Estado tapa nomes em contratos públicos. Proteção de Dados diz que “não faz sentido”

A maioria das instituições públicas está a censurar nomes, assinaturas e outros dados pessoais em contratos assinados com o Estado. A Comissão da Proteção de Dados diz que “não faz qualquer sentido”.

A prática tem-se estendido a vários setores públicos, desde ministérios (como é o caso do da Justiça), câmaras municipais (como Lisboa ou Porto) e outras autarquias, empresas públicas (como as Infraestruturas de Portugal), direções-gerais ou mesmo tribunais, avança esta manhã a TSF.

Esta situação não é comum, o que leva a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) a estranhar a situação. Em declarações à rádio, o organismo diz que esta prática “não faz sentido”.

De acordo com a CNPD, “em nome da transparência”, os contratos devem ser “obrigatoriamente publicados na Internet”. Esta nova prática está a acontecer, provavelmente, devido ao novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, que oferece várias interpretações, e que ainda está em fase de processo legislativo, explicou a CNPD à TSF.

A adaptação do regulamento está presente no portal Base, onde são publicados todos os contratos com cunho público. A lei e as indicações do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC), que gere o site onde os contratos têm de ser publicitados para facilitar o escrutínio dos contribuintes, estão longe de ser interpretadas por todos da mesma forma.

A maioria das instituições públicas tapam quase tudo o que são dados pessoais, nomeadamente os nomes dos representantes das empresas. Umas entidades tapam ainda as assinaturas dos intervenientes, enquanto outras deixam-nas completamente visíveis. Há também quem tape os nomes dos representantes do Estado (dirigentes públicos ou mesmo políticos) e outros – poucos – continuam a revelar tudo.

Por exemplo, um contrato público da Câmara de Lisboa no valor de um milhão de euros tapa todo o nome do responsável da empresa. Em Lisboa é esta a política da autarquia. Já no Porto o município tapa tudo, até assinaturas e o nome da pessoa que representa a autarquia. A Câmara de Sintra tapa assinaturas e o nome da vereadora que adjudica em nome do município a contratação pública. Por outro lado, a Polícia Judiciária não tapa nada, deixando todos os dados pessoais à vista.

O Jornal de Negócios analisou a situação e foi mais longe: dos cem maiores contratos públicos presentes no Portal Base, mais de um terço (37) têm os dados rasurados.

CNPD estranha comportamento

Fonte oficial da CNPD “estranha o timing dessa mudança de comportamento por parte das entidades adjudicantes, supostamente a partir da aplicação do Regulamento europeu de proteção de dados (RGPD), uma vez que este não trouxe nenhuma alteração substancial ao regime de proteção de dados que tem vigorado em Portugal nos últimos 20 anos com incidência neste caso concreto”.

Em resposta à TSF, recorda que a divulgação na Internet dos contratos públicos está prevista na lei e “tem precisamente o objetivo de tornar transparentes e escrutináveis os atos da Administração”.

A CNPD defende que em nome da transparência “têm de estar devidamente identificadas as partes do contrato, isto é, o nome do titular do órgão adjudicante, para garantir que contratou quem tinha competência para o efeito, o nome do adjudicatário se for pessoa singular, e o nome do representante do adjudicatário se for pessoa coletiva”.

Além dos nomes, até as assinaturas, que vários organismos públicos também estão a esconder, “são imprescindíveis como comprovativo da vinculação das partes”.

Aquilo que não deve ser difundido na Internet, porque não é necessário em nome da transparência e pode ser “extremamente prejudicial para os titulares dos dados, é, por exemplo, o número de identificação civil ou a morada de pessoa singular”.

“Naturalmente, não faz qualquer sentido ‘tapar’ nomes ou cargos. Se assim fosse, o portal dos contratos públicos não teria grande utilidade. A proteção de dados pessoais é para ser levada a sério, mas não pode servir como desculpa para não publicitar informação necessária ao controlo democrático da atividade das entidades públicas”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Depois dos “pais, filhos, mulheres, maridos, irmãos e primos” no governo, agora é que aplicam o regulamento de protecção de dados…. que escrupulosos que são, não é verdade????

    Continuamos a ‘chico-espertice’ do costume…..

  2. Se destaparem vamos ver mais filhos, primos, tios, etc
    É um autêntico escândalo isto tudo. Nunca o estado poderá tapar informação dita pública. Por esse mesmo motivo é que estamos a falar de contratos públicos. Passíveis de escrutínio pelo povo. Retire-se daqui meia-dúzia de contratos sigilosos (no domínio da segurança, etc) e tudo o demais é e deverá ser totalmente público.

RESPONDER

ESA prepara-se para intercetar pela primeira vez um cometa puro

A Agência Espacial Europeia (ESA) desenvolveu um projeto que visa intercetar um cometa puro - um corpo celeste que nunca passou pelo Sistema Solar -, quando este se aproximar da órbita da Terra em meados …

Astrónomos encontraram uma nova (e surpreendente) cratera em Marte

Marte não se "magoa" facilmente mas, quando acontece, o resultado pode ser quase comparado a uma obra de arte. Uma cratera, descoberta em abril pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), é a prova disso. Notável não só …

Elon Musk alerta: Civilização pode colapsar daqui a 30 anos

De acordo com Elon Musk, uma "bomba populacional" vai surgir nas próximas décadas, quando uma população mundial cada vez mais idosa chocar com a queda das taxas de natalidade em todo o mundo. Esta não é …

O mundo árabe está menos religioso. Mas continua homofóbico

Há cada vez mais árabes que dizem não ter religião. Esta é a principal conclusão de uma grande sondagem feita a mais de 25 mil cidadãos de países árabes pelo centro de pesquisa Arab Network …

Tina morreu durante 27 minutos e foi ressuscitada 8 vezes. Quando acordou, escreveu "é real"

Uma mulher norte-americana entrou em paragem cardíaca em fevereiro de 2018 quando se preparava para fazer uma caminhada com o seu marido Brian. Depois de desmaiar, Brian ressuscitando-a duas vezes antes de os paramédicos chegarem para …

"Homem-árvore" pede que as suas mãos sejam amputadas

Abul Bajandar, um homem de 28 anos do Bangladesh conhecido como "Homem-árvore" devido às incomuns verrugas que nascem nos seus membros, pediu que as suas mãos fossem amputadas para aliviar as dores insuportáveis.  Bajandar sofre de …

EUA. Senadores republicanos do Oregon fogem para não aprovar lei ambiental

Senadores estaduais do Oregon, nos Estados Unidos (EUA), encontram-se a monte desde quinta-feira para não votarem uma lei ambiental. Procurados pela polícia, voltaram este domingo a faltar a uma sessão legislativa, impedindo que haja quórum …

O planeta enfrenta um "apartheid climático"

O planeta está confrontado com um “'apartheid' climático”. De um lado, os ricos que se podem adaptar melhor às alterações climáticas, e do outro, os pobres que vão sofrer mais, disse esta segunda-feira um especialista …

Governo repõe 40 horas semanais para trabalhadores do CNB. Greve mantém-se

A partir de 1 de julho, os trabalhadores da Companhia Nacional de Bailado (CNB) voltarão às 40 horas semanais, numa uniformização laboral com os trabalhadores do Teatro Nacional de São Carlos. A decisão foi comunicada, esta …

Nova espécie de planta fóssil descoberta em Gondomar

Annularia noronhai foi encontrada no meio da cidade de Gondomar. Tem 300 milhões de anos, é um parente muito afastado da cavalinha e diz muito sobre o clima da época. Uma nova espécie de planta já …