Rio faz depender desconfinamento de indicadores (e não da data). Mas plano “já podia e já devia” existir

Mário Cruz / Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio

O presidente do PSD, Rui Rio, voltou esta terça-feira a fazer depender o desconfinamento do país de indicadores a definir pelos cientistas, “independentemente de ser Páscoa ou não, de ser em março ou em abril”.

No final de uma reunião com o Fórum para a Competitividade, na sede nacional do PSD, em Lisboa, Rio foi questionado sobre a promessa do primeiro-ministro, António Costa, de apresentar um plano para o desconfinamento em 11 de março.

Admitindo que este plano “já podia e já devia” existir, Rio elencou alguns dos indicadores que deverão ser pesados como base do descofinamento, como o número de internados em cuidados intensivos ou o de novos casos (desde que se mantenham níveis de testagem altos).

Os políticos têm de ter o conforto da ciência, não sou que vou dizer que número temos de atingir”, disse.

O presidente do PSD apelou a que, na Páscoa, se possa “fazer o que se aprendeu com o Natal”, sem considerar que deva ser esta data – ou qualquer outra – a definir um plano de desconfinamento.

“O que está em causa é se o país tem indicadores para poder desconfinar ou não, independentemente de ser Páscoa ou não, independentemente de estarmos em março ou em abril”, defendeu.

Na terça-feira, o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, admitiu que foram cometidos erros desde o início da pandemia e defendeu que até à Páscoa “as coisas devem ficar como estão”. “A Páscoa, como o Natal, são sempre épocas de fluxos de grande mobilização social. Devemos evitá-los (…) Nesta fase, as coisas devem ficar como estão neste momento”, disse.

Relativamente ao Natal, Rio admitiu que se o país tivesse confinado “um pouco antes”, o aumento de casos não teria tido a mesma dimensão. “E já podíamos estar a desconfinar. Não vamos repetir o erro“, apelou.

No dia em que se assinala um ano do primeiro caso de infeção com o novo coronavírus diagnosticado no país e desafiado a fazer um balanço da atuação do Governo, Rui Rio considerou que “o melhor é fazer o balanço no fim”.

“O Governo cometeu diversos erros, normais no princípio, e numa fase posterior menos aceitáveis. Mais do que isto é difícil dizer”, afirmou o líder do PSD, partido que tem votado ao lado do PS a favor de todos os estados de emergência no âmbito da pandemia.

Segundo Rio, citado pelo jornal ECO, ao contrário do que aconteceu em março passado, quando ainda “não havia know-how para agir da melhor maneira” perante esta crise de saúde pública, existiram “erros menos aceitáveis” a partir de “junho”, altura em que já existia “algum conhecimento” acerca da doença.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.539.505 mortos, resultantes de mais de 114,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.351 pessoas dos 804.956 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS).

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …

Maldivas ponderam oferecer vacinas aos turistas

As Maldivas estão a ponderar dar aos turistas a vacina contra covid-19 quando chegarem para férias, de modo a incentivar o turismo. As Maldivas estão prontas para enfrentar a concorrência acessa assim que o turismo reabrir …

SOS Racismo diz que SEF atentava contra direitos dos imigrantes e aplaude extinção

O Governo decidiu extinguir o SEF e substituí-lo pelo novo Serviço de Estrangeiros e Asilo, com diferentes moldes de funcionamento. A associação SOS Racismo congratulou-se este sábado com a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras …

Vem aí a Transporter, a van elétrica (e totalmente autónoma) para serviços de entregas

A Mobileye, uma subsidiária da Intel, fechou uma parceria com a startup Udelv para lançar um serviço de entregas em grande escala e com veículos totalmente autónomos já em 2023. A Mobileye, uma subsidiária da Intel …

Ensino à distância roubou a muitos universitários a licenciatura de que estavam à espera

A pandemia de covid-19 obrigou o ensino superior a reinventar-se e se alguns cursos conseguiram adotar o modelo online sem prejuízos, noutros casos o ensino a distância impediu aulas práticas, roubando aos estudantes a licenciatura …

Fernando Medina de pedra e cal em Lisboa. Carlos Moedas não ameaça socialista

Numa sondagem feita pela Intercampus para o jornal Novo, a coligação PSD-CDS surge mais de 20 pontos percentuais abaixo do provável recandidato socialista.  Fernando Medina poderá reforçar em cinco pontos percentuais a votação que teve em …

No Brasil, mais de 40 pessoas foram vacinadas por engano contra a covid-19

O caso está a gerar polémica no Brasil, uma vez que, entre o grupo vacinado, está uma grávida e crianças com idades entre os seis meses e seis anos. Um total de 46 pessoas que precisavam …

O último adeus ao príncipe Filipe, duque de Edimburgo

O funeral do príncipe Filipe, que faleceu há uma semana com 99 anos, esteve em preparação durante 18 anos. O próprio duque de Edimburgo esteve envolvido no seu último adeus, que se realizou este sábado …

Qual foi o dia "mais aborrecido" da História? Um cientista de computação respondeu

Qual foi o dia mais aborrecido da História? Em 2010, um cientista de computação decidiu investigar e chegou a uma resposta: 11 de abril de 1954. Em 2010, o cientista de computação William Tunstall-Pedoe decidiu usar …

Democratas norte-americanos pedem que Biden negue fundos para a Amazónia devido à atitude de Bolsonaro

A poucos dias de Joe Biden se encontrar com Jair Bolsonaro, o Presidente norte-americano foi instado pelos senadores a condicionar o apoio à redução da desflorestação na Amazónia. Democratas do Senado norte-americano enviaram esta sexta-feira uma …