Deputados das ilhas reembolsados por viagens que não pagam

António Cotrim / Lusa

Carlos César na Assembleia da República

Os deputados da Assembleia da República residentes nos Açores e Madeira estão a acumular a compensação do Parlamento com o reembolso dos bilhetes das viagens. Pelo menos sete destes deputados, diz o Expresso, pedem de volta ao Estado dinheiro que não gastaram.

Segundo revela este sábado o jornal Expresso, pelo menos sete deputados do PS, PSD e Bloco de Esquerda estão a receber uma compensação do Parlamento por deslocações semanais, acumulando-a com o reembolso parcial do custo da viagem a que têm direito enquanto residentes nas ilhas.

Dos 12 deputados das ilhas, pelo menos 7 estão a pedir de de volta ao Estado o reembolso de dinheiro que não gastaram, recorrendo ao subsídio de insularidade para residentes nas ilhas.

Os deputados Carlos César, Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira do PS, Paulo Neves do PSD e José Paulino de Ascensão, do BE, confirmaram ao Expresso terem recebido esta dupla compensação, que garantem ser legal. Berta Cabral, Sara Madruga, Carlos Costa Neves e António Ventura, do PSD, não responderam.

Apenas Rubina Berardo, deputada do PSD pelo círculo da Madeira e eleita em fevereiro para a vice-presidência da bancada social-democrata, afirmou que, “por opção pessoal”, não pede o reembolso.

Juristas ouvidos pelo semanário  têm no entanto entendimento diferente do dos deputados, considerando que a acumulação de compensações é ilegal.

As ajudas de custos dadas pelo Parlamento aos deputados insulares para deslocações chegam aos 500 euros por semana, valor que é em norma suficiente para suportar os custos das viagens entre as ilhas e o continente.

Esta compensação é devida mesmo que os deputados não viagem, e, salienta o Observador, é paga sem exigência de comprovativos, a não ser que os beneficiários faltem a trabalhos parlamentares.

Mas os beneficiários desta compensação pedem simultaneamente o reembolso do custo do bilhete a quem têm direito por residirem nas ilhas, mesmo não o tendo pago.

Os deputados que admitem acumular as compensações justificam o comportamento com o facto de “muitas vezes não conseguirem comprar viagens em classe económica“, pressuposto com base no qual é calculado o valor entregue pelo Parlamento, ou de os “preços terem disparado”.

Mas para os deputados da Madeira e Açores, as deslocações à Assembleia da República não só ficam mais baratas, como têm aparentemente ida e ida, volta e volta.

ZAP //

PARTILHAR

16 COMENTÁRIOS

    • Sim. Até porque na única câmara que o bloco de esquerda tinha, a autarca foi condenada. Bela estatística 1 em 1.
      És mesmo palonso

  1. Isto é o tal bando que se diz serem os senhores impolutos, que defendem os interesses dos Portugueses? Nãooooooo, porque votar nesta raça de gente, foi chão que já deu uva e agora nem pagando se voto nesta miserável corja política. Tenho dito.

  2. Decididamente se aparecer algum honesto é logo morto.
    Dá a sensação que primeiro tiram uma licenciatura em vigarice e só depois é que podem ocupar estes lugares.

  3. Não sei se faz sentido acusar estes ou outros deputados, destes ou de outros partidos. Se não fossem estes, do PS, PSD e BE, seriam outros, dos mesmos ou de outros partidos.
    De resto, estou convicto de que todos os comentadores que aqui se pronunciaram fariam exactamente a mesma coisa: aproveitar o que a Lei lhes confere. E os que, por remota hipótese, não o fizessem, seriam mal vistos pelo resto da maralha.
    A questão tem que ser colocada bem a montante, pondo em causa a própria Assembleia da República. Os milhões de que dispõe anualmente para malbaratar é uma ofensa a todos os contribuintes deste País. E os gastos desnecessários começam logo nos salários dos deputados. Primeiro, porque metade deles chegava e sobrava. Depois, porque ao contrário do que muito “boa” gente defende, os salários que auferem são demasiado altos. E sendo demasiado altos, por que razão ainda beneficiam de uma série de subsídios para tudo e mais alguma coisa, além de reformas sem tempo nem descontos para elas, etc, etc….? Ninguém os obriga a ocupar as cadeiras de São Bento. Pelo contrário, são eles que se matam e esfolham para conquistarem o seu lugarzinho lá.
    Cá fora há gente muito mais útil ao País que trabalha que se farta e recebe 1/10 do que eles ganham, tem que descontar 40 anos e chegar a velho para ter direito à reforma.
    Estranho é que ao fim de tantos anos a ser assim, ainda haja gentinha que pensa que o partido a que, por conveniência ou inocência, esteja ou se sinta afecta é que é o bom, o competente, o salvador…
    Mas o povo tem o que merece!

  4. E confirmáramos deputados ser legam a situação.
    Porquê legam?
    Porque tal foi legalizado pela assembleia da República???
    Como é possível tal coisa?
    Bela lição nos é dada por aqueles que têm a incumbência de tratar as coisas da NAÇÂO.
    Perdão, esqueci por momentos que já não temos, já não somos NAÇÃO.

  5. Até que enfim,alguém concorda comigo,nós não temos nação, e já agora sabem porquê?pois eu sei!é que tanta gente a viver á borla, a nação não conseguia pagar isto tudo,então começaram a comer fiado, e já se sabe que os credores querem tudo, dinheiro, bens e património, e dignidade,mas não foram estes!foram os que já foram, alguns que não tem vergonha ainda piam,deviam estar caladinhos, mas estes não tem cornos para enfrentar o touro,porque só enfrenta o touro quem tem coragem.

  6. Temos uma classe política oportunista, e como diz o Eu: ñ passam de um bando de parasitas e imorais. Está instituído nos seus propósitos gamarem o mais que podem, e para isso criam leis à medida dos seus interesses

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …

Pelo menos 58 mortos em naufrágio ao largo da Mauritânia

Pelo menos 58 pessoas morreram, esta quinta-feira, num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia. Pelo menos 58 migrantes morreram num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). …