/

Sócrates queria falar depois das suas testemunhas, mas juiz negou

Mário Cruz / Lusa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates

O interrogatório dos ex-ministros socialistas Mário Lino, Maria de Lurdes Rodrigues e António Mendonça, arrolados por José Sócrates como testemunhas na fase de instrução da Operação Marquês, foi adiado para o início de dezembro.

No processo, consultado pela agência Lusa nesta sexta-feira, o interrogatório dos ex-governantes e também Raul Vilaça, as quatro testemunhas arroladas por José Sócrates, estava inicialmente marcado para 25 e 26 de novembro, imediatamente antes do arguido Carlos Santos Silva, que vai começar a ser interrogado a 27, mas o juiz adiou para Dezembro as diligências.

O juiz de instruções considerou que a inquirição das testemunhas poderia ser adiada, até porque, necessitava de tempo para preparar o interrogatório do empresário Carlos Santos Silva, um dos principais arguidos do processo, que poderá demorar mais do que uma sessão.

Segundo um despacho de Ivo Rosa, Mário Lino, ex-ministro das Obras Públicas de 2005 a 2009, vai ser interrogado a 2 de dezembro, às 14h, e Raul Vilaça Moura, presidente do júri do concurso das PPP da RAVE Rede Ferroviária de Alta Velocidade) do troço Poceirão/Caia, às 15h30.

O debate instrutório, fase pública da instrução, está marcado para as tardes dos dias 27, 28, 29 30 e 31 de janeiro de 2020, no Campus de Justiça de Lisboa.

Num requerimento apresentado pela sua defesa, o ex-primeiro-ministro requereu a alteração da ordem de inquirição das suas quatro testemunhas, os três antigos ministros e Raul Vilaça e Moura, tendo pedido que estas fossem depor nos dias 28 e 29 de outubro, dias reservados pelo tribunal para o seu interrogatório, passando ele para os dias 25 e 26 de novembro.

Contudo, na quinta-feira o juiz de instrução Ivo Rosa negou o pedido, alegando que, nesta fase, não via qualquer utilidade na ordem de produção de prova sugerida pelo arguido, mantendo-se assim o interrogatório de José Sócrates no dia 28, e, caso seja necessário nos seguintes.

Justificando uma melhor organização do tribunal e pela necessidade de preparação do testemunho do arguido Carlos Santos Silva, agendado para o dia 27 do próximo mês, o juiz decidiu adiar a inquirição das quatro testemunhas para os dias 2 e 3 de dezembro, já que Maria de Lurdes Rodrigues estava impedida de comparecer no dia 25 de novembro.

Sócrates pediu para Maria de Lurdes ser ouvida nesta fase processual alegando que era ministra da Educação na altura do projeto Parque Escolar e que tem conhecimento dos factos relacionados com as obras adjudicadas.

O Ministério Público acusa o ex-primeiro-ministro de ter feito um acordo com o seu amigo Carlos Santos Silva para favorecer empresas do grupo Lena nessas obras.

A Operação Marquês conta com 28 arguidos – 19 pessoas e 9 empresas -, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o banqueiro Ricardo Salgado, o empresário e amigo de Sócrates Carlos Santos Silva e altos quadros da Portugal Telecom e está relacionado com crimes de corrupção, ativa e passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE