Testemunhas relatam apocalipse na capital francesa

Etienne Laurent / EPA

-

Os vários ataques simultâneos em Paris durante a habitual saída noturna de sexta-feira deixou a capital “em pânico”, nomeadamente no 11.º bairro, onde mora Daniel Ribeiro, o correspondente do Expresso, que teve de sair pela cozinha do restaurante onde estava para regressar a casa.

Sirenes a tocar por toda a cidade, ruas bloqueadas pela polícia, familiares das vítimas a chorar, foram cenas do ‘apocalipse’ hoje vivido em Paris na sequência dos ataques que causaram pelo menos 40 mortos, relata a France Presse.

O perímetro foi bloqueado em torno do hospital Saint-Louis, no norte da capital. Um homem em lágrimas relata que a sua irmã foi morta. Ao lado, a sua mãe lamenta-se agarrada aos seus braços: “Eles não nos deixam passar”.

Ouvimos o barulho dos tiros, 30 segundos de rajadas, som interminável, pensámos que era fogo-de-artifício”, conta Pierre Montfort, que vive próximo da rua Bichat, perto do local onde ocorreu um dos tiroteios.

“Tive que pedir à senhora para me abrir a porta da cozinha para eu sair das traseiras porque já não se podia sair pela frente. Todo o bairro está em pânico. O quarteirão da zona Richard Lenoir, Voltaire, Chemin Vert – que foi a zona onde houve os atentados do Charlie Hebdo – está em pânico, contou o jornalista à agência Lusa.

O bairro estava cheio porque hoje é sexta-feira à noite, havia muita gente na rua”, acrescentou.

Daniel Ribeiro contou que estava na Praça Voltaire “quando começa a haver polícia e ambulâncias por todo o lado e a ouvir-se o tiroteio”, pelo que “os bares todos fecharam as cortinas de ferro” e colocaram os clientes no interior”, incluindo ele que estava na esplanada. “Eu vim para casa encostado aos muros enquanto eles não puseram o cordão de segurança”, descreveu.

Também João Heitor, o proprietário do café cultural Lusofolie’s, perto da Praça da Bastilha, estava a cinco minutos do local quando a esposa lhe ligou para fechar o estabelecimento: “Tenho lá um estudiozinho e ia lá dormir. Estou a cinco minutos do Bataclan, está tudo cheio de polícia. Vou tomar o café ao Bataclan geralmente. É perto do Charlie Hebdo”, contou.

João Heitor ainda não sabe se irá dormir ao estúdio esta noite até porque o bairro está circunscrito pela polícia.

A Lusa falou também com Hermano Sanches Ruivo, vereador na Câmara de Paris, que falou “em situação dramática” mas que estava a deslocar-se para a Câmara para ter mais informações.

Armindo Faria está ainda no Estádio de França onde foi cobrir o jogo de futebol França-Alemanha para a Rádio Alfa e também contou à agência Lusa que “as pessoas entraram em pânico“.

“Neste momento as pessoas encontram-se ainda bloqueadas no Estádio de França. As pessoas estão com receio de sair para fora do estádio. Penso que houve uma explosão a dez minutos do começo do encontro, passados dez minutos mais outra explosão”, descreveu.

O jornalista disse ainda que a polícia avisou que “as pessoas podiam sair pela parte do norte e não pela parte do sul, só que houve pessoas que disseram que estava uma pessoa armada e as pessoas começaram a entrar pelo estádio”.

“Só vi as pessoas a entrar, as crianças a gritar, a chorar. As pessoas entraram em pânico porque havia helicópteros, havia polícia e as pessoas entraram em pânico e invadiram o estádio. Ainda estou no estádio mas as pessoas já estão a começar a sair”, descreveu.

Os ataques registados hoje à noite em Paris provocaram pelo menos 60 mortos.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pure Skies. Empresa desenha cabines dos aviões do pós-pandemia

Desde o início da pandemia, os especialistas têm testado diferentes maneiras de alcançar o distanciamento social em aviões, embora com pouco sucesso. Agora, há uma empresa que está a levar esta ideia até ao próximo …

OE2021. Bloco de Esquerda vota contra na generalidade

O Bloco de Esquerda vai votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, anunciou a coordenadora do partido, Catarina Martins. Em declarações aos jornalistas, a bloquista confirmou este domingo que o …

PS ganha eleições nos Açores sem garantia de maioria absoluta

O PS voltou a ganhar as eleições regionais dos Açores, obtendo entre 37% e 41%, o que não garante a maioria absoluta, segundo a projeção à boca das urnas realizada este domingo pela Universidade Católica …

Extinção da fauna em Madagáscar pode dever-se à presença humana (e a mudanças climáticas)

Grande parte da fauna de Madagáscar e das ilhas Mascarenhas foi eliminada durante o último milénio. Neste sentido, uma equipa de cientistas analisou um registo do clima nos últimos 8000 anos nas ilhas. O resultado …

PAN vai abster-se na generalidade. OE mais próximo da aprovação

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai abster-se na votação na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) na próxima quarta-feira, anunciou a líder parlamentar do partido, Inês Sousa Real. Com a abstenção dos três …

O passado tóxico fica para trás. Asbestos, a cidade "amianto", mudou de nome

A cidade canadiana Asbestos (que significa amianto) ganhou um novo nome, quase 11 meses após o anúncio da votação. Wuase metade dos cerca de 6 mil residentes da cidade canadiana marcaram presença numa votação organizada num …

Menino de 12 anos encontra fóssil de dinossauro com 69 milhões de anos

Nathan Hrushkin, aspirante a paleontólogo de 12 anos, encontrou o fóssil de um dinossauro enquanto passeava com o pai em Alberta, no Canadá. Depois de enviarem uma fotografia ao Museu Royal Tyrrell, ficaram a saber …

Autarca de Cascais associa festa privada de luxo a “número muito expressivo” de casos

O presidente da Câmara Municipal de Cascais associou este sábado uma festa privada, organizada num clube de luxo na Avenida de Liberdade, a "um número muito expressivo de casos" registado no concelho. "A festa de aniversário …

João Almeida acaba em 4.º e faz história no Giro. É o melhor português de sempre na prova

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) subiu este domingo ao quarto lugar final da 103.ª edição da Volta a Itália em bicicleta, no contrarrelógio da 21.ª etapa, que 'coroou' o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS). O português …

Santo Stefano paga 8.000 euros por ano a quem quiser viver na vila medieval italiana

Santo Stefano di Sessanio, uma vila medieval em Abruzzo, uma região no lado leste do centro-sul da Itália, está disposta a pagar a quem quiser mudar-se e começar um negócio nesta pequena localidade. Uma pequena vila medieval …