“Só amamos as batalhas difíceis.” Sócrates culpa silêncio da esquerda pela ascensão da extrema-direita

Mário Cruz / EPA

O antigo primeiro-ministro, José Sócrates, durante a sessão instrutória sobre a Operação Marquês

“Passei sete anos a defender-me da mentira da fortuna escondida e no final ouço, pela primeira vez, que há indícios de um crime que já prescreveu.” José Sócrates escreveu um artigo de opinião, no jornal Público, no qual critica o silêncio de esquerda sobre Operação Marquês

“O processo Marquês nunca foi um processo judicial, mas um processo político.” É com esta frase, que tem vindo a repetir nos últimos dias, que José Sócrates inicia um artigo de opinião, publicado esta segunda-feira no jornal Público.

O antigo primeiro-ministro diz que a consideração do juiz Ivo Rosa, de que foi corrompido pelo amigo Carlos Santos Silva, é “injusta e falsa“, tanto “como as outras e dela me defenderei mais à frente”.

Na sexta-feira, José Sócrates foi ilibado dos crimes de corrupção na Operação Marquês, mas o juiz acusou declaradamente o ex-primeiro-ministro de se ter “vendido” ao amigo Carlos Santos Silva. No entanto, coo o crime já prescreveu, o ex-governante está apenas acusado de branqueamento de capitais, arriscando até 12 anos de prisão.

Sobre o processo, Sócrates aponta o dedo ao juiz de instrução, acusando-o de não ter resistido à “tentação de criar novas acusações“.

“Pronuncia-me por um crime de que nunca estive acusado e do qual nunca me pude defender. Transforma o alegado ‘testa de ferro’ em ‘corruptor’ sem comunicar aos visados esta alteração de factos. Passei sete anos a defender-me da mentira da fortuna escondida e no final ouço, pela primeira vez, que há indícios (que alguns imediatamente transformam em provas e em sentença transitada em julgado) de um crime que já prescreveu”, escreve.

Para o antigo primeiro-ministro português, a Operação Marquês foi “um processo político”, encetado para o “afastar do debate público”, “impedir” uma candidatura à Presidência da República, “criminalizar as políticas” do Governo que liderou e “legitimar as políticas de austeridade do Governo” que lhe sucedeu.

José Sócrates também acusa o Governo de Pedro Passos Coelho de ter sido “o primeiro em democracia a iniciar esta caça ao homem”.

O artigo de opinião defende que a estratégia foi bem sucedida: o PS perdeu as eleições legislativas e Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito sem que o Partido Socialista tivesse declarado o apoio ao então candidato.

A Operação Marquês “constitui um marco importante no nascimento e afirmação do primeiro partido da extrema-direita no Portugal democrático”, sublinha Sócrates.

“Como tantas vezes aconteceu na história, o golpe, vítima do seu próprio êxito, escapou das mãos dos seus artífices. A extrema-direita viu nele a oportunidade para julgar o regime e a democracia – afinal de contas era um antigo primeiro-ministro acusado de corrupção”, lê-se no artigo.

Sem nunca mencionar o nome de André Ventura, líder do Chega, Sócrates refere que “a televisão dá-lhe visibilidade e o líder do partido a oportunidade de se lançar na política”.

“Depois de um pequeno teste numa campanha municipal e de uma primeira fala sobre ciganos, fica absolutamente claro que a direita salazarista nunca deixou de existir e fica igualmente claro o que quer ouvir. Chega de uma direita tímida e civilizada. Depois de Trump e de Bolsonaro chegou o momento de afirmação – violência, ódio e intolerância.”

A direita não é a única visada no artigo de opinião, com Sócrates a atirar sobre a esquerda também, que “finge e finge e finge”.

“O Partido Comunista considera as reivindicações dos polícias justas; o Bloco de Esquerda critica o Governo por ter sido tão indiferente a essas legítimas aspirações; e o Partido Socialista lembra tudo o que fez pela organização policial. Os manifestantes sentem imediatamente o cheiro da covardia e garantem que doravante serão os donos das ruas”, diz, numa referência a uma manifestação de polícias em frente à Assembleia da República.

A manifestação “nada tem a ver com reivindicações profissionais“, mas pretende “afirmar uma nova cultura política, a caminho de um estado policial”, salienta o antigo governante.

O silêncio da esquerda perante o “caldo cultural que esteve no bojo do processo Marquês” é também apontada por José Sócrates.

“A ‘morosidade insuportável’ dos julgamentos acabou. Nós, procuradores e polícias, faremos a nossa própria justiça – já não precisamos de juízes independentes e imparciais. Foi este o caldo cultural que esteve no bojo do processo Marquês, que o permitiu e que o impulsionou. E ao qual a esquerda – toda a esquerda – assistiu em silêncio“, lê-se.

O Freeport e as chamadas “escutas de Belém” foram, para Sócrates, duas tentativas de criar um processo judicial contra si. Mas “ambas foram desmascaradas e ambas falharam”.

“Quando decidiram tentar de novo, asseguraram-se que toda a gente estaria a seu lado – um Governo, uma maioria, um Presidente e uma procuradora-geral. Faltava um juiz. A obrigação legal do sorteio foi então substituída pela ‘atribuição manual’ e o jogo foi viciado”, acusa.

Recorde-se que, na sexta-feira, depois da sessão instrutória sobre a Operação Marquês, o ex-primeiro-ministro acusou o Ministério Público de ter manipulado, viciado e escolhido o juiz Carlos Alexandre, numa primeira instância.

“Agora o juiz era o seu juiz, escolhido por quem nada quis deixar ao acaso. Eis a trapaça, agora denunciada na decisão instrutória. Eis o escândalo de que ninguém parece querer falar”, continua.

A “batalha foi longa e dura, mas a solidão do combate deu-lhe uma beleza singular”, escreve José Sócrates, sublinhando que a vontade interior que “mantém acordada a coragem e o silêncio” permaneceu.

“Não, não esqueço a ignomínia, mas celebro a oportunidade de vencer esta etapa. E vencerei a próxima porque nunca cometi nenhum crime. Para alguns esta foi a vitória possível. Talvez. Seja como for, só amamos as batalhas difíceis”, remata.

Sócrates estava acusado de 31 crimes, mas vai responder por apenas 6, com Ivo Rosa a deixar cair todas as acusações de corrupção. O ex-primeiro-ministro e Carlos Santos Silva foram pronunciados por 3 crimes de branqueamento de capitais e outros 3 de falsificação de documentos.

O branqueamento de capitais tem uma moldura penal de dois a 12 anos de prisão, e o crime de falsificação implica um a 5 anos de cadeia para um titular de cargo político e de 1 a 3 anos para os restantes casos.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Coreia do Norte alega que a covid-19 poderia flutuar em balões vindos do Sul

A Coreia do Norte pediu aos seus cidadãos que não leiam panfletos de propaganda enviados através de balões do Sul, alegando que a covid-19 poderia entrar no país através das gotículas. De acordo com a agência …

Autoagendamento a partir dos 60 anos deve arrancar no final da próxima semana

O autoagendamento para a vacinação contra a covid-19 deverá passar a contemplar as pessoas a partir dos 60 anos, em vez dos atuais 65, já no final da próxima semana, adiantou hoje à Lusa fonte …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social arranca com apelos a mudança para recuperar da crise

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

Comandos. MP pede condenação de cinco arguidos a penas entre dois e 10 anos de prisão

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de cinco dos 19 arguidos no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos, em 2016, a penas de prisão entre dois e 10 anos. Nas alegações …

Juventus quer Zidane para o lugar de Pirlo

O insucesso desportivo da Juventus esta temporada deve fazer com que Pirlo saia do clube. Zidane, que também estará de saída do Real Madrid, é o favorito da vecchia signora. Zinédine Zidane estará a pensar seriamente …

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …

Reino Unido. Variante indiana é “preocupante“ e já infetou idosos vacinados

No Reino Unido, já foram encontradas 48 cadeias de transmissão da variante indiana e sabe-se que há transmissão comunitária. A Public Health England classifica esta variante como “preocupante”. A direção geral de saúde de Inglaterra (PHE …