“Não vamos passar por esta crise sem dor.” Custos são “absolutamente brutais”

 

José Sena Goulão / EPA

O plano de relançamento da economia marcou o debate quinzenal desta quarta-feira. Sobre a crise, tudo aponta para “uma queda recorde do nosso PIB e uma subida exponencial da nossa situação de desemprego”.

Para António Costa, os custos económicos e sociais provocados pela pandeia de covid-19 “são absolutamente brutais“: todos os indicadores apontam para uma queda “recorde” do Produto Interno Bruto (PIB) e uma subida “exponencial” do desemprego.

“Todas as estimativas apontam para termos uma queda recorde do nosso PIB e uma subida exponencial da nossa situação de desemprego e, simultaneamente, de perda de rendimentos”, indicou o primeiro-ministro.

Para procurar amortizar este impacto, Costa referiu que o seu Governo, logo na “fase de emergência, criou um conjunto de medidas tendo em vista proteger as empresas, o emprego e os rendimentos”. “Chegou agora a fase de ser necessário estabilizar este quadro até ao final do ano”, apontou, numa alusão ao Programa de Estabilização Económico e Social que o Conselho de Ministros deverá aprovar já esta quinta-feira.

Até ao final do ano, “é preciso que as famílias e as empresas tenham um quadro claro daquilo que vai ser o esforço de proteção dos rendimentos e do emprego“. “Agora, na área económica, é fundamental ajudar-nos uns aos outros para que ninguém fique para trás. Temos de ter partilha para estabilizarmos esta situação.”

Sem avançar pormenores sobre o teor do Programa de Estabilização Económico e Social, o governante afirmou que terá tradução na proposta “de Orçamento Suplementar” que o Governo apresentará na próxima semana na Assembleia da República.

“As preocupações centrais são apoiar os rendimentos, sobretudo daqueles que se encontram em carência absoluta ou em desemprego, apoiar o emprego e as empresas. Temos de intervir com um conjunto de medidas de âmbito institucional, bem como através de um programa centrado nas empresas, de forma a melhorar a sua capitalização e liquidez. Temos também de intervir com medidas centradas no emprego, quer no apoio à contratação, quer à manutenção de postos de trabalho”, apontou.

Referidos três dos quatro pilares do plano de estabilização, Costa abordou ainda a questão do quatro pilar do programa, no qual se destaca o objetivo de reforço do SNS. “Vamos também agir nas prestações sociais mínimas e para assegurar a universalidade da escola pública.”

Na fase de recuperação, que se desenrolará ao longo de 2021, António Costa considerou “fundamental a solidariedade europeia“. “Pela primeira vez, rompe o mito de que não é possível a União Europeia endividar-se coletivamente para reforçar os seus recursos próprios. Esse é um passo da maior importância”, considerou.

António Costa considera que a resposta à crise tem de “passar claramente pela recuperação dos rendimentos” e por garantir a proteção através das prestações sociais. Ainda assim, lamentou, “não vamos passar por esta crise sem dor”.

OE vai compensar custos da Segurança Social

No debate quinzenal, o primeiro-ministro garantiu que o Orçamento do Estado vai compensar a Segurança Social não só pelo aumento da despesa não contributiva, como também pela perda de receita por causa das isenções de TSU devido à pandemia.

Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, defendeu que os apoios às empresas para manter salário devem ter dois critérios que passam por “pagar os salários a 100% e salvaguardar a Segurança Social”, deixando duas propostas ao primeiro-ministro.

A primeira proposta do BE passa por completar a proteção da sustentabilidade da Segurança Social porque “esta crise não pode desestabilizar a proteção futura de quem hoje trabalha”.

“Relativamente às duas perguntas que colocou, estou já em condições de responder a uma. O Orçamento do Estado assegurará à Segurança Social não só o acréscimo de despesa de natureza não contributiva, mas assegurará também a perda de receita contributiva por via das isenções da TSU que têm existido e que venham a prosseguir”, garantiu António Costa.

A segunda proposta deixada por Catarina Martins foi que o limiar para o pagamento de 100% do salário aos trabalhadores de empresas em lay-off deve passar para o valor de um salário mínimo e meio, ou seja, 952 euros. “Relativamente à segunda pergunta, amanhã terei condições para responder sim ou não ou em que medida sim ou em que medida não”, respondeu o primeiro-ministro.

Apoio do Estado à TAP

Costa adiantou ainda aos deputados que o Governo está em “consultas prévias” com a Direção-Geral da Concorrência da União Europeia para formalizar “em breve” as medidas de apoio do Estado à TAP.

O executivo “tem estado a trabalhar com o conselho de administração” para garantir “a viabilidade da empresa”. “E está, neste momento, em consultas prévias com a Direção-Geral da Concorrência da União Europeia para a formalização, em breve, das medidas de auxílio do Estado que nos parecem adequadas”, disse.

O primeiro-ministro lembrou que o Governo “readquiriu, em finais de 2015, parte das participações da TAP para ter intervenção na estratégia” e “não da gestão do dia-a-dia” da empresa. Havendo uma alteração na relação entre o Estado e os privados, terá de haver uma “reavaliação na distribuição de poderes” e “uma alteração” de encargos.

Costa e Silva: o fora da “bolha político-mediática”

Durante o debate, o primeiro vice-presidente da bancada do PSD, Adão Silva, questionou Costa acerca da razão que o levou a chamar alguém fora de um Governo “com 70 membros” para coordenar a preparação do programa de recuperação da economia pós-covid-19.

António Costa justificou o convite ao gestor António Costa Silva por ser alguém capaz de “pensar estrategicamente o país”, “fora da caixa” e da “bolha político-mediática”.

“É muito importante que, quem está no exercício de funções políticas, seja capaz de ouvir para lá da bolha político-mediática, chamar à colaboração especialistas, técnicos porque têm uma visão fora da caixa que muitas vez nos ajudam a refletir”, respondeu Costa, dizendo que já o tinha feito enquanto ministro e presidente da Câmara de Lisboa.

Confrontado por Adão Silva com as críticas que fez em 2012, quando o Governo PSD/CDS-PP contratou António Borges como consultor, o primeiro-ministro considerou que não houve mudança de opinião.

“A única coisa que mudou foi a missão: eu não convidei ninguém para assessorar negócios, convidei alguém para pensar estrategicamente o país”, justificou o primeiro-ministro. “Verifico que estava cansado de estarmos num debate de nível de Estado e voltou para a pequena mesquinhez da politiquice”, atirou por fim.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “A única coisa que mudou foi a missão: eu não convidei ninguém para assessorar negócios, convidei alguém para pensar estrategicamente o país”,

    Na opinião deste charlatão é menos grave convidar alguém para assegorar negócios do Estado do que para definir estrategiamente o país. Posso estar enganado mas eu pensava que ao votar no partido A, B ou C estava a fazê-lo pela estratégia que me tinha sido apresentada por esse partido. Afinal, o PS precisa que alguém de “fora” defina a sua estratégia para o país. Isto é tudo mau de mais para ser verdade.

  2. Mas há dinheiro para aumentar os lay-offs, por acaso é muito justo com quem trabalha. De caminho têm as mesmas despesas de transporte e alimentação e não têm nenhuma compensação e quem está em casa vai ganhar o mesmo ou até mais. Palhaçada.

RESPONDER

CDS recebeu com "alegria e entusiasmo" candidatura de Moedas a Lisboa

O presidente do CDS-PP afirmou, esta sexta-feira, que o partido recebeu com "grande alegria e entusiasmo" a candidatura de Carlos Moedas à Câmara de Lisboa, considerando que é "um nome forte" e uma "ótima notícia" …

Nem Pote, nem Porro. As estatísticas mostram que Manafá tem sido o melhor em Portugal

O índice de desempenho de uma ferramenta de scouting usada por grandes clubes europeus aponta Wilson Manafá como o jogador em melhor forma da Liga NOS. Não é tecnicamente dotado, nem um favorito dos adeptos. O …

TAP avança com lay-off de um ano a partir de segunda-feira

A TAP vai avançar com um processo de lay-off clássico, que passará por uma redução dos períodos normais de trabalho ou suspensão de contratos, a partir da próxima segunda-feira e durante 12 meses. De acordo com …

Os tigres estão em risco e podem precisar de um "resgate genético"

Os tigres estão sob ameaça e um novo estudo sugere que estes felinos podem precisar de um "resgate genético". O acasalamento entre diferentes subespécies é uma opção. Fragmentação do habitat, conflito entre humanos e vida selvagem, …

Há estranhas nuvens que brilham à noite (e já sabe o que são)

Uma equipa de cientistas usou um pequeno foguete lançado pela NASA para estudar a natureza de um tipo indescritível de nuvens que brilham no escuro, criando uma artificialmente. Desde o final dos anos 1800 que …

Eis o primeiro enxame de (pequenos) buracos negros num aglomerado globular

Uma equipa de cientistas, que esperava encontrar um buraco negro de massa intermédia no coração do aglomerado globular NGC 6397, encontrou, em vez disso, evidências de uma concentração de buracos negros mais pequenos. Por vezes, na ciência, …

Ruth, a "humana digital" da Nestlé ensina como fazer as bolachas perfeitas

Graças à Inteligência Artificial, nasceu Ruth, um "humano digital" da Nestlé que interage connosco e nos ajuda a fazer as melhores bolachas com pepitas de chocolate. A internet é o maior livro de receitas a que …

“Ditador egoísta e despótico”. Margaret Tatcher comparou Saddam Hussein a Hitler após ataque ao Kuwait

Documentos do início da Guerra do Golfo revelam que a antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher comparou Saddam Hussein a Adolf Hitler após a invasão do Kuwait pelo ditador iraquiano. De acordo com os documentos anteriormente confidenciais …

Cientistas criam "televisão" ultravioleta para animais (que nos vai ajudar a entendê-los melhor)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Queensland, na Austrália, desenvolveu uma "televisão" ultravioleta para ajudar os especialistas a entender melhor a forma como os animais veem o mundo. Os monitores de televisões ou computadores têm …

Watakano, a “ilha da prostituição” que teve o seu auge nos anos 80, está agora vazia

Conhecida como “ilha da prostituição”, Watakano já foi considera um pequeno paraíso sexual. No seu auge, do final dos anos 70 a meados dos anos 80, homens faziam um curta viagem de barco até ao …