Renovação do estado de emergência aprovado com maioria alargada (mas Governo não escapou às críticas)

António Cotrim / Lusa

O Parlamento aprovou esta quarta-feira a renovação do estado de emergência até 30 de janeiro para permitir medidas de contenção da covid-19 com votos favoráveis de PS, PSD, CDS-PP, PAN e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, uma maioria alargada face às votações anteriores.

O Bloco de Esquerda voltou a abster-se, enquanto PCP, PEV, Chega, Iniciativa Liberal e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira votaram contra, uma vez mais.

Face às anteriores votações do estado de emergência, realizadas em novembro, dezembro e no início deste mês, CDS-PP e PAN passaram da abstenção para o voto a favor, ao lado de PS e PSD.

Este é o nono diploma do estado de emergência que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, submete ao parlamento no atual contexto de pandemia de covid-19.

De acordo com a Constituição, cabe ao chefe de Estado decretar o estado de emergência, que permite a suspensão do exercício de alguns direitos, liberdades e garantias, mas para isso tem de ouvir o Governo e de ter autorização da Assembleia da República.

Este diploma modifica o estado de emergência atualmente em vigor, com novas normas que se aplicam nos últimos dois dias desse anterior decreto, que termina às 23h59 de sexta-feira, e renova-o por mais quinze dias, desde as 0h de sábado, 16 de janeiro, até às 23h59 de 30 deste mês.

Governo não escapa a críticas de (quase) todos os lados

Apesar de a renovação do estado de emergência ter sido aprovado com uma maioria alargada, quase todos os partidos criticaram a atuação do Governo de António Costa pelas falhas nas medidas, atrasos nos apoios ou desnorte na comunicação.

No início do debate, José Luís Carneiro, deputado e secretário-geral adjunto do PS, apontou como “inevitável” o recurso a “um novo confinamento, equivalente ao que foi adotado entre março e abril de 2020″, face à subida de novos casos, de internamentos e de mortes de doentes com covid-19, que no seu entender são “consequência do aumento do número de contactos no decurso do Natal e do Ano Novo e das condições climatéricas”.

O socialista considerou ainda que o executivo tem atuado “com coragem, ponderação, serenidade e bom senso” no combate à covid-19.

Porém, o PSD pediu uma “mudança radical na resposta à covid-19”. O deputado Ricardo Baptista Leite reiterou o apoio do seu partido à renovação do estado de emergência, afirmando que “o momento exige responsabilidade” e que “o confinamento é agora proposto pelos especialistas como uma necessidade imperiosa”, mas manifestou “divergências profundas” em relação à estratégia de resposta à covid-19.

Não basta confinar, é preciso mudar. É fundamental encetar uma mudança radical na resposta à covid-19 para evitar uma nova subida de casos nos próximos meses pós-confinamento. Com recurso à ciência e olhando para os exemplos de países que têm respondido com sucesso à pandemia, desde a Dinamarca à Coreia do Sul, fica evidente que é possível fazer melhor”, defendeu.

Testar, identificar, isolar. No caso português, urge igualmente atuar onde se encontram os maiores focos de mortalidade, como é o caso dos lares. Mapear os lares, sejam legais ou ilegais, e evacua de imediato os idosos residentes nos lares que não têm condições adequadas”, acrescentou.

Já o Bloco sugeriu que o Governo “não quer gastar o dinheiro necessário” para minimizar os efeitos da pandemia. O líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, também criticou a ação do Governo.

Ressalvando que “o BE não é contra” o estado de emergência, Pedro Filipe Soares argumentou que “o Governo tem falhado na aplicação dos estados de emergência” e que “têm tardado” os apoios à economia, a contratação de profissionais para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a requisição de meios privados do setor da saúde.

João Oliveira, do PCP, considerou “dramática” a situação social e económica do país e a perspetiva de declaração do estado de emergência “preocupa” o partido porque a realidade a que medidas vão aplicar-se são “muito mais difíceis do que em março de 2020”. Segundo o deputado, as “medidas de apoio sociais e urgentes não dependem do estado de emergência”, mas sim que seja cumprido o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Telmo Correia, líder parlamentar do CDS, disse que o Governo “falhou” quando festejou “o milagre português”, quando não previu a segunda vaga e nas medidas para o Natal. “As opções foram do Governo”, atirou o deputado. Ainda assim, o CDS decidiu votar a favor “na esperança de que haja decisões certas” para os portugueses.

Inês Sousa Real, do PAN, anunciou o voto a favor, mas não de “ânimo leve”. Para a deputada, está na hora de “o Governo não ficar fechado na sala do Conselho de Ministros” e ouvir forças políticas, comunidade científica, mas também de “ouvir e dar resposta às carências reais na vida das pessoas”, das empresas e das organizações não governamentais.

Mariana Silva, dos Verdes, considerou que o “momento é de incerteza e preocupação” e que o estado de emergência “não é necessário”.

André Ventura, líder do Chega, acusou o Governo de não se ter sabido preparar para a segunda e terceira vaga da pandemia e Portugal de ser “dos que menos gasta no combate à pandemia”.

Ventura criticou ainda o socialismo: “Os socialistas nunca souberem sequer gerir uma crise, quanto mais uma guerra. Que Deus permita que a direita volte ao poder a Portugal para dar a resposta que o país precisa”, conclui.

João Cotrim Figueiredo, da Iniciativa Liberal, também considerou que o “Governo falhou”. O deputado disse que, após vários estados de emergência, o país tem os números descontrolados. “O decreto mostra que não se aprendeu nada e que, em vez de arrepiar caminho, o Governo ensaia uma fuga para a frente”.

Joacine Katar Moreira afirmou que a medida mais eficaz de combate à pandemia é “o aumento do salário mínima nacional para os 900 euros” por funcionar como uma “bomba de oxigénio”.

Por fim, Cristina Rodrigues afirmou que “não votar favoravelmente a renovação do estado de emergência é uma irresponsabilidade”.

Maria Campos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Criticar é do mais facil e ideias para melhorar isso foi ZERO, esperava da oposição uma oposição construtiva que apresentas se propostas para melhorar o que criticam, e não só do bota a baixo, mas ideias dá trabalho e os deputados e”donos” dos partidos não gostam é melhor ficar só na critica.

RESPONDER

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …

Taxas de suicídio no Japão aumentaram 16% na segunda vaga da pandemia

As taxas de suicídio no Japão aumentaram na segunda vaga da pandemia de covid-19, particularmente entre mulheres e crianças. Uma equipa de investigadores da Universidade de Hong Kong, na China, e do Instituto Metropolitano de Gerontologia …

Siza Vieira em isolamento após contacto com ministro das Finanças

Pedro Siza Vieira, ministro de estado e da Economia, está em isolamento profilático depois de ter contactado com o ministro das Finanças, João Leão, que testou positivo à covid-19 este sábado. O ministro da Economia, Pedro …

Rui Pinto foi votar e mostrou boletim no Twitter. Ana Gomes aceitou "com muito gosto" o voto

Este domingo, Ana Gomes agradeceu o apoio de Rui Pinto, que divulgou publicamente o seu boletim com o voto na diplomata. Assim como milhares de portugueses, também Rui Pinto decidiu exercer o seu direito de voto …