfred Tennyson, que exigia, de certa forma, rigor e precisão no poema The Vision Of Sin. Charles Babbage é conhecido como o pai …

Covid-19: Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o …

Roma já tem uma máquina de venda automática de pizza

A capital italiana tem agora uma máquina de venda automática que faz pizzas em apenas três minutos. Os preços variam de 4,50 aos seis euros (e as opiniões sobre esta ideia também). Raffaele Esposito, o napolitano …