Homenagem às vítimas dos atentados na Catalunha: “O Rei de Espanha não é bem-vindo nos países catalães”

Henri Garat et JB Gurliat / Mairie de Paris

Felipe VI, rei de Espanha

A Catalunha assinala esta sexta-feira o primeiro aniversário dos atentados de Las Ramblas e de Cambrils em homenagem às 16 vítimas mortais. O rei de Espanha, Felipe VI, anunciou a sua presença e, desde logo, suscitou polémica nos países catalães.

Atentado em Barcelona

As críticas à presença do monarca espanhol vêm dos setores separatistas, mas há também apelos à despolitização do ato.

A participação de Felipe VI na cerimónia prevista para a Praça da Catalunha foi anunciada a 3 de agosto pelo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, que frisou que o primeiro aniversário dos ataques “exige de todos solidariedade e respeito pelas vítimas e seus familiares”.

Mas, numa região que atravessa um tenso processo político separatista desde outubro, o anúncio da presença do rei foi mal recebido por alguns setores.

Apesar da contestação, os diferentes partidos e entidades separatistas anunciaram uma semana antes dos atos oficiais que não vão organizar protestos contra o rei no dia do ato oficial. As tomadas de posição contra a presença do rei foram criticadas por todos os partidos políticos nacionais e por organizações da sociedade civil.

O porta-voz do Partido Popular no Congresso, Rafel Hernando, instou partidos e organizações separatistas a deixarem-se de “desvarios políticos” e “delírios independentistas” e “pensem um pouco mais nas vítimas” do terrorismo.

Julio Rodríguez, secretário-geral do Podemos na cidade de Madrid, defendeu que os atos oficiais são uma homenagem às vítimas e devem estar livres de qualquer “conotação política ou de protagonismo pessoal”: “Para falar de outras coisas há muitos dias ao longo do ano”.

“O Rei de Espanha não é bem-vindo nos países catalães”

Um suposto grupo de independentistas catalães colocou uma faixa contra a visita do rei Filipe VI a Barcelona onde participa esta sexta-feira na cerimónia em honra das vítimas dos atentados ocorridos há um ano na Catalunha.

A faixa de grandes dimensões – que já foi retirada pelas autoridades locais – era perfeitamente visível do local onde o chefe de Estado espanhol vai assistir à homenagem e dizia em inglês: “O rei espanhol não é bem-vindo às terras catalãs (países catalães)”.

A frase escrita em letras negras e vermelhas estava acompanhada de uma imagem de Filipe VI pendurado pelos pés. Até ao momento nenhuma entidade reconheceu a colocação da faixa na Praça da Catalunha, na capital da província espanhola da Catalunha.

Os atentados de Las Ramblas e de Cambrils (Tarragona), a 17 de agosto de 2017, fizeram 16 mortos, entre os quais duas portuguesas, e 120 feridos.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Primeiro-ministro da Arménia acusa militares de tentativa de golpe de Estado

O primeiro-ministro da Arménia referiu-se hoje a "tentativa de golpe de Estado" depois de o Estado Maior ter pedido o afastamento do governo num contexto de protestos por causa da derrota no último conflito com …

EUA condenam Coreia do Norte a indemnizar militares torturados em 1968

A Justiça dos Estados Unidos (EUA) condenou Pyongyang a indemnizar em 2,3 mil milhões de dólares (cerca de dois mil milhões de euros) os tripulantes de um navio da Marinha norte-americana, que foram capturados e …

Ex-gestores do Novo Banco seguem para Banco do Fomento e para CGD

Os gestores Vítor Fernandes e Jorge Freire Cardoso, que saíram do Novo Banco em divergência com a estratégia da Lone Star, vão desempenhar as funções de presidente do Banco de Fomento e de administrador na Caixa …

EUA acusado de prometer contrapartidas a Cabo Verde pela extradição de testa-de-ferro de Maduro

O antigo juiz espanhol Baltasar Garzón, que coordena a defesa de Alex Saab, detido em Cabo Verde e considerado testa-de-ferro do Presidente venezuelano Nicolás Maduro, acusou na quinta-feira os Estados Unidos (EUA) de prometerem contrapartidas …

Bispo italiano sugeriu a padre que pagasse 20 mil euros a vítima de pedofilia

O bispo católico de Como, em Itália, afirmou ter sugerido a um jovem padre suspeito de pedofilia que pagasse 20 mil euros à suposta vítima para encerrar uma investigação interna ao caso ocorrido numa residência …

Governo reforça financiamento de projetos LGBTI com 50 mil euros

O Governo vai reforçar em 50 mil euros o financiamento de projetos de organizações que atuem na defesa dos direitos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexo (LGBTI), anunciou o gabinete da secretária de …

CDS pede ao Governo "um plano de desconfinamento controlado, à inglesa"

Francisco Rodrigues dos Santos quer que o Executivo apresente um plano de desconfinamento que permita a retoma da atividade de alguns setores. Esta sexta-feira, o presidente do CDS-PP insistiu na necessidade de o Governo apresentar um …

Para os idosos que estão em lares, visitar a família sem isolamento poderá acontecer em maio

A CNIS estima que, com todos os idosos residentes em lares vacinados, maio possa ser o mês da libertação depois de mais de um ano de pandemia, confinamentos e restrições apertadas. DGS diz que orientações …

UE retalia e declara chefe da missão venezuelana "persona non grata"

A União Europeia (UE) decidiu, esta quinta-feira, declarar a chefe da missão venezuelana em Bruxelas persona non grata, respondendo ao anúncio feito por Caracas de dar 72 horas à embaixadora comunitária para abandonar o país. "Por …

Novo problema num Boeing 777 leva a aterragem de emergência na Rússia

Um Boeing 777 da companhia aérea russa Rossiya fez uma aterragem de emergência em Moscovo, esta sexta-feira, devido a um problema de motor, uma semana depois de um incidente semelhante com um aparelho do mesmo …