Conselho da UE encerra polémica do procurador europeu (e conclui que não há razão para alterações)

O Conselho da União Europeia (UE) deu por encerrada a polémica sobre a nomeação do procurador europeu, José Guerra, considerando não existirem razões para alterações.

Num documento do secretariado-geral do Conselho da União Europeia (UE), datado de 19 de janeiro, a que o jornal Público teve acesso, pode ler-se que o processo relativo à escolha do magistrado português para a nova Procuradoria Europeia voltou a ser analisado pelos representantes dos Estados-membros, que foram chamados a reavaliar os méritos das duas candidaturas e a discutir o processo de decisão que culminou com a escolha de José Guerra para o cargo, por indicação do Governo.

A discussão teve por base as explicações apresentadas pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, para os erros detetados numa missiva das autoridades nacionais relativa ao currículo de José Guerra, enviada em novembro de 2019.

O magistrado foi erradamente apresentado como procurador-geral adjunto e também se dizia que tinha participado na investigação do caso UGT, sendo que só participou no julgamento. Além disso, valorizava-se a experiência de José Guerra na direção da 9.ª Secção do DIAP de Lisboa, identificada como “o maior departamento nacional em crime económico-financeiro”, quando se trata de um organismo de âmbito regional.

Segundo a avaliação dos serviços jurídicos do Conselho da UE, “do ponto de vista legal”, os erros factuais sobre o currículo de José Guerra “não afetaram a escolha do candidato português” que foi feita pelos Estados-membros, ou “a substância da sua decisão”.

Esse foi o entendimento dos representantes dos 27 Estados-membros, que concluíram “não ser requerida qualquer outra ação ao nível do Conselho” sobre esta matéria.

A polémica do procurador europeu surgiu devido à divulgação de uma carta enviada para a UE, em novembro de 2019, na qual o Governo apresentou dados errados sobre o magistrado José Guerra, o procurador que elegeu para a nova Procuradoria Europeia, após seleção do Conselho Superior do Ministério Público, mas depois de um comité europeu de peritos ter considerado Ana Carla Almeida a melhor candidata para o cargo.

Os erros no currículo deram origem à saída do diretor-geral da Política da Justiça, Miguel Romão, que após ter apresentado a demissão disse que a informação com lapsos sobre José Guerra foi “preparada na sequência de instruções recebidas” e o seu teor era do conhecimento do gabinete da ministra da Justiça.

A ministra da Justiça considerou que tem condições para continuar no cargo, apesar dos erros contidos na carta do Governo a fundamentar a escolha de José Guerra para procurador europeu, e que tiveram repercussões internacionais.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …