Responsável pelo RGPD demitido por Medina trabalhava há 33 anos na Câmara de Lisboa

Miguel A. Lopes / Lusa

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa.

O encarregado de proteção de dados da Câmara Municipal de Lisboa, que o presidente Fernando Medina exonerou devido à polémica da partilha de dados de ativistas com a embaixada da Rússia, trabalhava na autarquia há 33 anos.

Luís Feliciano, jurista, era há três anos o responsável pela conformidade da autarquia com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), uma lei que entrou em vigor em toda a União Europeia em maio de 2018.

No entanto, revela o Diário de Notícias, estava nos quadros da Câmara Municipal desde 1988, tendo começado pela administração do património imobiliário e passando pela coordenação territorial.



Na conferência de imprensa de 18 de junho, Fernando Medina disse que uma auditoria preliminar concluiu que o trabalho de adaptação da Câmara ao RGPD não abrangeu o procedimento que, até então, determinava o envio de dados pessoais de manifestantes às embaixadas alvo de manifestações.

A exoneração de Feliciano foi uma de várias medidas anunciadas pelo autarca.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “Responsável pelo RGPD demitido por Medina trabalha – tempo presente – há 33 anos na Câmara de Lisboa”. Parece-me o título correcto, não me consta que tenha sido despedido. A notícia é útil, permite-nos uma espreitadela à qualidade dos técnicos superiores que trabalham na função pública. Este funcionário, com formação superior e jurista, que explicação para erros tão grosseiros do serviço que dirigia? Uma das explicações pode ser resultante do entorpecimento burocrático de 33 anos de serviço, não controlada e avaliado. Tenho uma opinião de muitos anos, só se candidata a funcionário público quem não é capaz de sobreviver na “selva” do privado. Sendo este funcionário um jurista e exemplo da minha opinião, há muitos anos que afirmo que o serviço judicial, procuradores e juízes é ocupado por quem não teve hipóteses de competir no privado, são as segundas ou terceiras escolhas das escolas de direito que Serviço Público pode pagar. E as consequências estão à vista, no serviço judicial e nos outros serviços públicos.

      • Se o caro reler o último período terá a resposta. Realcei o Judicial por ser, na minha opinião o pilar de um estado democrático e funcional. O que afirmei foi que o Estado, incluindo neste os municípios. não pode – ou não quer – competir em competitividade salarial com o privado. Pessoalmente, penso que “não quer”, por razões essencialmente políticas, refere ter dois pelo preço de um. O funcionalismo público, o seu número, é importante no plano do “pleno emprego”, resumindo, o Estado é o empregador mais importante na estatística do emprego – calculo que empregue mais de um milhão no activo – o tal dois pelo preço de um, a quantidade justifica, politica e socialmente, a falta de qualidade dos serviços.

RESPONDER

Aumentam os rumores sobre o estado de saúde de Kim Jong-un

Os rumores sobre o estado de saúde de Kim Jong-un estão de volta, depois de o líder norte-coreano ter aparecido em público com uma mancha escura na parte de trás da cabeça e, posteriormente, com …

Alemão de 84 anos multado por possuir arsenal de armas da Segunda Guerra Mundial

Na terça-feira, um tribunal alemão condenou um homem de 84 anos por porte ilegal de armas. O idoso possuía um arsenal pessoal que incluía um tanque, um canhão antiaéreo e vários outros itens de equipamento …

Nicarágua. Ex-rainha de beleza detida (e libertada) após se candidatar às eleições

As autoridades de Nicarágua detiveram na quarta-feira, libertando de seguida, a ex-rainha de beleza Berenice Quezada, dois dias após esta se registar como candidata nas eleições de 7 de novembro. Segundo a coligação Citizens for Liberty, …

DGS autoriza competições da FPF com 33% de público

Os jogos das competições organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) podem ter uma ocupação de 33% dos recintos desportivos, segundo um parecer técnico da Direção-Geral da Saúde (DGS) a que a agência Lusa teve …

Novas "caixas" transformam eletricidade e areia em painéis solares

A Terrabox é uma espécie "fábrica de células solares" que só necessita de areia e eletricidade. Se for um sucesso, a tecnologia vai à Lua e a Marte. A Maana Electric, uma empresa sediada no Luxemburgo, …

Tribunal europeu autoriza hospital britânico a retirar o suporte de vida a bebé. Pais recusam

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos rejeitou um recurso da família de Alta Fixsler, uma bebé de dois anos, que não come ou respira sozinha, autorizando o Manchester University NHS Foundation Trust a retirar-lhe o …

Equipa com astrónomos portugueses descobre planetas que podem ter água

Uma equipa internacional de astrónomos, incluindo portugueses, descobriu um sistema de planetas fora do Sistema Solar que podem ter água à superfície, no interior ou na atmosfera, divulgou esta quinta-feira o Observatório Europeu do Sul …

México processa fabricantes de armas dos EUA para tentar deter comércio ilegal

O Governo do México lançou uma ação civil num tribunal do Massachusetts, nos Estados Unidos (EUA), contra um conjunto de fabricantes por "comércio negligente", visando deter o "tráfico ilegal" de armas através da fronteira, destinadas …

Afinal, Messi não vai renovar com o Barcelona

O internacional argentino não vai renovar contrato com o FC Barcelona, confirmou, esta quinta-feira, o clube catalão. Em comunicado publicado no seu site oficial, o FC Barcelona explica que, "apesar de ter chegado a acordo" com …

A Guerra Fria eclodiu nas piscinas de Tóquio. E promete continuar pelos Olímpicos fora

Após a final dos 200 metros costas, o nadador norte-americano Ryan Murphy sugeriu que acabara de participar numa prova que "provavelmente não foi limpa". O comentário foi interpretado como uma acusação a Evgeny Rylov, medalhado …