Este foi o sábado mais movimentado de 2021. Quatro milhões saíram à rua

O sol e a subida de temperaturas que se fizeram sentir este fim de semana convidaram milhões de pessoas por todo o país a sair de casa. O último sábado, dia 27 de fevereiro, foi o mais movimentado desde o início de 2021.

De acordo com a consultora PSE, que tem vindo a medir a mobilidade dos portugueses, quatro milhões de portugueses saíram à rua este sábado.

Este foi o sábado mais movimentado desde que o ano de 2021 começou, e corresponde a uma tendência crescente de desconfinamento ad-hoc à medida que o tempo passa.

O desconfinamento antecipado foi praticado mais por homens do que por mulheres, e revela-se mais frequente nas classes baixas. A diferença de comportamentos consoante os estratos sociais tem algumas explicações: por um lado, há profissões onde o teletrabalho não é possível; por outro, condições de habitabilidade mais precárias tornam a vida fora de portas mais apelativa.

Segundo a consultora, além do bom tempo que convidou a população a fazer passeios ao ar livre, também a crescente sensação de que o perigo já foi maior, por via do decréscimo do número de mortes e de internamentos causados pela pandemia, faz com que as pessoas se sintam mais à vontade para sair casa.

Depois de um período inicial em que as saídas de casa sofreram um decréscimo significativo, os portugueses estão não só a voltar à rua como a fazê-lo mais vezes e por períodos de tempo mais prolongados, porque começaram a arriscar ir para mais longe.

O especialista em análise de dados da PSE Nuno Santos, observa que “o aumento da mobilidade é uma tendência crescente que se tem vindo a verificar desde o encerramento das escolas“.

Também na última sexta-feira foram à rua quase seis milhões, o que equivale a 75% das que circulavam habitualmente neste dia da semana antes de surgir a covid-19. Só se registou uma redução de 25% relativamente aos tempos de normalidade, quando os estudos internacionais apontam para uma necessidade de baixar pelo menos 40% das deslocações para causar algum impacto na pandemia, afirma o mesmo responsável.

Segundo o Público, o aumento de deslocações registado ao longo das últimas semanas, não discriminou regiões nem idades. Apesar de os idosos continuarem a ficar mais tempo em casa, tal como as mulheres, todos os escalões etários registaram um aumento das saídas de casa.

Mesmo assim, o analista de dados mostra-se otimista, pois “apesar desta erosão do confinamento, os portugueses têm mostrado um comportamento exemplar desde o início da pandemia, respeitando aquilo que lhes é pedido ou imposto”.

Em declarações ao Jornal i, o gabinete de crise covid-19 da Ordem dos Psicólogos pede ao Governo que se estudem fatores além da mobilidade e das taxas de incidência.

Tiago Pereira, responsável pelo gabinete, explica que é uma mistura de vários fatores que não estão a ser estudados pelo Governo da forma como deviam e “que seriam importantes para percebermos mais concretamente o comportamento das pessoas”.

Apesar de existirem “mais pessoas a movimentar-se agora do que no primeiro confinamento”, a verdade é que o “número de infeção e internamentos” também desceu muito mais rapidamente do que aquilo que podemos observar no ano passado, refere o especialista que justifica esta situação com o facto de “hoje haver mais condições para essa mobilidade”.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Embora a liberdade de expressão comece a ser uma miragem no ZAP e a censura invariavelmente se faça sentir no que tenho escrito a título de mera opinião nos últimos tempos, sempre se dirá que não foi só no sábado nem na sexta-feira que mais de metade do povo português desconfinou «ad hoc». Ontem, domingo, alguns santuários do norte de Portugal, que têm o condão de estar situados no topo de montanhas, bem arborizadas, com água e belas vistas, estavam à pinha de automóveis cujos passageiros, para evitar uma investida das forças policiais, derivavam em magotes por entre a floresta e penedios, fartos de estarem enfiados em gaiolas, vulgo andares, em altura ou geminados, porque Portugal pouco mais sabe fazer do que gaiolas de todos os tipos e feitios. E houve quem visse – eu também vi mas não tinha essa informação – pessoas que ainda há menos de um mês estiveram à morte em hospitais, outros que tiveram sintomas (falta de paladar, de cheiro, etc.) e que lá arrebitaram sozinhos. Aliás, era o próprio povo quem dizia: «olha aquela anda aqui e ainda há dias tinha febre e falta de “sabor”»; «olha aquele que ainda há quinze dias saiu do hospital» etc., etc. É caso para perguntar se a Senhora Dona Marta Temida, ministra da saúde com mérito, não viu nada, não deu conta de nada. Eu quando tal vi e ouvi fugi a sete pés, direitinho ao meu quinchoso, onde cheguei com ar desvairado de tal modo que a minha Maria se saiu com esta: «Ai home parece que viste sete lobos». Eu nunca mandei em nada nem ninguém, mas que é preciso explicar a esta malta que não podem sair aos magotes, que as vacinas não conferem imunidade para sempre e que podemos estar contaminados sem o saber e contaminar os outros, lá isso era. Ou então qualquer dia começa de novo a saga dos hospitais a abarrotar, de novos confinamentos e a falência de vez do Portugal milenar. Corda bem curta, porque muita gente não vai de outra maneira.

  2. Isto é que é vida. Depois de nos empanturrarmos com ovos da Páscoa, e com polvo de escabeche, o vírus desaparecerá.

RESPONDER

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …