Estado tapa nomes em contratos públicos. Proteção de Dados diz que “não faz sentido”

A maioria das instituições públicas está a censurar nomes, assinaturas e outros dados pessoais em contratos assinados com o Estado. A Comissão da Proteção de Dados diz que “não faz qualquer sentido”.

A prática tem-se estendido a vários setores públicos, desde ministérios (como é o caso do da Justiça), câmaras municipais (como Lisboa ou Porto) e outras autarquias, empresas públicas (como as Infraestruturas de Portugal), direções-gerais ou mesmo tribunais, avança esta manhã a TSF.

Esta situação não é comum, o que leva a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) a estranhar a situação. Em declarações à rádio, o organismo diz que esta prática “não faz sentido”.

De acordo com a CNPD, “em nome da transparência”, os contratos devem ser “obrigatoriamente publicados na Internet”. Esta nova prática está a acontecer, provavelmente, devido ao novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, que oferece várias interpretações, e que ainda está em fase de processo legislativo, explicou a CNPD à TSF.

A adaptação do regulamento está presente no portal Base, onde são publicados todos os contratos com cunho público. A lei e as indicações do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC), que gere o site onde os contratos têm de ser publicitados para facilitar o escrutínio dos contribuintes, estão longe de ser interpretadas por todos da mesma forma.

A maioria das instituições públicas tapam quase tudo o que são dados pessoais, nomeadamente os nomes dos representantes das empresas. Umas entidades tapam ainda as assinaturas dos intervenientes, enquanto outras deixam-nas completamente visíveis. Há também quem tape os nomes dos representantes do Estado (dirigentes públicos ou mesmo políticos) e outros – poucos – continuam a revelar tudo.

Por exemplo, um contrato público da Câmara de Lisboa no valor de um milhão de euros tapa todo o nome do responsável da empresa. Em Lisboa é esta a política da autarquia. Já no Porto o município tapa tudo, até assinaturas e o nome da pessoa que representa a autarquia. A Câmara de Sintra tapa assinaturas e o nome da vereadora que adjudica em nome do município a contratação pública. Por outro lado, a Polícia Judiciária não tapa nada, deixando todos os dados pessoais à vista.

O Jornal de Negócios analisou a situação e foi mais longe: dos cem maiores contratos públicos presentes no Portal Base, mais de um terço (37) têm os dados rasurados.

CNPD estranha comportamento

Fonte oficial da CNPD “estranha o timing dessa mudança de comportamento por parte das entidades adjudicantes, supostamente a partir da aplicação do Regulamento europeu de proteção de dados (RGPD), uma vez que este não trouxe nenhuma alteração substancial ao regime de proteção de dados que tem vigorado em Portugal nos últimos 20 anos com incidência neste caso concreto”.

Em resposta à TSF, recorda que a divulgação na Internet dos contratos públicos está prevista na lei e “tem precisamente o objetivo de tornar transparentes e escrutináveis os atos da Administração”.

A CNPD defende que em nome da transparência “têm de estar devidamente identificadas as partes do contrato, isto é, o nome do titular do órgão adjudicante, para garantir que contratou quem tinha competência para o efeito, o nome do adjudicatário se for pessoa singular, e o nome do representante do adjudicatário se for pessoa coletiva”.

Além dos nomes, até as assinaturas, que vários organismos públicos também estão a esconder, “são imprescindíveis como comprovativo da vinculação das partes”.

Aquilo que não deve ser difundido na Internet, porque não é necessário em nome da transparência e pode ser “extremamente prejudicial para os titulares dos dados, é, por exemplo, o número de identificação civil ou a morada de pessoa singular”.

“Naturalmente, não faz qualquer sentido ‘tapar’ nomes ou cargos. Se assim fosse, o portal dos contratos públicos não teria grande utilidade. A proteção de dados pessoais é para ser levada a sério, mas não pode servir como desculpa para não publicitar informação necessária ao controlo democrático da atividade das entidades públicas”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Depois dos “pais, filhos, mulheres, maridos, irmãos e primos” no governo, agora é que aplicam o regulamento de protecção de dados…. que escrupulosos que são, não é verdade????

    Continuamos a ‘chico-espertice’ do costume…..

  2. Se destaparem vamos ver mais filhos, primos, tios, etc
    É um autêntico escândalo isto tudo. Nunca o estado poderá tapar informação dita pública. Por esse mesmo motivo é que estamos a falar de contratos públicos. Passíveis de escrutínio pelo povo. Retire-se daqui meia-dúzia de contratos sigilosos (no domínio da segurança, etc) e tudo o demais é e deverá ser totalmente público.

Responder a ah Cancelar resposta

Nova Iorque alerta que só terá material médico até 5 de abril

O presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, alertou esta sexta-feira que a cidade apenas tem material médico até 5 de abril, lembrando que a 'Big Apple' é atualmente o epicentro do novo …

Cientistas determinaram como é que o cérebro controla a voz dos morcegos

Segundo um recente estudo levado a cabo por biólogos da Universidade de Frankfurt, é um circuito neuronal específico no cérebro dos morcegos que controla as suas vozes. Os morcegos são conhecidos pelo seu exímio sentido de …

Detetadas outras nove misteriosas rajadas rápidas de rádio que se repetem

Foram detetadas nove outras Rajadas Rápidas de Rádio (FRB) que se repetem entre as 700 já identificadas desde outubro de 2018 pelo projeto científico CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment), que se baseia num telescópio localizado …

"Não é completamente de loucos" pensar que há vida em Mercúrio

Há a possibilidade, ainda que pequena, de que Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, possa abrigar vida, concluiu uma nova investigação. "É possível que, enquanto houver água, as temperaturas [no planeta] sejam apropriadas para …

O porta-aviões mais avançado do mundo tem um problema inesperado nas suas casas de banho

O porta-aviões de propulsão nuclear USS Gerald R. Ford, o mais avançado da Marinha dos Estados Unidos, tem um problemas nas suas casas de banho, que precisam de ser lavadas com ácido regularmente. De acordo com …

Retirada dos ricos, colapso dos transportes e medo do contacto. As cidades no pós-pandemia

Mesmo depois de a pandemia do novo coronavírus diminuir e voltar a ser seguro estar com outras pessoas, a sociedade pode nunca mais ser a mesma. A atual pandemia de Covid-19 está a mudar rapidamente a …

"Quando a Alemanha disser que há eurobonds, os holandeses vão pastar para outras paragens"

Ana Gomes mostrou-se satisfeita com a atuação de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa durante esta pandemia. A ex-eurodeputada deixou ainda duras críticas aos holandeses, que diz irem pastar para outras paragens quando os …

Coreia do Norte diz não ter casos de covid-19 (mas terá pedido ajuda secretamente)

Apesar de negar ter casos de infeção por covid-19, o novo coronavírus oriundo da China, a Coreia do Norte terá discretamente solicitado ajuda a outros países no combate da doença. As autoridades do país asiático terão …

Seguranças chineses usam óculos inteligentes que detetam pessoas com febre

Os seguranças do Parque Hongyuan, em Hangzhou, na China, conseguem detetar a temperatura corporal de todos os visitantes à distância de até um metro. Como? Graças a uns óculos inteligentes. De acordo com o jornal South …

"O cisne negro de todos os cisnes negros". Vírus é global, mas Portugal e Itália serão mais prejudicados

A grande pandemia motivada pelo coronavírus vai ser económica, consideram especialistas que acreditam que no pós Covid-19, o mundo mudará de forma significativa em várias áreas. Certo é que a crise económica vai afectar os …