Rui Moreira critica gestão da pandemia. “O país está todo descontrolado”

Rui Moreira / Facebook

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira

O presidente da Câmara Municipal do Porto considera que “o país está todo descontrolado” e que as medidas que entraram em vigor no âmbito do estado de emergência já deveriam “ter sido tomadas há semanas”.

Em entrevista ao programa “Polígrafo SIC”, da SIC Notícias, Rui Moreira abordou vários temas, nomeadamente a atual gestão da pandemia de covid-19. O autarca considerou que, neste momento, “o país está todo descontrolado”, mas que “a região Norte vive uma situação que merece particular atenção”.

“Está a acontecer a mesma coisa que aconteceu em março. Nessa altura, a pandemia começou no interior do distrito do Porto e esta segunda vaga também começou a ter maior expressão no interior do distrito do Porto. Isto acontece porque é aqui que se concentram mais fábricas, indústrias e um conjunto de pessoas que não podem estar em teletrabalho. (…) Estamos a viver uma situação preocupante”, declarou.

O presidente da Câmara do Porto afirmou que as medidas que entraram em vigor, esta segunda-feira, no âmbito do estado de emergência já deveriam ter sido tomadas há mais tempo.

“As medidas que estamos agora a tomar já deviam ter sido tomadas há semanas. (…) A única coisa que até agora conteve eficientemente a pandemia foi o confinamento. Mas, neste momento, não podemos confinar totalmente o país por um período tão prolongado.”

“O país não está preparado para amanhã se ver confrontado com notícias de 200 ou 300 mortos por dia e, no entanto, podemos estar à beira de o ter. E isso mataria a economia de qualquer maneira”, declarou.

Para Rui Moreira, o recolher obrigatório pode não ser eficaz numa altura em que os casos  já estão muito elevados. “Tenho muitas dúvidas sobre o recolher obrigatório, (…) porque vamos aumentar a pressão naquelas horas, vai haver uma concentração”.

“Consigo compreender o recolher obrigatório durante algumas horas da noite por causa de algumas atividades, mas essas atividades precisam é de policiamento para as interromper. E também não consigo compreender porque é que não se ajustou isso à realidade comparada do país”, acrescenta.

“Custa-me a perceber porque é que, mais uma vez, não se envolveu os Presidentes de Câmara, nem as comunidades municipais. O municipalismo tem conseguido, muitas vezes, suprir muitas das carências que tem havido a nível da administração central, a nível do Governo e, principalmente, a nível da DGS”.

O autarca da Invicta considera que a “permanente precipitação” do Executivo em tomar decisões tem uma responsabilidade principal: a comunicação.

É uma comunicação catatónica, muito virada para números que invariavelmente estão mal, conferências de imprensa que cansam toda a gente, mensagens completamente obtusas. (…) Muitas pessoas continuam a não perceber objetivamente o que é que têm de fazer. Precisamos que as mensagens sejam claras”, apelou.

“O país tinha a obrigação de ter aprendido com o que aconteceu em março e abril. O senhor primeiro-ministro disse que não se tiravam os generais porque era uma guerra. Mas eu acho que ganhámos a guerra em março e abril, não foi nenhum milagre. A guerra do verão nós perdemo-la. E continuamos a ter os mesmos generais a fazer as mesmas coisas”, afirmou Moreira, acrescentando que, “em relação à DGS, são erros a mais”.

  ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Falta de respeito". Patrões abandonam concertação social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …

Pessoas a andar na rua em Viena, Áustria

Em caso de apagão geral, Áustria é o primeiro país europeu a ter um Plano B(lackout)

E se houvesse um apagão que afetasse todo o continente europeu? O cenário é o argumento que o Ministério da Defesa austríaco tem usado para enviar um aviso à população desde o início deste mês. A …

Só um terço das empresas em Portugal têm gestores com um curso superior

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos refere que este valor é negativo para o país já que a formação superior dos gestores está associada à produtividade e há maior probabilidade da empresa começar …

Governo avança com desconto de 10 cêntimos por litro nos combustíveis para as famílias

O Governo vai criar um desconto de dez cêntimos por litro nos combustíveis para todas as famílias, até 50 litros por mês. Uma medida que estará em vigor entre novembro deste ano e março do …

Inês Sousa Real, porta-voz do PAN

PAN já enviou memorando de entendimento ao Governo

O partido Pessoas–Animais–Natureza enviou ao Governo, esta sexta-feira, o memorando de entendimento com cerca de 60 propostas, no âmbito do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). "O PAN fez chegar ao Governo um memorando do qual …

Alterações ao Orçamento de 2021 custaram, afinal, muito mais do que o estimado pelo Governo

Apenas duas das 291 medidas adicionadas representaram um impacto anual de 88 milhões de euros, com o Governo a calcular, durante a especialidade, que a totalidade custaria 3,2 milhões de euros. As alterações feitas ao Orçamento …

Entre a pandemia e os preços da energia, Marcelo alerta que chumbo do OE criaria "mais um problema"

O Presidente da República reiterou, esta sexta-feira, que deseja evitar uma crise política criada por um eventual chumbo do Orçamento de Estado, porque "só juntaria um problema" à pandemia e à subida dos preços dos …