O sol e a subida de temperaturas que se fizeram sentir este fim de semana convidaram milhões de pessoas por todo o país a sair de casa. O último sábado, dia 27 de fevereiro, foi o mais movimentado desde o início de 2021.

De acordo com a consultora PSE, que tem vindo a medir a mobilidade dos portugueses, quatro milhões de portugueses saíram à rua este sábado.

Este foi o sábado mais movimentado desde que o ano de 2021 começou, e corresponde a uma tendência crescente de desconfinamento ad-hoc à medida que o tempo passa.

O desconfinamento antecipado foi praticado mais por homens do que por mulheres, e revela-se mais frequente nas classes baixas. A diferença de comportamentos consoante os estratos sociais tem algumas explicações: por um lado, há profissões onde o teletrabalho não é possível; por outro, condições de habitabilidade mais precárias tornam a vida fora de portas mais apelativa.

Segundo a consultora, além do bom tempo que convidou a população a fazer passeios ao ar livre, também a crescente sensação de que o perigo já foi maior, por via do decréscimo do número de mortes e de internamentos causados pela pandemia, faz com que as pessoas se sintam mais à vontade para sair casa.

Depois de um período inicial em que as saídas de casa sofreram um decréscimo significativo, os portugueses estão não só a voltar à rua como a fazê-lo mais vezes e por períodos de tempo mais prolongados, porque começaram a arriscar ir para mais longe.

O especialista em análise de dados da PSE Nuno Santos, observa que “o aumento da mobilidade é uma tendência crescente que se tem vindo a verificar desde o encerramento das escolas“.

Também na última sexta-feira foram à rua quase seis milhões, o que equivale a 75% das que circulavam habitualmente neste dia da semana antes de surgir a covid-19. Só se registou uma redução de 25% relativamente aos tempos de normalidade, quando os estudos internacionais apontam para uma necessidade de baixar pelo menos 40% das deslocações para causar algum impacto na pandemia, afirma o mesmo responsável.

Segundo o Público, o aumento de deslocações registado ao longo das últimas semanas, não discriminou regiões nem idades. Apesar de os idosos continuarem a ficar mais tempo em casa, tal como as mulheres, todos os escalões etários registaram um aumento das saídas de casa.

Mesmo assim, o analista de dados mostra-se otimista, pois “apesar desta erosão do confinamento, os portugueses têm mostrado um comportamento exemplar desde o início da pandemia, respeitando aquilo que lhes é pedido ou imposto”.

Em declarações ao Jornal i, o gabinete de crise covid-19 da Ordem dos Psicólogos pede ao Governo que se estudem fatores além da mobilidade e das taxas de incidência.

Tiago Pereira, responsável pelo gabinete, explica que é uma mistura de vários fatores que não estão a ser estudados pelo Governo da forma como deviam e “que seriam importantes para percebermos mais concretamente o comportamento das pessoas”.

Apesar de existirem “mais pessoas a movimentar-se agora do que no primeiro confinamento”, a verdade é que o “número de infeção e internamentos” também desceu muito mais rapidamente do que aquilo que podemos observar no ano passado, refere o especialista que justifica esta situação com o facto de “hoje haver mais condições para essa mobilidade”.

Ana Isabel Moura, ZAP //