Estado tapa nomes em contratos públicos. Proteção de Dados diz que “não faz sentido”

A maioria das instituições públicas está a censurar nomes, assinaturas e outros dados pessoais em contratos assinados com o Estado. A Comissão da Proteção de Dados diz que “não faz qualquer sentido”.

A prática tem-se estendido a vários setores públicos, desde ministérios (como é o caso do da Justiça), câmaras municipais (como Lisboa ou Porto) e outras autarquias, empresas públicas (como as Infraestruturas de Portugal), direções-gerais ou mesmo tribunais, avança esta manhã a TSF.

Esta situação não é comum, o que leva a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) a estranhar a situação. Em declarações à rádio, o organismo diz que esta prática “não faz sentido”.

De acordo com a CNPD, “em nome da transparência”, os contratos devem ser “obrigatoriamente publicados na Internet”. Esta nova prática está a acontecer, provavelmente, devido ao novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, que oferece várias interpretações, e que ainda está em fase de processo legislativo, explicou a CNPD à TSF.

A adaptação do regulamento está presente no portal Base, onde são publicados todos os contratos com cunho público. A lei e as indicações do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC), que gere o site onde os contratos têm de ser publicitados para facilitar o escrutínio dos contribuintes, estão longe de ser interpretadas por todos da mesma forma.

A maioria das instituições públicas tapam quase tudo o que são dados pessoais, nomeadamente os nomes dos representantes das empresas. Umas entidades tapam ainda as assinaturas dos intervenientes, enquanto outras deixam-nas completamente visíveis. Há também quem tape os nomes dos representantes do Estado (dirigentes públicos ou mesmo políticos) e outros – poucos – continuam a revelar tudo.

Por exemplo, um contrato público da Câmara de Lisboa no valor de um milhão de euros tapa todo o nome do responsável da empresa. Em Lisboa é esta a política da autarquia. Já no Porto o município tapa tudo, até assinaturas e o nome da pessoa que representa a autarquia. A Câmara de Sintra tapa assinaturas e o nome da vereadora que adjudica em nome do município a contratação pública. Por outro lado, a Polícia Judiciária não tapa nada, deixando todos os dados pessoais à vista.

O Jornal de Negócios analisou a situação e foi mais longe: dos cem maiores contratos públicos presentes no Portal Base, mais de um terço (37) têm os dados rasurados.

CNPD estranha comportamento

Fonte oficial da CNPD “estranha o timing dessa mudança de comportamento por parte das entidades adjudicantes, supostamente a partir da aplicação do Regulamento europeu de proteção de dados (RGPD), uma vez que este não trouxe nenhuma alteração substancial ao regime de proteção de dados que tem vigorado em Portugal nos últimos 20 anos com incidência neste caso concreto”.

Em resposta à TSF, recorda que a divulgação na Internet dos contratos públicos está prevista na lei e “tem precisamente o objetivo de tornar transparentes e escrutináveis os atos da Administração”.

A CNPD defende que em nome da transparência “têm de estar devidamente identificadas as partes do contrato, isto é, o nome do titular do órgão adjudicante, para garantir que contratou quem tinha competência para o efeito, o nome do adjudicatário se for pessoa singular, e o nome do representante do adjudicatário se for pessoa coletiva”.

Além dos nomes, até as assinaturas, que vários organismos públicos também estão a esconder, “são imprescindíveis como comprovativo da vinculação das partes”.

Aquilo que não deve ser difundido na Internet, porque não é necessário em nome da transparência e pode ser “extremamente prejudicial para os titulares dos dados, é, por exemplo, o número de identificação civil ou a morada de pessoa singular”.

“Naturalmente, não faz qualquer sentido ‘tapar’ nomes ou cargos. Se assim fosse, o portal dos contratos públicos não teria grande utilidade. A proteção de dados pessoais é para ser levada a sério, mas não pode servir como desculpa para não publicitar informação necessária ao controlo democrático da atividade das entidades públicas”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Depois dos “pais, filhos, mulheres, maridos, irmãos e primos” no governo, agora é que aplicam o regulamento de protecção de dados…. que escrupulosos que são, não é verdade????

    Continuamos a ‘chico-espertice’ do costume…..

  2. Se destaparem vamos ver mais filhos, primos, tios, etc
    É um autêntico escândalo isto tudo. Nunca o estado poderá tapar informação dita pública. Por esse mesmo motivo é que estamos a falar de contratos públicos. Passíveis de escrutínio pelo povo. Retire-se daqui meia-dúzia de contratos sigilosos (no domínio da segurança, etc) e tudo o demais é e deverá ser totalmente público.

Responder a ah Cancelar resposta

Hélder Amaral: "O meu partido de sempre está a morrer"

Em declarações ao semanário Expresso, o antigo deputado do CDS-PP, Hélder Amaral, diz-se desiludido com o seu partido. O ex-deputado centrista Hélder Amaral, que foi também presidente da distrital de Viseu, não está feliz com o …

EDP antecipa pagamento a mais de mil fornecedores em Portugal e Espanha

A EDP vai antecipar o pagamento a mais de mil fornecedores, uma iniciativa que, à semelhança do que já aconteceu no último ano, irá manter-se para todos os pagamentos a fornecedores ao longo do primeiro …

Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe. Centenas de aldeões estão a …

João Ferreira diz que Marcelo deixou jovens em situação de "vulnerabilidade" (e elogia lay-off a 100%)

João Ferreira criticou este sábado o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa por deixar os jovens em situação de "vulnerabilidade". O candidato presidencial João Ferreira afirmou, este sábado, que o Presidente da República, Marcelo …

Marisa Matias critica que apenas 1% do orçamentado seja gasto com cuidadores informais

Marisa Matias, candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda, criticou este sábado que apenas tenha sido executado 1% da verba prevista no Orçamento do Estado para 2020 para os projetos-piloto dos cuidadores informais. Os atrasos e …

Ana Gomes considera "elucidativo" que Sócrates a ataque e elogie Marcelo

Ana Gomes, candidata às eleições presidenciais, considerou “elucidativo” que o antigo primeiro-ministro José Sócrates a tenha atacado e elogiado Marcelo Rebelo de Sousa. Questionada pelos jornalistas sobre o artigo de José Sócrates divulgado na sexta-feira, em …

Só pela profissão, professores "não são grupo de risco"

Graça Freitas reconheceu a importância dos professores "para o funcionamento do país", mas rejeitou considerá-los um grupo de risco esta sexta-feira. Os professores não são considerados um grupo de risco que deva ser integrado entre as …

João Leão infetado com covid-19

João Leão, ministro das Finanças, testou positivo à covid-19. O governante encontra-se assintomático e em confinamento domiciliário. O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, testou positivo à covid-19. A informação foi adiantada este sábado …

Ricardo Salgado quer anular multa de 75 mil euros

A defesa de Ricardo Salgado recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça para tentar anular uma decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que confirmou uma multa de 75 mil do Banco de Portugal por causa …

Portugueses começam a votar nas Presidenciais este domingo. Há 246 mil inscritos

Os portugueses começam a votar já neste domingo, uma semana antes das eleições Presidenciais de 24 de janeiro, no chamado voto antecipado em mobilidade para que se inscreveram mais de 246 mil eleitores. As europeias e …