Aumentos da Função Pública. Frente Comum abandona negociações com o Governo (e já pensa em formas de luta)

José Sena Goulão / Lusa

A coordenadora da Federação dos Sindicatos da Função Pública, Ana Avoila

A Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública abandonou as negociações com o Governo sobre as medidas a incluir no próximo Orçamento do Estado, indignada com os aumentos salariais de 0,3% propostos pelo Executivo.

Segundo relatou aos jornalistas a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, a comitiva sindical aguardou a chegada do secretário de Estado da Administração Pública, José Couto, entregou um documento a exigir 90 euros de aumento salarial e abandonou a sala.

É um insulto não vale a pena qualquer discussão”, disse a dirigente, prometendo “uma resposta forte” por parte dos trabalhadores do Estado.

“Não faz sentido estarmos numa negociação suplementar quando sabemos quais são as intenções que o Governo tem para os trabalhadores da administração pública para os aumentos dos salários”, afirmou a Ana Avoila, poucos minutos depois de ter sido recebida pelo secretário de Estado da Administração Pública.

A Frente Comum dá assim por fechada a negociação com o Governo, que definiu que os aumentos salariais da Função Pública serão de 0,3%, acompanhando o valor da inflação registada em novembro em 2019.

De acordo com o Dinheiro Vivo, a estrutura sindical vai reunir já no próximo dia 19, visando decidir formas de luta. “Não faz sentido nenhum pactuar numa mesa com uma coisa que é um insulto para os trabalhadores”, afirmou a coordenadora da Frente Comum, insistindo num “aumento mínimo de 90 euros por trabalhador.”

Governo rejeita fixar regra para aumento

A líder bloquista, Catarina Martins, criticou esta quinta-feira os aumentos propostos pelo Governo para a Função Pública, considerando o valor inaceitável.

A coordenadora do Bloco de Esquerda deixou no ar que o o Executivo poderia estar a pensar criar uma regra fixa para essas subidas. “É boa a ideia de criar na legislação um princípio de aumento anual da Função Pública. É importante que o Governo negoceie com os sindicatos. Deve haver negociação coletiva também na administração pública, Agora os números não podem ser esses, estes números são absolutamente inaceitáveis”, disse Catarina Martins, em entrevista à RTP3.

No entanto, o Governo diz que, apesar de os aumentos deste ano estarem serem baseados inflação, o objetivo no futuro não passa por aí. “Não vamos pôr na lei. [Isso] seria matéria de negociação, matéria de reflexão”, esclareceu o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, citado pelo Jornal de Negócios.

A proposta apresentada “é a proposta para 2020 e 2021”, acrescentou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois de um conselho nacional tenso, líder do CDS reúne-se com a bancada parlamentar

O líder do CDS vai reunir-se, esta quinta-feira, com os cinco deputados centristas para dialogarem sobre a articulação entre a direção e a bancada parlamentar. Tal como recorda o jornal Público, esta reunião de trabalho acontece depois …

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …