Vacinas contra a covid-19. “É muita parra e pouca uva”, diz cientista da Universidade de Lisboa

Existem três vacinas na fase final de testes com taxas de sucesso na casa dos 90% que ainda não foram, no entanto, aprovadas pela entidade reguladora. Um cientista da Universidade de Lisboa explicou ao jornal Público porque é que isso pode ser perigoso.

“Primeiro foi a Pfizer-BioNtech, depois vieram logo os responsáveis da vacina russa dizer que a deles tinha 92% de eficácia, agora a Moderna a dizer que tem 95% e tudo isto sem dados”, começa por dizer Miguel Castanho, cientista do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, em entrevista ao jornal Público.

O cientista considera que as farmacêuticas se estão a precipitar, na medida em que dão alguma informação, “mas ainda sem resultados finais, sem terem todos os dados, o que do ponto de vista científico não tem consistência“.

“Do ponto de vista do mundo científico, esperar-se-ia algum recato, que se olhasse para os resultados finais – porque não importam só os resultados, é também como foram obtidos, como se planearam os estudos e quais os critérios usados. Isso também conta e tem de ser alvo de escrutínio”, acrescentou.

Apesar de não criticar a forma como foram concebidos os ensaios clínicos, Miguel Castanho pensa que os critérios de exigência possam ter sido “aligeirados” porque “a precisão e robustez estatística dos resultados poderia eventualmente exigir mais dados e, abdicando dessa robustez estatística, podem obter-se resultados mais rapidamente. Menos testes chegam para alcançar o ponto que se pretendia”.

Além disso, o problema dos anúncios de altíssimas taxas de sucesso é que transmitem uma falsa ideia de otimismo.

“Começa-se a lançar na população a ideia de que tudo está a correr espetacularmente bem e que tudo será fácil com as vacinas, tudo será rápido, e não será assim. Enfim, por muito boa que venha a ser a vacina para a covid-19, nunca será fácil, devido à quantidade de gente que será preciso vacinar para ter um efeito prático. Portanto, este ambiente tem um efeito pernicioso e que não tem nada a ver com ciência”, explicou Miguel Castanho.

Segundo o cientista, a corrida pela vacina contra o novo coronavírus pode ser entendido como uma corrida comercial e não pela saúde pública, o que pode alimentar os movimentos antivacinas.

Por outro lado, criam-se expectativas muito elevadas que poderão não ser cumpridas por alguma razão. “Tanto pode ser porque a eficácia não é tão elevada como se esperava, ou porque afinal há problemas de segurança em alguns grupos ou subgrupos populacionais ou porque a distribuição afinal é problemática ou porque nas condições de armazenamento há uma degradação da vacina”, diz Miguel Castanho.

“Pode haver um problema qualquer em algum dos pontos críticos para além do desenvolvimento da vacina, e haver um defraudar de expectativas. Os movimentos antivacinação alimentam-se disso, da frustração das pessoas”, conclui.

O cientista não põe de parte a possibilidade de ser criada uma boa vacina, mas considera que a expectativa que está a ser criada pode não ser correspondida – o que fará com que seja considerada um falhanço (ou mini-sucesso), em vez de um enorme sucesso.

Por essa razão, devia-se ter algum recato agora, afirma Miguel Castanho. “Depois de termos os resultados e sabermos o que são as vacinas, quer do ponto de vista da eficácia, quer da segurança, quer das condições de distribuição, aí sim, aí já temos muita matéria para falar, e aí teremos de ter uma discussão coletiva sobre como vamos lidar com a pandemia. Por ora, como diz o povo, é muita parra e pouca uva“, atira.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"É inaceitável". Ana Mendes Godinho critica situações de trabalho temporário que "duram décadas"

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, insistiu esta terça-feira na relevância do combate à precariedade, sinalizando a intenção de restringir o trabalho temporário. "Tem de haver mecanismos mais fortes para combater a segmentação do mercado …

Hitler expulsou os soldados judeus há oito décadas. Agora, um rabino junta-se ao exército alemão

No início da Segunda Guerra Mundial, Hitler expulsou os judeus das Forças Armadas na década de 1930. Agora, Zsolt Balla irá assumir o cargo de rabino-chefe do exército alemão. Mais de 80 anos depois, aquilo que …

Rio critica Governo após "justa indignação" de Merkel

O presidente do PSD acusou esta terça-feira o Governo de estar a fazer Portugal passar “por uma vergonha desnecessária”, considerando que depois da “vexatória desconsideração” do Reino Unido, os portugueses têm que “ouvir a justa …

Amazon acusada de destruir milhões de itens não vendidos todos os anos

A Amazon foi acusada de destruir milhões de itens não vendidos todos os anos, segundo uma investigação da Newsweek, publicada na segunda-feira. "Uma investigação da ITV News num dos centros de distribuição da Amazon no Reino …

"Sou trans". Jovem português agredido em Inglaterra por ser transexual

"Sou trans". Foi o que bastou Ruan, um jovem português de 21 anos, dizer para ser agredido perto de casa, em Inglaterra. De acordo com o Público, Ruan Filipe, natural de Santa Maria da Feira, terá …

Enquanto o mundo lutava contra uma pandemia, a Guiné declarava o fim do segundo surto do Ébola

No passado sábado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou o fim do segundo surto de Ébola na Guiné, que vitimou mortalmente 12 pessoas. "Tenho a honra de declarar o fim do Ébola" na Guiné, disse …

Doença em vacinados não surpreende porque vacinas não evitam infeção, diz médico

O presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública disse esta terça-feira que não é surpreendente existirem episódios de pessoas vacinadas que adoecem porque as vacinas são eficazes, mas não evitam a infeção. “Sabemos que as …

Israel testa laser aéreo para abater drones

Israel indicou esta segunda-feira ter utilizado um laser aéreo para abater drones [aparelhos aéreos não tripulados] numa série de testes, “um avanço tecnológico” para fortalecer o sistema de defesa. Este novo sistema de laser, instalado a …

Governo britânico aprova mais de 60 mil espetadores. OMS preocupada com relaxamento nas restrições

A Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou esta terça-feira a sua preocupação com o afrouxamento das restrições verificadas em alguns dos países anfitriões do Euro2020 de futebol, pedindo rápidas reações após verificar surtos de covid-19 …

Cabrita admite apuramento de responsabilidades para elementos do Movimento Zero

O ministro da Administração Interna admitiu esta terça-feira que estão a ser apuradas responsabilidades em relação ao comportamento de alguns elementos das forças de segurança na manifestação do Movimento Zero realizada na segunda-feira em Lisboa. “Estou …