Deputados das ilhas reembolsados por viagens que não pagam

António Cotrim / Lusa

Carlos César na Assembleia da República

Os deputados da Assembleia da República residentes nos Açores e Madeira estão a acumular a compensação do Parlamento com o reembolso dos bilhetes das viagens. Pelo menos sete destes deputados, diz o Expresso, pedem de volta ao Estado dinheiro que não gastaram.

Segundo revela este sábado o jornal Expresso, pelo menos sete deputados do PS, PSD e Bloco de Esquerda estão a receber uma compensação do Parlamento por deslocações semanais, acumulando-a com o reembolso parcial do custo da viagem a que têm direito enquanto residentes nas ilhas.

Dos 12 deputados das ilhas, pelo menos 7 estão a pedir de de volta ao Estado o reembolso de dinheiro que não gastaram, recorrendo ao subsídio de insularidade para residentes nas ilhas.

Os deputados Carlos César, Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira do PS, Paulo Neves do PSD e José Paulino de Ascensão, do BE, confirmaram ao Expresso terem recebido esta dupla compensação, que garantem ser legal. Berta Cabral, Sara Madruga, Carlos Costa Neves e António Ventura, do PSD, não responderam.

Apenas Rubina Berardo, deputada do PSD pelo círculo da Madeira e eleita em fevereiro para a vice-presidência da bancada social-democrata, afirmou que, “por opção pessoal”, não pede o reembolso.

Juristas ouvidos pelo semanário  têm no entanto entendimento diferente do dos deputados, considerando que a acumulação de compensações é ilegal.

As ajudas de custos dadas pelo Parlamento aos deputados insulares para deslocações chegam aos 500 euros por semana, valor que é em norma suficiente para suportar os custos das viagens entre as ilhas e o continente.

Esta compensação é devida mesmo que os deputados não viagem, e, salienta o Observador, é paga sem exigência de comprovativos, a não ser que os beneficiários faltem a trabalhos parlamentares.

Mas os beneficiários desta compensação pedem simultaneamente o reembolso do custo do bilhete a quem têm direito por residirem nas ilhas, mesmo não o tendo pago.

Os deputados que admitem acumular as compensações justificam o comportamento com o facto de “muitas vezes não conseguirem comprar viagens em classe económica“, pressuposto com base no qual é calculado o valor entregue pelo Parlamento, ou de os “preços terem disparado”.

Mas para os deputados da Madeira e Açores, as deslocações à Assembleia da República não só ficam mais baratas, como têm aparentemente ida e ida, volta e volta.

ZAP //

PARTILHAR

16 COMENTÁRIOS

    • Sim. Até porque na única câmara que o bloco de esquerda tinha, a autarca foi condenada. Bela estatística 1 em 1.
      És mesmo palonso

  1. Isto é o tal bando que se diz serem os senhores impolutos, que defendem os interesses dos Portugueses? Nãooooooo, porque votar nesta raça de gente, foi chão que já deu uva e agora nem pagando se voto nesta miserável corja política. Tenho dito.

  2. Decididamente se aparecer algum honesto é logo morto.
    Dá a sensação que primeiro tiram uma licenciatura em vigarice e só depois é que podem ocupar estes lugares.

  3. Não sei se faz sentido acusar estes ou outros deputados, destes ou de outros partidos. Se não fossem estes, do PS, PSD e BE, seriam outros, dos mesmos ou de outros partidos.
    De resto, estou convicto de que todos os comentadores que aqui se pronunciaram fariam exactamente a mesma coisa: aproveitar o que a Lei lhes confere. E os que, por remota hipótese, não o fizessem, seriam mal vistos pelo resto da maralha.
    A questão tem que ser colocada bem a montante, pondo em causa a própria Assembleia da República. Os milhões de que dispõe anualmente para malbaratar é uma ofensa a todos os contribuintes deste País. E os gastos desnecessários começam logo nos salários dos deputados. Primeiro, porque metade deles chegava e sobrava. Depois, porque ao contrário do que muito “boa” gente defende, os salários que auferem são demasiado altos. E sendo demasiado altos, por que razão ainda beneficiam de uma série de subsídios para tudo e mais alguma coisa, além de reformas sem tempo nem descontos para elas, etc, etc….? Ninguém os obriga a ocupar as cadeiras de São Bento. Pelo contrário, são eles que se matam e esfolham para conquistarem o seu lugarzinho lá.
    Cá fora há gente muito mais útil ao País que trabalha que se farta e recebe 1/10 do que eles ganham, tem que descontar 40 anos e chegar a velho para ter direito à reforma.
    Estranho é que ao fim de tantos anos a ser assim, ainda haja gentinha que pensa que o partido a que, por conveniência ou inocência, esteja ou se sinta afecta é que é o bom, o competente, o salvador…
    Mas o povo tem o que merece!

  4. E confirmáramos deputados ser legam a situação.
    Porquê legam?
    Porque tal foi legalizado pela assembleia da República???
    Como é possível tal coisa?
    Bela lição nos é dada por aqueles que têm a incumbência de tratar as coisas da NAÇÂO.
    Perdão, esqueci por momentos que já não temos, já não somos NAÇÃO.

  5. Até que enfim,alguém concorda comigo,nós não temos nação, e já agora sabem porquê?pois eu sei!é que tanta gente a viver á borla, a nação não conseguia pagar isto tudo,então começaram a comer fiado, e já se sabe que os credores querem tudo, dinheiro, bens e património, e dignidade,mas não foram estes!foram os que já foram, alguns que não tem vergonha ainda piam,deviam estar caladinhos, mas estes não tem cornos para enfrentar o touro,porque só enfrenta o touro quem tem coragem.

  6. Temos uma classe política oportunista, e como diz o Eu: ñ passam de um bando de parasitas e imorais. Está instituído nos seus propósitos gamarem o mais que podem, e para isso criam leis à medida dos seus interesses

RESPONDER

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável. Uma equipa de investigadores sugere que a sua dimensão reduzida não lhe permite reter muita água. Um novo estudo sugere que o pequeno tamanho de Marte pode ser …

"Era como se a morte estivesse num copo." No século XVIII, o gin estava a arruinar a Inglaterra

A bebida alcoólica tornou-se tão popular no Reino Unido que os empresários começaram a utilizar todo o tipo de aditivos para enriquecerem. No século XVIII, o gin tornou-se a maior droga que o homem poderia consumir …

Vacinar animais contra a covid-19? Dezenas de zoos nos EUA estão a avançar com a ideia

Cerca de 70 jardins zoológicos e espaços de conservação nos Estados Unidos estão a administrar a vacina da farmcêutica veterinária Zoetis aos seus animais. Não são só os humanos que estão a ser vacinados contra a …

Lewis Hamilton: "Eu não disse que estava a morrer"

Acidente com Max Verstappen originou dores no campeão; Helmut Marko disse que já era "espectáculo" a mais. Troca de palavras entre os dois candidatos ao título. Como se esperava, o acidente que envolveu Lewis Hamilton e …

Autorretrato de Frida Kahlo deverá ser vendido por um valor recorde de 30 milhões de dólares

A Sotheby’s espera ultrapassar os 30 milhões de dólares (mais de 25 milhões de euros) com o autorretrato da pintora mexicana Frida Kahlo, no qual aparece também o seu marido Diego Rivera. O autorretrato Diego y …

David Luiz: "Um dos dias mais especiais da minha vida" - e ainda se fala sobre Jorge Jesus

Flamengo ficou mais próximo de mais uma final da Libertadores, depois de derrotar o Barcelona de Guayaquil. David Luiz estreou-se. O Flamengo venceu o Barcelona de Guayaquil por 2-0, na primeira "mão" das meias-finais da Copa …

Iémen. Escassez de alimentos empurra 16 milhões de pessoas para a fome, revela ONU

Pelo menos 5 milhões de pessoas no Iémen estão à beira da fome e outros 16 milhões estão "a caminhar para a fome", num país dilacerado pela guerra civil. O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na …

Presidente da Tunísia governará por decreto, ignorando partes da constituição

O Presidente da Tunísia, Kais Saied, declarou que governará por decreto e ignorará partes da constituição, enquanto se prepara para mudar o sistema político, gerando críticas imediatas da oposição. Desde 25 de julho, dia em que …

Alemanha deixa de pagar quarentena a trabalhadores não vacinados

A Alemanha vai deixar de indemnizar trabalhadores não vacinados que forem forçados a quarentena devido ao coronavírus, por ser "injusto pedir aos contribuintes que subsidiem aqueles que se recusam a ser vacinados", disse na quarta-feira …

Governo acaba com recomendação do teletrabalho

O Conselho de Ministros decidiu acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores. Estas medidas integram a terceira e última fase do plano …