Esfaqueado e de roupa interior. Mais um cientista russo morre após cair da janela do seu apartamento

O cientista russo Alexander Kagansky caiu da janela do seu apartamento, um 14º andar em São Petersburgo. Inicialmente, pensou-se ser um suicídio, mas o cientista tinha feridas de arma branca.

Alexander Kagansky foi diretor do Centro de Medicina Genómica e Regenerativa da Universidade Federal Russa do Extremo Oriente em Vladisvostok e estava a trabalhar no desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus.

Antes de regressar à Rússia, Kagansky passou 13 anos a estudar doenças de foro oncológico em Edimburgo, na Escócia. Também foi professor assistente em Vladivostok.

De acordo com o New York Post, as autoridades russas prenderam um suspeito, um amigo de infância, interrogaram-no durante 48 horas e libertaram-no após ter feito o teste do polígrafo.

O jornal russo Fontanka.ru garantiu que é o jornalista Igor Ivanov. O detido disse, segundo o Moscow Times, que estavam a comemorar o aniversário do cientista quando o próprio Kagansky se esfaqueou antes de saltar da janela em roupa interior.

A morte de Kagansky torna-se ainda mais estranha após, em abril, vários médicos terem caído misteriosamente de janelas de hospitais, na Rússia, num período de apenas duas semanas. Dois morreram e um ficou hospitalizado.

O médico que sobreviveu à queda, chamado Alexander Shulepov, caiu da janela do 2.º andar do hospital Novousmanskaya, onde trabalhava e onde estava a ser tratado após ter testado positivo para o novo coronavírus.

No mesmo dia, Shulepov e o seu colega Alexander Kosyakin partilharam um vídeo a acusar a instituição de o obrigar a trabalhar mesmo estando infetado.

Em maio, Elena Nepomnyashchaya, diretora clínica interina de um hospital em Krasnoyarsk, morreu, depois de ter estado uma semana nos cuidados intensivos.

A médica terá caído de uma janela durante uma reunião com as autoridades de saúde regionais, na qual foi discutida a possibilidade de transformar a clínica num centro de tratamento covid-19. Alegadamente, Nepomnyashchaya não terá concordado com as mudanças devido à falta de material de proteção existente no hospital.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. Certo.

    Nenhuma notícia das atrocidades na China, e assassínato misterioso de jornalistas, pessoal médico, ou muçulmanos, só este ano.

    Avanta camaradas.

  2. Começo a pensar que o problema deve estar nas janelas russas tal é a frequência de tais atos, possivelmente ficaram infetadas com o vírus do comunismo provavelmente alérgico a, cientistas e médicos e andam a atirá-los janela abaixo.

  3. Pois é, muito se falou que o SARS-COV2 poderia ter sido criado artificialmente na China. Ou teria sido na Rússia? Estas mortes são suspeitas …

  4. Aqui fala-se muito da Rússia, Russofobia será? Será que as notícias que se passam na Rússia são mais importantes das que se passam em outros países? Porque não falam do conflito entre a Austrália e a China ou ainda do incidente que aconteceu ainda esta semana na base Americana Rammstein da Alemanha que quase causou um incidente nuclear internacional, pois disso não falam, enfim.

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu reparo, do qual discordamos.
      Não estamos perante um caso de russofobia. Estamos perante um caso de zapofobia, de desleixo a informar-se antes de comentar, ou, pior ainda, de cegueira seletiva.
      O que se passa na Rússia não é menos importante para o ZAP do que o que se passa noutros países, que o ZAP aborda com a atenção adequada.
      No que diz respeito aos dois exemplos concretos que refere, o ZAP cobriu nas últimas semanas a clima de tensão entre a China e a Austrália, e a notícia da semana passada sobre Rammstein não se referia à banda de heavy metal.
      Portanto, esteja à vontade para comentar no ZAP, os seus comentários são bem vindos. Mas verifique primeiro, por favor, se têm algum cabimento — ou, pelo menos, não se identifique como “Esclarecido” 🙂

  5. há leitores que implicam por tudo e nada, está bem sei o que é correto e não mas ás vezes deixo escapar não é que não saibam, mas ás vezes….

    • piranha, pois eu não deixo escapar nada! aprenda a colocar as virgulas onde devem ser colocadas e, não é correcto escrever-se “ás vezes”, mas sim – às vezes

      • Há um erro a seguir a nada! Aprenda!
        Colocar a vírgula no colocadas e, é um disparate.
        O travessão antes do às vezes é — outro (disparate como este).
        E finalmente, não se escreve ás vezes com aspas e às vezes sem.
        Pronto, acho que não me escapou nada.

RESPONDER

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …