Sputnik V, vacina produzida na Rússia, revela 91,6% de eficácia

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Rússia – a Sputnik V – revelou uma eficácia de 91,6% contra a doença, segundo resultados publicados esta terça-feira na revista médica The Lancet e validados por especialistas independentes.

“O desenvolvimento da Sputnik V tem sido criticado pela sua precipitação, por ter saltado etapas e pela falta de transparência, mas os resultados são claros e o princípio científico dessa vacinação está demonstrado”, estimaram dois especialistas britânicos, Ian Jones e Polly Roy, num comentário anexado ao estudo.

Os investigadores indicam que isto “significa que uma vacina extra pode ser acrescentada à luta contra a covid-19“. Nenhum dos dois cientistas participaram no estudo em questão.

Os primeiros resultados de eficácia verificados corroboram as afirmações iniciais da Rússia, recebidas no outono com desconfiança pela comunidade científica internacional.

O estudo agora divulgado coloca a Sputnik V entre as vacinas com melhor desempenho, como a da Pfizer/BioNTech, que anuncia uma eficácia de cerca de 95%, utilizando, no entanto, uma tecnologia diferente (RNA mensageiro).

Nas últimas semanas começaram a surgir pressões para que a Agência Europeia do Medicamento avaliasse rapidamente o desempenho da Sputnik V, já utilizada na Rússia e em países como a Argentina e a Argélia.

Os resultados publicados na The Lancet dizem respeito à última fase de ensaios clínicos da vacina, a fase três, que envolve cerca de 20 mil voluntários.

Estes resultados têm origem na equipa que desenvolveu a vacina e conduziu os ensaios, sendo posteriormente submetidos à verificação de outros cientistas independentes antes da sua publicação.

As conclusões sugerem que a Sputnik V reduz em 91,6% o risco de contrair uma forma sintomática da covid-19.

Os participantes no ensaio, realizado entre setembro e novembro, receberam todos duas doses da vacina ou um placebo com três semanas de intervalo.

Em cada uma das doses, fizeram também um teste de PCR e, nos dias seguintes à administração da segunda dose, o teste foi realizado apenas às pessoas que desenvolveram sintomas.

Um total de 16 voluntários dos 14.900 que receberam ambas as doses da vacina teve teste positivo (0,1%) em comparação com 62 de 4.900 voluntários que receberam o placebo (1,3%).

Contudo, os autores apontam uma limitação: uma vez que os testes PCR só foram realizados “quando os participantes declararam ter sintomas de covid-19, a análise da eficácia diz respeito apenas aos casos sintomáticos”.

De acordo com a revista científica “são ainda necessárias mais pesquisas para determinar a eficácia da vacina em casos assintomáticos e na transmissão” da doença.

A Sputnik V da Rússia é uma vacina de vetor viral, ou seja, utiliza outros vírus tornados inofensivos para o organismo humano e adaptados para combater a covid-19.

Esta é a mesma técnica utilizada pela vacina da AstraZeneca (Oxford), que apresenta uma eficácia de 60%, segundo a EMA. Enquanto a vacina da AstraZeneca se baseia num único adenovírus de chimpanzé, a Sputnik V utiliza dois adenovírus humanos diferentes para cada uma das injeções.

Segundo os seus criadores, a utilização de um adenovírus diferente em reforço da primeira injeção deverá causar uma melhor resposta imunológica.

Ainda antes deste estudo ser publicado, o Presidente da República Checa, Milos Zeman, defendeu o recurso à vacina russa Sputnik V contra a covid-19 para compensar atrasos nas entregas das farmacêuticas norte-americanas Pfizer-BioNTech e Moderna.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Mesmo depois da morte de Ihor, centro do aeroporto ainda tem videovigilância "muito limitada"

Um ano e meio após a morte de Ihor Homeniuk, o centro de instalação temporária do aeroporto de Lisboa (CIT) continua sem cobertura total de câmaras de videovigilância em zonas comuns. A situação atual distancia-se daquilo …

Liveblog Autárquicas. Afluência de 20,94% até às 12h

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …

As crianças têm dez vezes mais micro-plásticos nas fezes do que os adultos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, usou espectrometria de massa para medir os níveis de micro-plásticos compostos de policarbonato (PC) e de polietileno tereftalato (PET) presentes nas fezes crianças …

MIT desenvolve mão robótica insuflável (que devolve o tato aos amputados)

Apesar de haver membros biónicos altamente articulados, concebidos para detetar os sinais musculares residuais e imitar roboticamente os seus movimentos pretendidos, a destreza de alta tecnologia tem um custo muito alto. Recentemente, engenheiros do Massachusetts Institute …

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …