Após críticas dos especialistas, o Natal de Marcelo vai ser diferente

Eduardo Costa / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República afirmou na segunda-feira que, durante quatro dias, estaria com diferentes agregados da sua família e dois especialistas consultados pelo semanário Expresso disseram que Marcelo Rebelo de Sousa não estava a dar bom “exemplo”. Na sequência das críticas, o Chefe de Estado garantiu hoje que irá limitar-se a um jantar com cinco pessoas.

Na segunda-feira, Marcelo Rebelo de Sousa deu uma entrevista à TVI na qual confessou que, durante quatro dias, iria estar com vários agregados familiares ou elementos da sua família.

“No dia 24 de dezembro janto com parte da família, são cinco”, contou. No dia 24, há jantar “com outra parte da família, também cinco” e “no dia 26, são 7”. “Não é em minha casa, estou com dúvidas sobre como vão arrumar a mesa. Tento dar o exemplo”, referiu.

Em declarações ao Expresso, Ricardo Mexia, epidemiologista e presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, disse que “devemos reduzir o número de pessoas com quem estamos em cada momento, mas em simultâneo devemos reduzir também o total de pessoas com quem interagimos”.

“Tendencialmente não deveria haver esse grande contacto com tanta gente. Essa não é a ideia, não é isso que temos recomendado às pessoas”, disse o especialista, depois de questionado sobre a declaração do Presidente da República.

Bernardo Mateiro Gomes, médico de Saúde Pública, afirmou que a forma como o chefe de Estado vai celebrar o Natal “é errada, absolutamente errada“.

“Fazer uma dieta social antes do jantar para tentar reduzir o risco”, “não comparecermos se tivermos sintomas ou formos contactos de caso confirmado”, e “estar com o mínimo de pessoas possível e se possível dentro dos contactos habituais” são os três princípios fundamentais apontados pelo médico.

Para Bernardo Mateiro Gomes, a mensagem de Marcelo “é contraproducente“.

“Acaba por acrescentar complexidade a uma circunstância que se quer simples, ainda por cima com um exemplo que é errado. Não tenho dúvidas disto. Quem está a controlar a doença no terreno espera ajuda da comunicação de quem tem palco mediático. É isso que esperamos”, rematou.

Na sequência das críticas de que foi alvo por parte dos especialistas, Marcelo Rebelo de Sousa disse, esta quarta-feira que já só vai fazer uma refeição com cinco pessoas na quadra natalícia.

Em declarações aos jornalistas, depois de entregar as assinaturas necessárias para a candidatura à Presidência da República no Tribunal Constitucional, Marcelo disse ter percebido que os “epidemiologistas ficaram sensibilizados”. Decidiu, então, reduzir as refeições, limitando-se agora a fazer uma refeição já esta quarta-feira à noite, com apenas cinco pessoas.

“Reduzi. Já só há uma refeição com cinco pessoas. Eram três, mas tenho apenas uma refeição, que é logo à noite. Fica o Natal reduzido a hoje à noite“, disse o Presidente da República, citado pelo ECO. “Na quinta-feira e na sexta-feira, 24 e 25, não haverá [encontros familiares].”

À saída do Tribunal Constitucional, o candidato presidencial adiantou também que entregou as assinaturas necessárias para a sua candidatura e o seu orçamento de campanha para as eleições presidenciais, no valor de 25 mil euros. “Não tenciono gastar mais do que isso”, afirmou, em declarações transmitidas pela RTP3.

“A minha ideia hoje é apresentar a candidatura e no futuro é fazer uma campanha pela positiva. Eu não irei fazer uma campanha atacando nenhum candidato nem nenhuma candidata. Direi exatamente aquilo que penso sobre o futuro do país”, acrescentou, citado pela agência Lusa.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Já agora eu gostava de saber o seguinte,porquê tanta preocupação com o que vai fazer Marcelo?será que o zé povinho não tem mais nada que fazer?somos sem dúvida um povo único!!!!!!!

RESPONDER

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Cabo Verde extraditou Alex Saab para os Estados Unidos

O empresário Alex Saab, considerado pelos Estados Unidos testa-de-ferro do Presidente da Venezuela deixou a ilha do Sal, este sábado, em cumprimento do pedido de extradição das autoridades norte-americanas. "Isto configura um rapto. Foi novamente raptado", …