30 milhões para a Cultura “não são boa notícia” (artistas querem saber de onde vêm e autarcas querem mais)

Tiago Petinga / Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca.

O anúncio de António Costa sobre um apoio de 30 milhões de euros para a Cultura, no âmbito da pandemia de covid-19, foi recebido com “preocupação” pelo sector das Artes. Há dúvidas quanto à forma como será aplicado o dinheiro e de onde é que ele vem. Enquanto isso, os autarcas, que vão gerir a verba, dizem que não chega.

O primeiro-ministro anunciou, esta sexta-feira, o lançamento de uma linha de financiamento de 30 milhões de euros para ser usada pelos municípios na programação cultural, de modo a dar resposta a um dos sectores “mais duramente atingidos” pela pandemia de covid-19.

“Não é de todo uma boa notícia”, lamenta Elisabete Paiva, da Rede – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, em declarações ao Público, temendo que o dinheiro venha do programa Cultura para Todos, no âmbito dos Programas Operacionais de Portugal 2020, que apoia iniciativas culturais para a inclusão de cidadãos e a coesão de territórios.

O diário realça que o alegado desvio dos 30 milhões de euros daquele programa pode pôr em causa projectos que já estavam aprovados, o que está a ser encarado com “apreensão” pelo sector.

“Recebemos este anúncio com muita apreensão. É preocupante que se troque um trabalho pensado e desenvolvido em articulação com os agentes no terreno, e que se destinava a públicos tradicionalmente excluídos, por uma linha de financiamento decidida em cima do joelho para gastar em animação cultural de Verão“, lamenta Elisabete Paiva no Público.

“Nunca há dinheiro, mas de repente sacam-se estes coelhos da cartola. Isto mostra um profundo desrespeito pelo sector”, diz ainda esta produtora cultural que se queixa de que os representantes do Governo “nunca contam com a experiência no terreno” dos artistas para alinhavarem medidas de apoio.

O Público nota que questionou o gabinete do primeiro-ministro e o gabinete da ministra da Cultura sobre a proveniência destes 30 milhões de euros, mas que não obteve resposta.

Governo a “chutar” para canto

Os “apoios são todos muito bem-vindos”, mas “o problema é que [o Governo] chuta para a municipalização da cultura e demite-se das suas responsabilidades de fazer uma intervenção séria e de fundo”, lamenta, por seu turno, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE), Rui Galveias, também em declarações ao Público.

O movimento Unidxs pelo Presente e Futuro da Cultura em Portugal também reage com “preocupação” ao anúncio de Costa e vai pedir audiências ao primeiro-ministro e ao Presidente da República numa altura em que considera que “não foi implementada nenhuma resposta que garantisse protecção social aos/às trabalhadores/as da cultura, nem foi criado nenhum apoio significativo para enfrentar a situação de emergência”, “apesar dos alertas públicos sobre a gravidade da situação“, conforme cita o Público.

A Plateia – Associação de Profissionais de Artes Cénicas também já pediu esclarecimentos ao primeiro-ministro e às ministras da Cultura e da Coesão Territorial, sobre a suspensão da medida Cultura para Todos.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a associação diz ter sido informada pela comunicação social e por associados seus da suspensão daquela medida que é financiada por fundos europeus e desenhada no âmbito de um conjunto de políticas para a coesão social.

O programa incidia em particular sobre territórios de baixa densidade, comunidades socialmente excluídas e pessoas com deficiências e incapacidades, possibilitando-lhes usufruírem do direito à Cultura, recorda a Plateia.

A associação alerta para o “enorme perigo” de, através do cancelamento do projecto, se “isolarem ainda mais cidadãos que estão já identificados como socialmente excluídos”.

A associação Acesso Cultura pediu igualmente o envolvimento dos agentes culturais em “qualquer revisão da aplicação de verbas” do programa Cultura para Todos, em curso nas regiões Norte, Centro e Alentejo.

Em causa estão orientações no sentido de que os “fundos europeus ainda não executados ou comprometidos, deverão ser utilizados para fazer face aos impactos da crise e ser executados o mais rapidamente possível”, refere a Acesso Cultura, para a qual é fundamental “não secundarizar projectos que visam promover a inclusão de cidadãos com deficiência e necessidades específicas”, sobretudo num contexto que “veio reforçar a sua exclusão”.

Autarcas dizem que o dinheiro não chega

Reagindo ao anúncio de Costa, o presidente do Conselho Regional do Norte e presidente da Câmara de Caminha, o socialista Miguel Alves, já disse que os 30 milhões não vão ser “a solução para os problemas que vivemos na área cultural”, conforme declarações à Rádio Renascença.

Só “um município médio como Caminha gasta um milhão de euros por ano no sector”, destaca Miguel Alves, realçando que “30 milhões para todo o país é uma ajuda” e “é positivo”, mas que não é suficiente.

Também o presidente da Câmara de Vagos, o social-democrata Silvério Regalado, concorda, apelando igualmente pela Renascença a uma “distribuição equitativa pelo país”, de modo a que “os municípios com menos possibilidades financeiras – os pequenos e médios municípios quer do interior, quer do litoral -, possam ter um acesso privilegiado a este tipo de fundos”.

“Como princípio parece-me bem, embora o valor seja reduzido, mas reconheço que as condições que o país atravessa não dão para mais“, diz ainda Silvério Regalado.

Na quinta-feira, vários artistas fizeram vigílias por cidades de todo o país, apelando a apoios para a Cultura numa altura em que viram os seus rendimentos drasticamente afectados pela suspensão de actividades, devido à pandemia.

Num sector que já é, habitualmente, precário, a covid-19 veio complicar muito mais o cenário e já há artistas a passar fome, como denunciou o actor Nuno Lopes.

O protesto em Lisboa realizou-se em frente à Assembleia da República, com cerca de uma centena de profissionais das Artes a manifestarem-se, de forma rotativa e com medidas de protecção.

“Achámos que devíamos sair um bocadinho das redes [sociais], sair à rua, dar a cara, mostrar que existimos, que estamos aqui. É um momento de dar visibilidade a essa luta, que nalguns pontos até já tem muitos anos, mas esta situação de pandemia que se vive agora tornou as muitas fragilidades deste sector mais evidentes“, refere à agência Lusa uma das manifestantes, Joana Saraiva.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Meu deus artistas a passar fome????? Mas que merda é esta? Ha famílias que no final do ano vão estar na pobreza total sem comida para dar aos filhos… mas os artistas que gastam rios de dinheiro e ganham outros rios de dinheiro agora são os pobres que estão com fome…. para dramatizar para estes chulos e para os comedores dos fundos europeus é que serve esta notícia… por mim nem um cêntimo leva para a cultura do que quer que seja este ano, a prioridade é outra neste momento. E para a saude de todos o turismo vai pelo mesmo caminho… é altura de cuidador do país e começar a meter dinheiro no sítio certo, empresas, saude, escolas, é isto que o povo precisa… trabalho educação e saúde, temos de produzir…

    • Ainda bem que a Luísa não governa este país. Se não sabe não fale. Um comentário só de barbaridades sem qualquer nexo.
      Diz para esquecer o turismo, depois diz que precisamos de trabalho…
      Só o turismo representar aproximadament 15% do PIB!!!! Tem a noção disso?!
      Depois diz que os artistas ganham rios de dinheiro!!! A maioria dos artistas em Portugal mal ganha para comer!!!
      Enfim, só tonterias.

  2. Essa do passar fome está boa… É preciso não ter um pingo de vergonha para aludir à fome como argumentação para o choradinho e pedinchice que já cansam e enjoam. Viver de subsídios, salvo os incapacitados, é para parasitas. Meus caros, se passam fome, mudem de vida! Trabalhem noutra coisa! Ninguém vos obriga a serem miseráveis e passar fome para serem artistas!

  3. Se querem parar espetaculos, concertos, tudo, têm que bancar. Este setor merece bem mais que o novo banco que acabou de levar com 850 milhoes para distribuir em premios aos accionistas. Ou então deixem trabalhar os artistas e entidades do setor, quem não quiser arriscar não vai e fica na consciencia de cada um. E para quem é contra apoiar as artes que depois não se queixe se ficar desconfortável com o risco da abertura desta área ao público.

Responder a Rui Cancelar resposta

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …

Costa defende na Hungria que Estado de direito não deve ser associado à recuperação

O primeiro-ministro defendeu, esta terça-feira, à saída de uma reunião com o seu homólogo húngaro que a questão do Estado de direito, embora "central" para Portugal, não deve ser relacionada com as negociações sobre o …