Arquivo revela que Tiananmen fez pelo menos 10.000 mortos

O massacre de Tiananmen, em Pequim, fez pelo menos 10.000 mortos, revela um arquivo britânico recentemente tornado público que relata o esmagamento do movimento estudantil pró-democracia pelo exército chinês em 04 de junho de 1989.

“Estimativa mínima de mortos civis 10.000”, concluiu então o embaixador da Grã-Bretanha, Alan Donald, num telegrama secreto enviado a Londres, documento que integra o espólio dos arquivos nacionais britânicos que foi agora, ao fim de 28 anos, tornado público.

A estimativa, facultada pelo diplomata a 05 de junho de 1989, um dia depois do massacre, é quase dez vezes maior do que os números comummente aceites à época que davam conta de um balanço que variava entre centenas e mais de mil mortos, diz a agência de notícias France-Presse que consultou o documento.

A estimativa britânica é considerada credível pelo sinólogo francês Jean-Pierre Cabestan, que recorda que os documentos confidenciais que foram desclassificados nos últimos anos nos Estados Unidos sugerem a mesma ordem de grandeza.

“Trata-se de duas fontes independentes a dizer a mesma coisa”, sublinhou.

O balanço avançado pelo embaixador britânico “não surpreende totalmente, atendendo à multidão que havia em Pequim, ao número de pessoas mobilizadas” contra o governo chinês, sustentou o sinólogo da Universidade Baptista de Hong Kong, que se encontrava na capital chinesa nos dias que antecederam a repressão.

O telegrama de Alan Donald faculta um testemunho aterrador da violência que estalou da noite de 03 para 04 de junho, quando o exército entrou em Pequim para pôr termo a sete semanas de protestos pacíficos na gigantesca praça de Tiananmen, coração simbólico do poder comunista.

Blindados de transporte de tropas “abriram fogo contra a multidão antes de avançar sobre ela”, escreveu o diplomata, citando uma pessoa, cujo nome foi ocultado, que obtivera informações a partir de um “amigo próximo, atual membro do Conselho de Estado” chinês.

Quando os militares chegaram a Tiananmen, “os estudantes ficaram a saber que tinham uma hora para retirar, mas apenas cinco minutos depois os tanques atacaram-nos”, reportou Alan Donald, afirmando que os manifestantes foram dizimados.

O regime chinês, que impõe um tabu sobre este período, confirmou, por seu lado, no final de junho de 1989, que a repressão de “tumultos contrarrevolucionários” tinha feito apenas 200 mortos entre civis e “várias dezenas” do lado das forças de segurança.

Todos os anos, por ocasião do aniversário do massacre de Tiananmen, surgem apelos, nomeadamente por parte dos Estados Unidos, para que a China realize a contagem oficial das vítimas, liberte aqueles que ainda cumprem condenações pelos incidentes e acabe com a perseguição e detenção de quem quer assinalar pacificamente a trágica data.

Hong Kong figura como o único local da China, a par também da Região Administrativa Especial de Macau, onde a efeméride é abertamente assinalada anualmente.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E a Coreia e o vietname e as Filipinas quantos mortos teve estas intervençoões para não falar no Medio Oriente Afeganistão,Iraque Libia etc etc

    Os Americanos não são exemplo para ninguem e deveriam era ter vergonha

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …