Empresário francês sugere que a Mona Lisa seja vendida (para pagar a crise do coronavírus)

Stéphane Distinguin, empresário francês e CEO da empresa de tecnologia Fabernovel, sugeriu que a Mona Lisa poderia ser vendida por 50 mil milhões de euros, ajudando, assim, a aliviar as consequências económicas da pandemia em França.

Em 15 de novembro de 2017, Salvator Mundi, uma obra de Leonardo da Vinci foi leiloada em Nova Iorque por 450,3 milhões de dólares, tornando-se a obra mais cara vendida em leilão da História e confirmou o valor da assinatura do artista renascentista, mesmo 500 anos após sua morte.

Agora, de acordo com o jornal espanhol ABC, um empresário francês sugeriu que seja feito o mesmo com Mona Lisa, a obra mais famosa do mundo. Segundo Stéphane Distinguin, a pintura exposta no Museu do Louvre poderia ser vendida para pagar a crise económica provocada pela pandemia do novo coronavírus em França.

Distinguin sugere que a Mona Lisa seria vendida por, no mínimo, 50 mil milhões de euros.

“Dia após dia, listamos os milhares de milhões que esra crise acarreta, como crianças que contam quanto tempo demora uma pedra a chegar ao fundo quando a atira para um poço para medir a sua profundidade”, explicou o empresáro, em declarações à revista Usbek & Rica. “Como empresário e contribuinte, sei que esses milhares de milhões não podem ser inventados e que necessariamente custar-nos-ão a nós. Uma reflexão óbvia é vender um ativo valioso pelo preço mais alto possível, mas que afeta o nosso futuro o minimamente possível”.

“Uma pintura é fácil de mover e, portanto, fácil de entregar. Temos muitos quadros. Em 2020, temos de conseguir o dinheiro de onde esteja. Vamos vender jóias da família. O preço é a causa essencial e principal de controvérsia. O preço tem de ser louco para que a operação faça sentido. Estimo que custaria nada menos do que 50 mil milhões de euros para adquirir a Mona Lisa”.

O empresário também indicou a forma de pagamento, argumentando que a Mona Lisa pode ser paga com alguma criptomoeda para facilitar a transação entre os países.

“Legal e tecnicamente, essa solução teria muitas vantagens, pois permitiria a França e ao Louvre manter o controlo da pintura. Pode-se até imaginar que essa manobra obteria a aprovação do grande Leonardo Da Vinci, que a pintou, mas também dominou todas as ciências e tecnologias do seu tempo”, concluiu.

ZAP //

 

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. E que tal se este senhor doasse parte da sua fortuna pessoal e dos seus pares. Chegava facilmente à quantia prevista e não andava a depauperar os bens culturais públicos a favor de um privado qualquer…
    Me engana que eu gosto!

  2. E, assim, com esta venda, o problema da crise francesa ficaria resolvido e o Macron já não precisava de andar de mão estendida, lá por Bruxelas!!!!

RESPONDER

Por George Floyd, milhares de portugueses manifestam-se contra o racismo

Milhares de portugueses manifestaram-se, este sábado, contra o racismo em Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Viseu. Em causa está a morte de George Floyd, nos Estados Unidos. Mais de cinco mil pessoas participaram hoje à tarde …

Touradas regressam quando "estiverem aprovadas regras" pela DGS

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, disse hoje que os espetáculos tauromáquicos vão poder ser retomados “assim que as regras” para esse reinício “estiverem aprovadas pela Direção-Geral da Saúde”, devido à pandemia da Covid-19. Numa visita …

Maddie terá entrado em veículo de matrícula alemã em Espanha após o desaparecimento

Uma testemunha diz ter visto uma criança parecida com Madeleine McCann a entrar numa carrinha de matrícula alemã, em Espanha, acompanhada de um homem, poucas semanas após o seu desaparecimento. A informação consta de um arquivo …

Primeiro dia das eleições do FC Porto com mais de quatro mil votantes

O primeiro dia das eleições do FC Porto não podia ter sido "melhor", estimou Matos Fernandes, presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube, relevando que este sábado 4.036 sócios que se dirigiram ao Dragão …

Novo dispositivo produz energia a partir das sombras

Em dias chuvosos e com pouca luz solar, seria uma mais-valia se pudéssemos usar a sombra dos objetos para obter energia elétrica. A solução desenvolvida por Swee Ching Tan, cientista de materiais na Universidade Nacional …

Estômago de dinossauro preservou a sua última refeição durante 110 milhões de anos

Cientistas canadianos analisaram a última refeição de um anquilossauro nodossóide, com 110 milhões de anos, ainda na sua barriga fossilizada. De acordo com o site Science Alert, este dinossauro herbívoro de 1300 quilos – Borealopelta markmitchelli – descoberto …

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …