Costa acredita que ex-ministro da Defesa desconhecia encenação e investigação paralela em Tancos

O primeiro-ministro disse acreditar que Azeredo Lopes, arguido no processo de Tancos, desconhecia a alegada encenação na recuperação das armas e a investigação paralela da PJ Militar e enaltece a lealdade do seu ex-ministro da Defesa.

António Costa depôs por escrito como testemunha de Azeredo Lopes no caso de Tancos, tendo o documento dado entrada na terça-feira no tribunal de Santarém, onde decorre o julgamento do processo sobre o furto do armamento, ocorrido a 27 de junho, e a alegada encenação da recuperação do armamento militar, em outubro do mesmo ano

O líder do PS depôs por escrito como testemunha do ex-ministro da Defesa no caso de Tancos, tendo o documento dado entrada na terça-feira no tribunal de Santarém, onde decorre o julgamento do processo sobre o furto do armamento, ocorrido a 27 de junho, e a alegada encenação da recuperação do armamento militar, em outubro do mesmo ano.

Nas oito páginas do seu depoimento, Costa enaltece a lealdade demonstrada pelo ex-ministro da Defesa e diz crer que Azeredo Lopes desconhecia a alegada encenação e a investigação paralela da Polícia Judiciária Militar (PJM).

O primeiro-ministro afirma não acreditar que Azeredo Lopes tivesse conhecimento e que alguma vez pudesse concordar com uma investigação da PJM à revelia da direção do Ministério Público. “Não creio que o professor doutor Azeredo Lopes tivesse conhecimento e que alguma vez pudesse concordar com uma investigação da PJM à revelia da direção do MP”, escreveu.

Sobre as relações entre o Ministério Público e a PJM, e o conhecimento de Azeredo Lopes do entendimento desta polícia quanto à competência para o inquérito e ainda sobre a contestação à orientação da Procuradora-geral da República Joana Marques Vidal, António Costa afirmou desconhecer os factos, acrescentando que, à época, o ministro não lhe falou sobre “a reação do então diretor da PJM à decisão da PGR”.

“Recordo, aliás, que perante as repetidas insistências sobre a urgência na obtenção de resultados, a orientação política do Governo foi sempre por mim claramente expressa”, frisou, remetendo para as suas declarações públicas de 10 de setembro de 2018, nas quais disse que não via nenhuma razão para que não houvesse confiança no MP.

Questionado sobre o comunicado da PJM no dia do achamento do material, o PM afirmou que o mesmo “não permitiria supor que a recuperação não tivesse sido efetuada no quadro das missões próprias da PJM”.

António Costa confirma que Azeredo Lopes o informou do telefonema da PGR, a 18 outubro, no qual esta lhe manifestou o desagrado pela atuação da PJM na investigação ao furto.

No depoimento, o primeiro-ministro disse ainda ao tribunal que não teve conhecimento da reunião que decorreu no Ministério da defesa entre o chefe de gabinete de Azeredo Lopes e o diretor da PJM e arguido Luis Vieira, nem sobre quaisquer documentos entregues.

Sublinhou que só teve conhecimento “apenas cerca de um ano depois (10 outubro de 2018) de que o general Martins Pereira os tinha feito chegar ao MP” e que apenas a 12 de outubro do mesmo ano leu o chamado “memorando”.

“No dia 12 de outubro de 2018 ao final da manhã mostrei a Azeredo Lopes o memorando, tendo ficado com a convicção de que o então ministro nunca o tinha visto anteriormente”, escreveu.

O primeiro-ministro afirma também que não teve conhecimento da reunião de 20 de outubro de 2017 – entre o chefe de gabinete do ministro, o general Martins Pereira, Luis Vieira e o major Vasco Brazão, também arguido – e diz não acreditar que Azeredo Lopes tivesse conhecimento ou muito menos pudesse dar “cobertura a uma investigação da PJM à revelia da direção do MP”.

Costa sublinha que o antigo ministro da defesa estava “totalmente focado na resposta às necessidades decorrentes do acontecimento de Tancos, não sendo esta motivada ou afetada por quaisquer sentimentos de humilhação ou outros relativamente a ocorrências antigas” e ainda que “as duas questões politicamente relevantes à época incidiam sobre os riscos para a segurança interna e sobre o que se impunha fazer para garantir a segurança do material militar”.

“As duas questões politicamente relevantes à época incidiam sobre os riscos para a segurança interna e sobre o que se impunha fazer para garantir a segurança do material militar”, sustentou.

O MP considera que o Azeredo Lopes sonegou informação à procuradora-geral da República sobre a recuperação das armas dos paióis e quis que Joana Marques Vidal fosse complacente com a situação e que teve conhecimento da encenação, aceitou-a e podia ter-se oposto e participado a irregularidade.

Azeredo Lopes, que se demitiu em outubro de 2018, está acusado de denegação de justiça e prevaricação, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder e denegação de justiça.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Pintura de Van Gogh de Paris nunca antes vista exibida pela primeira vez

Uma pintura de Vincent Van Gogh de uma rua de Paris foi exposta pela primeira vez depois de passar mais de 100 anos "escondida" pelos seus proprietários. Uma cena de rua em Montmartre, em Paris, pertenceu …

Imagens mostram construção de instalação nuclear secreta em Israel

Está a ser construída uma instalação nuclear secreta em Israel, diz a Associated Press depois de analisar imagens de satélite. Os trabalhos estão a decorrer a poucos metros do antigo reator do Centro de Pesquisa …

Supremo confirma prisão efetiva de cinco anos e oito meses de João Rendeiro

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a nulidade do acórdão que proferiu em janeiro e confirmou, assim, a condenação do antigo presidente do BPP. Num acórdão datado da passada quarta-feira, e a que a agência …

Portugal regista mais 33 mortes e 1071 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 33 mortes e 1071 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 1071 novos …

Ana Gomes revela que Europol está pronta para investigar o Chega

A Europol está disponível para "ajudar as autoridades portuguesas" a investigar eventuais ligações do Chega de André Ventura a "actividades criminais internacionais". É Ana Gomes quem o revela depois de ter enviado uma participação ao …

João Almeida termina Volta aos Emirados no pódio, o seu primeiro numa prova do World Tour

O ciclista português, da equipa Deceuninck-QuickStep, assegurou, este sábado, o primeiro pódio numa prova do World Tour, ao ser terceiro na Volta aos Emirados Árabes Unidos, após a sétima e última etapa. João Almeida concluiu a prova …

Alemanha vai autorizar vacina da AstraZeneca a maiores de 65 anos

A Comissão Permanente para a Vacinação na Alemanha vai alterar a recomendação que limitava o uso da vacina da farmacêutica AstraZeneca para maiores de 65 anos. O anúncio foi feito, este sábado, por Thomas Mertens, chefe da …

Éter, Teia e Tutti-Frutti. PS e PSD decidem "os bons e os maus" entre uma centena de autarcas suspeitos

PS e PSD estão na recta final da escolha dos candidatos às próximas eleições autárquicas e os dois partidos coincidem na forma como estão a avaliar os potenciais candidatos que estão envolvidos em processos judiciais. …

"Lei Khashoggi". Estados Unidos restringem vistos a 76 cidadãos sauditas

Os Estados Unidos anunciaram a restrição à atribuição de vistos a 76 cidadãos da Arábia Saudita acusados de "ameaçar dissidentes no estrangeiro", nomeadamente o jornalista saudita assassinado, em outubro de 2018, na Turquia. Segundo o secretário …

OMS quer isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reclamou, esta sexta-feira, o uso de "todas as ferramentas" para aumentar a produção de vacinas contra a covid-19, incluindo a transferência de tecnologia e a isenção de direitos de …