Costa promete cortes nos impostos e não chantageia portugueses para pedir maioria absoluta

Mário Cruz / Lusa

António Costa fez um balanço da legislatura que se aproxima do fim, deixou promessas para as próximas eleições e prometeu não chantagear os portugueses para conseguir maioria absoluta.

Em entrevista à Rádio Renascença esta segunda-feira, o primeiro-ministro António Costa prometeu cortar nos impostos sobre o trabalho, reconhecendo que os salários têm de aumentar, tanto no setor público como no privado. Não obstante, um novo governo do PS não iria pôr em causa as contas públicas.

Com os olhos postos no futuro, o primeiro-ministro português fez um balanço positivo da “geringonça”, realçando o bom trabalho desenvolvido ao longo da legislatura e atribuindo nota “bom” ao seu trabalho, reconhecendo que houve “coisas em que foi excelente”. Aliás, correu tão bem, que Costa não põe de parte um novo acordo com os partidos de esquerda nas próximas eleições.

Em conversa no programa “As Três da Manhã”, António Costa foi questionado sobre a degradação dos serviços públicos que, apesar de tudo, realça que está “melhor do que em 2015“. O líder do PS corroborou a sua posição com números que já tinha evidenciado nos debates quinzenais.

De acordo com o Público, Costa explicou que a maior extensão das listas de espera é devido a um efeito puramente estatístico. “Reduzimos substancialmente o tempo de espera média aceitável de 270 para 180 dias”, reiterou.

Quando questionado se a situação dos transportes públicos era motivo para um pedido de desculpa aos portugueses, o primeiro-ministro explicou que “aquilo que compete a um governante é evitar criar novos problemas e trabalhar para resolver os que existem“. Costa realçou ainda que a consciência de que há problemas para resolver é “o que justifica a recandidatura desta governação”.

Quanto às próximas legislativas, reconheceu que seria complicado atingir a maioria absoluta e garante que nunca fará chantagem aos portugueses. “Nunca direi que só governo nesta ou naquela condição”, defendeu.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Mentiroso tem mesmo cara de pau… diz e fica a ser verdade. Espero que os portugueses tenham sentido de avaliação. O SNS está melhor que em 2015???? Onde? Na terra do Nunca???

  2. Portugal em decadência… e este no pais das maravilhas a prometer tudo para mais 4 anos de corrupção.
    Vai Portugal ainda conseguimos aguentar mais 4 anos nesta merda… força….

  3. Nunca falou em descida de impostos, este aldrabão. Tem esmifrado os contribuintes e, especialmente, a classe média. Os impostos têm vindo sempre a subir com a ajuda do seu cão de fila Centeno. Agora como o Rui Rio disse que vai baixar impostos também esta aventesma já vem fazer promessas. Alguém acreditas nestes aldrabões? Alguém estará disposto air votar neste mentirosos??

  4. “prometeu não chantagear os portugueses”
    Só esta frase por si só ja é uma vergonha!
    um politico digno e honrado recusar-se-ia prometer o que é suposto nunca acontecer pois a seriedade e honestidade impediam.

  5. Agora porque Rui Rio se lembrou de anunciar que iria baixar impostos caso ganhe as eleições vem este agora com a mesma promessa que por sinal é muito estranha quando até aqui o que tem feito é subi-los de várias formas. Isto de política até seria uma comédia que daria para rir caso não afectasse tão duramente a vida de cada um!

Governo ignorou recomendação parlamentar na auditoria feita ao Novo Banco

Mário Centeno e António Costa ignoraram a recomendação aprovada em Parlamento na sua auditoria ao Novo Banco. Os socialistas defendem que seria inconstitucional avaliar o desempenho do Banco de Portugal. Uma proposta do PSD aprovada em …

Avarias param 9 das 20 novas ambulâncias do INEM

Só entraram em serviço em abril, mas as novas ambulâncias do INEM já estão a dar problemas. Dos 20 novos veículos, apenas 11 estão a circular normalmente. As sirenes e as luzes desligam-se em andamento e …

Máfias e milícias responsáveis por incêndios da Amazónia, conclui relatório

As queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, conclui um relatório da Human Rights Watch. Divulgado esta terça-feira, um relatório da Human Rights Watch conclui que as …

Benfica lança-se à 'Champions' com Lage a admitir mexer no ataque

O Benfica estreia-se hoje diante dos alemães do Leipzig na edição 2019/20 da Liga dos Campeões de futebol, competição em que tentará ultrapassar os 'fracassos' das duas anteriores épocas, nas quais foi eliminado na fase …

Itália. Matteo Renzi abandona o Partido Democrata e anuncia formação de novo partido

O ex-primeiro-ministro italiano Matteo Renzi anunciou que vai deixar o Partido Democrata (PD), do qual era secretário-geral, para criar a sua própria formação, mas garantiu que o grupo continuará a apoiar o Governo de Giuseppe …

Tribunal Arbitral reduz suspensão de Neymar na Champions

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) reduziu a suspensão imposta pelo Comité de Disciplina da UEFA de três para dois jogos a Neymar. O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) decidiu esta terça-feira reduzir a suspensão imposta …

Jerónimo admite "um ou outro descontente" interno e ataca arrivismo do PAN

Jerónimo de Sousa admitiu haver militantes descontentes com a participação na denominada "geringonça", embora frisando que o sentimento geral é de satisfação, e atacou algumas posições do PAN, defendendo que "Os Verdes" são o verdadeiro …

Brexit. Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente da Comissão Europeia recordou na segunda-feira ao primeiro-ministro britânico que cabe ao Reino Unido apresentar "soluções legalmente operacionais" e compatíveis com o Acordo de Saída, reiterando a disponibilidade europeia para apreciar se estas …

"Quem manda nas seleções são os agentes, para valorizar jogadores, interesses"

Carlitos relembra a altura em que foi chamado à seleção de sub-21 pela mão do empresário José Veiga. O antigo jogador do Benfica diz que "quem manda nas seleções são os agentes". Aos 37 anos, Carlitos …

Ataque às refinarias. Arábia Saudita e EUA apontam o dedo ao Irão

A Arábia Saudita e os Estados Unidos deixaram a entender que o Irão está por detrás do ataque de sábado que atingiu as principais instalações petrolíferas sauditas. O Governo de Teerão nega, apontando o dedo …