Cuidados Intensivos precisam já dos 26 milhões prometidos pelo Governo (ou os “hospitais voltam a parar”)

Giuseppe Lami / EPA

A região de Lisboa e Vale do Tejo concentra, por esta altura, mais de 80% dos novos casos diários de infecção pelo coronavírus e alguns hospitais já estão a enviar doentes para unidades na periferia. Com o prolongar da pandemia, os Cuidados Intensivos podem ficar sobrelotados e sem capacidade de resposta, alerta um médico intensivista.

O médico Philip Fortuna, do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) que integra as Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) dos Hospitais Curry Cabral e São José, alerta que os 26 milhões de euros prometidos pelo Governo para o reforço da resposta nas UCI do Serviço Nacional de Saúde são mesmo necessários para evitar a ruptura destes serviços no Inverno, quando se espera que a pandemia volte a piorar.

“A proposta de mais investimento que o Governo anunciou, dar mais dinheiro aos hospitais para aumentar a capacidade de resposta nos cuidados intensivos, tem mesmo de avançar e já”, sustenta o médico em entrevista ao Diário de Notícias (DN).

O investimento de 26 milhões nas UCI está previsto no Plano de Estabilização Económica e Social que foi aprovado neste mês de Junho, com o intuito de aumentar o número de camas nas UCI e de contratar mais pessoal para estas unidades.

Philip Fortuna, que também é coordenador do Programa ECMO (oxigenação por membrana extracorporal), entende que “esta verba não [pode] ficar cativada, porque senão quando chegar o Inverno podemos ter mais covid e os hospitais vão ter de parar outra vez só para tratar estes doentes”. “Tal como tiveram de parar agora, mas uma coisa é pararem na fase aguda da doença, outra coisa é pararem todos os anos por causa disto, porque o vírus vai continuar por aí”, alerta.

O médico dá o exemplo da Unidade de Emergência Médica do Hospital de São José, onde as 22 camas polivalentes existentes foram divididas para acolher doentes de covid-19 e pacientes sem a infecção.

“Isto fez com que tivéssemos de dividir a equipa e que tivéssemos de criar circuitos independentes, o que faz com que a lotação de camas não seja a mesma”, salienta Philip Fortuna.

“Se um dia tenho a zona de doentes não Covid cheia, e a ala de doentes com Covid só com uma cama ocupada, é como se não tivesse mais camas, mesmo que mais de metade das camas Covid estejam vagas, o mesmo acontece se fosse o contrário”, acrescenta.

“Com a covid-19, para o mesmo número de doentes precisamos de mais recursos humanos, precisamos de mais camas, exatamente porque nos obriga a ter muitos mais doentes em isolamento“, esclarece o profissional de saúde.

Deste modo, o médico diz que tem de “haver um equilíbrio”. “Os hospitais não podem fechar só para tratar covid. Ou seja, temos todos de aprender a conviver com a doença, desde unidades, profissionais e população”, sublinha.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Até à Páscoa "as coisas devem ficar como estão", diz António Lacerda Sales

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, admitiu, em entrevista ao SAPO24, que foram cometidos erros desde o início da pandemia e defendeu que até à Páscoa "as coisas devem ficar como estão". Um …

Trabalhar no Interior. Benefícios fiscais tiveram impacto de 27 milhões (e programa deve ser prorrogado)

Os benefícios fiscais previstos no Programa de Valorização do Interior (PVI) tiveram um impacto de cerca de 27 milhões de euros em 2020, revelou o Ministério da Coesão Territorial, destacando a aprovação de projetos …

Regulador da aviação trava construção do aeroporto do Montijo

O parecer negativo das câmaras do Seixal e da Moita e a não emissão por Alcochete levaram a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) a recusar emitir um parecer prévio de viabilidade do aeroporto do …

França aprova vacina da AstraZeneca para maiores de 65 anos. Única dose das vacinas reduz hospitalização nos mais idosos

O Governo francês alargou a idade de toma da vacina da AstraZeneca, que estava reservada para pessoas entre os 50 e os 64 anos. A partir de agora, pessoas com até 75 anos também vão …

OMS diz que é prematuro e "não realista" pensar-se que a pandemia acaba este ano

O diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS diz que é prematuro pensar-se que a pandemia termina até ao fim do ano, mas que é possível é reduzir as hospitalizações e as transmissões …

A escolha de Moedas para Lisboa (ou de como Marcelo puxou os cordelinhos no PSD)

Rui Rio foi forçado a confirmar o nome de Carlos Moedas como candidato do PSD à Câmara de Lisboa depois de ter havido uma fuga de informação para a imprensa. E há quem especule que …

Duterte demite embaixadora no Brasil filmada a agredir funcionária

Esta segunda-feira, Rodrigo Duterte anunciou ter assinado a demissão da embaixadora das Filipinas no Brasil, Marichu Mauro. O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, demitiu a embaixadora no Brasil, depois de esta ter sido filmada a agredir …

Portugal tem menos de 2 mil internados pela primeira vez desde outubro. Há mais 38 óbitos e 691 novos casos de covid-19

Portugal registou esta terça-feira 691 novos casos de infeção por covid-19 e mais 38 mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde, nas …

Marcelo falou com Presidente de Israel sobre vacinação e relações bilaterais

O Presidente da República falou por telefone com o seu homólogo israelita, Reuven Rivlin, sobre a pandemia de covid-19, o processo de vacinação, as relações bilaterais e a situação geopolítica global O Presidente da República, Marcelo …

Trump e Melania foram vacinados em privado em janeiro, antes de abandonarem a Casa Branca

Donald Trump e Melania Trump foram vacinados discretamente em janeiro antes de abandonarem a Casa Branca, admitiu um conselheiro do ex-Presidente dos EUA a vários meios de comunicação do país. Segundo o New York Times, a …