/

Mais oito mortos e 328 infetados. Câmara de Lisboa tem 33 casos “ativos”

Manuel de Almeida / Lusa

Há mais oito mortos e 328 casos positivos em Portugal nas últimas 24 horas. A Câmara de Lisboa regista atualmente 33 casos de infeção por covid-19 “ativos”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Portugal regista, esta quinta-feira, mais oito mortos e 328 infetados pelo novo coronavírus. De acordo com o boletim epidemiológico revelado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal conta agora com 1.587 mortos e 42.782 infetados desde o início da pandemia.

Nas últimas 24 horas, o número de pacientes recuperados aumentou 299 para 28.097. Há ainda 510 doentes internados em hospitais, sendo que 77 deles estão em cuidados intensivos – menos dois em comparação com o dia anterior.

A Câmara de Lisboa regista atualmente 33 casos de infeção por covid-19 “ativos”, num total de 53 casos positivos, 20 dos quais recuperados, anunciou hoje o vice-presidente da autarquia.

João Paulo Saraiva avançou, em reunião pública do executivo municipal, que o aumento dos números se deve a um foco no posto de limpeza de Telheiras, não adiantando, porém, quantos trabalhadores daquele local estarão infetados.

“O município de Lisboa tinha até há uma semana números bastante abaixo dos números nacionais, mas houve um foco que foi já tratado, avaliado, estudado e está a ser seguido”, afirmou o autarca, em resposta a uma pergunta do vereador do PSD João Pedro Costa.

Questionada pela Lusa, fonte do gabinete de João Paulo Saraiva disse que os 33 casos dizem respeito ao universo total de trabalhadores da câmara e das empresas municipais – cerca de 12 mil – mas não adiantou o número de infetados no posto de limpeza de Telheiras.

Segundo o vereador, está em causa “um grupo de pessoas” que não terá seguido as regras estabelecidas, situação que não foi “devidamente gerida pelos dirigentes” e que “está a ser avaliada e acompanhada”.

Por sua vez, o foco de covid-19 detetado numa fábrica de conservas em Vila do Conde, distrito do Porto, tem 12 casos de infeção confirmados, informou hoje fonte da Administração Regional de Saúde-Norte (ARS-Norte) à agência Lusa.

A mesma fonte sublinhou que o este número de infetados, apurado às 11:00 de hoje, se refere à generalidade do foco e não apenas a pessoas que operavam na fábrica.

PUBLICIDADE

A ARS-Norte continua a desenvolver ações no local, em articulação com o delegado de saúde de Vila do Conde/Póvoa de Varzim, e, segundo informou a presidente da câmara municipal vila-condense, está já em curso um número alargado de testes.

“A empresa ainda continua a laborar, mas as autoridades de saúde já hoje de manhã fizeram uma vistoria às instalações. Pelo que sei, vão alargar o leque de testes a todos os funcionários e ramificações familiares”, partilhou Elisa Ferraz.

A autarca partilhou que o foco de infeção na empresa surgiu através “de um familiar de uma funcionária que veio do estrangeiro com covid-19 e iniciou a cadeia de contágio”, apelando ao Governo para aumentar o controlo sanitário a quem entra em Portugal.

“Temos de continuar atentos. Esta é prova de que o vírus não foi embora. Deixo um alerta às entidades governamentais, e à população em geral, que tenham cuidado com esta questão de quem chega do estrangeiro. É preciso que a economia continue e funcionar, sobretudo nesta altura de verão com o turismo, mas é preciso muita atenção no controlo sanitário nos aeroportos e fronteiras”, vincou Elisa Ferraz.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.