/

Temido admite “tropeções” na vacinação, mas “não podemos perder de vista a meta”

1

António Pedro Santos / Lusa

Esta quinta-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu que existem “tropeções” no processo de vacinação, mas avisou que é importante não se perder de vista “a meta”.

Esta manhã, numa visita ao Centro de Saúde da Damaia, no concelho da Amadora, a ministra da Saúde disse que o processo de vacinação contra a covid-19 “às vezes tem tropeções” que o Governo gostaria de evitar.

Ainda assim, avisou, “não podemos perder de vista aquilo que é a meta a que devemos chegar: no final do verão, ter 70% da nossa população vacinada“.

Segundo a TSF, Marta Temido garantiu empenho na nova fase de vacinação dos profissionais dos serviços essenciais, aqueles que estão “envolvidos no socorro através das corporações de bombeiros”, e da população com mais de 80 anos ou que tem entre 50 e 79 anos e comorbilidades.

A governante alertou ainda que, apesar da vacina, as restantes medidas de proteção contra o vírus “não podem ser descuradas“.

“É importante que as pessoas tenham presente que não podem deixar de cumprir o distanciamento físico, o arejamento de espaços, a colocação da máscara e a higienização das mãos. A vacina ajuda à proteção, mas não é um escudo completo”, reforçou, insistindo que temos de continuar a ter cuidado, até porque “há novas variantes em circulação”.

“A vacina ajuda a proteção, mas não é um escudo completo”, sublinhou a ministra.

A governante esteve, esta manhã, juntamente com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, a assistir ao início do programa de vacinação dos bombeiros, no centro de saúde da Damaia.

Cerca de 15.000 bombeiros voluntários, sapadores e municipais começam a ser vacinados esta quinta-feira, num processo que se vai prolongar durante as próximas duas semanas.

O Ministério da Administração Interna sustenta que os bombeiros, dada a dimensão operacional do transporte pré-hospitalar que executam, desempenham “uma função essencial do Estado e por isso vão ser vacinados ao longo das próximas duas semanas”. A ordem de vacinação foi definida com base em critérios operacionais da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

O Ministério tutelado por Eduardo Cabrita indica que os locais de vacinação, em vários concelhos de cada um dos 18 distritos do continente, foram estabelecidos de acordo com a distribuição geográfica dos 15.000 bombeiros.

Lisboa e Porto são os distritos com mais bombeiros que vão ser vacinados contra a covid-19, 2.181 e 1.916 respetivamente, seguido de Viseu (1.025), Aveiro (958), Coimbra (945), Leiria (945), Braga (910), Santarém (842), Setúbal (829) e Vila Real (687).

No distrito da Guarda vão ser vacinados 644 bombeiros, em Faro 617, em Castelo Branco 500, em Bragança 477, em Portalegre 388, em Viana do Castelo 347, em Beja 358 e em Évora 326.

  Liliana Malainho, ZAP // Lusa

1 Comment

  1. Toda a gente sabe que anda aldrabice no ar. Quais 70% de vacinados?! É muito menos do que isso, e ela já está a compôr o barco.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.