Regime saudita rejeita “ameaças” e promete resposta dura a retaliações

Tolga Bozoglu / EPA

A Arábia Saudita recusou que lhe venham a ser impostas sanções, depois da ameaça dos Estados Unidos de um “castigo severo”, que fez a bolsa saudita cair 7%, no âmbito do caso do desaparecimento de Jamal Khashoggi.

O regime saudita é suspeito de ter ordenado e levado a cabo a morte do jornalista Jamal Khashoggi, desaparecido após uma visita ao consulado do país em Istambul. No entanto, os sauditas rejeitam as “ameaças” políticas e económicas e garantem responder a qualquer punição “com uma ação ainda maior”.

O jornalista entrou no consulado saudita em Istambul para tratar de burocracias para o seu casamento. À porta, ficou a sua noiva que esperou onze horas e nunca o viu sair. Agentes turcos disseram sob anonimato ter gravações da tortura e assassínio de Khashoggi e o Presidente turco já desafiou Riad a apresentar provas de que o jornalista saiu do consulado.

No sábado, o presidente norte-americano, Donald Trump, admitiu que a Arábia Saudita possa estar por detrás do desaparecimento do jornalista e advertiu que, se for esse o caso, haverá um “castigo severo“.

Em resposta, Riade afirmou “rejeitar inteiramente qualquer ameaça ou tentativa de a enfraquecer, seja através de ameaças de sanções económicas, do recurso a pressão políticas ou da repetição de acusações falsas”.

Se for alvo de sanções, prosseguiu em comunicado divulgado pela agência oficial SPA, responderá “com sanções ainda maiores“, apelando que que seja tido em conta que “a economia do reino tem um papel vital e influente na economia global”. O comunicado foi divulgado depois de a bolsa de Riade ter caído 7% no primeiro dia de operações da semana.

Este domingo, França, Reino Unido e Alemanha pediram uma investigação credível ao acontecido, numa altura em que uma equipa saudita se juntou aos investigadores turcos no terreno. “Encorajamos os esforços sauditas e turcos, e esperamos que o Governo saudita dê uma resposta completa e detalhada”, lê-se no comunicado dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos três países.

É preciso uma investigação credível para estabelecer a verdade sobre o que se passou e, se for relevante, identificar os que têm responsabilidade pelo desaparecimento de Jamal Khashoggi, e assegurar que são responsabilizados.”

Enquanto isso, adianta o Público, espera-se para ver se há mais desistências de participação numa conferência de desenvolvimento promovida pela Arábia Saudita, depois de ter perdido quase todos os parceiros de media e entidades como o Banco Mundial. Os Estados Unidos vão marcar presença, já a do Reino Unido ainda está em dúvida.

Nos Estados Unidos, o Washington Post, onde Jamaç Khashoggi escrevia, lançou uma campanha para que o assunto não seja esquecido.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Boris Johnson quer transformar o Reino Unido "no melhor lugar da Terra"

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu esta segunda-feira uma economia "com muito comércio e impostos baixos" no Reino Unido depois de o país sair da União Europeia a 31 de outubro. Johnson "aspira a criar …

Duarte Lima vai ser julgado em Portugal pelo alegado homicídio de Rosalina Ribeiro

O Supremo Tribunal brasileiro determinou o trânsito em julgado da decisão de enviar para julgamento em Portugal o processo em que o ex-deputado português Duarte Lima foi acusado de homicídio da sua cliente Rosalina Ribeiro. Numa …

"Prisão não é solução". FC Barcelona reage à condenação dos independentistas catalães

O FC Barcelona criticou esta segunda-feora a decisão do Supremo Tribunal espanhol de condenar a penas de prisão efetiva os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha, apelando ao diálogo. “Do mesmo modo …

CIP muda estatutos e António Saraiva recandidata-se ao quarto mandato

Uma alteração aos estatutos que será apreciada numa assembleia geral agendada para o dia 11 de novembro poderá vir a permitir que António Saraiva, atual presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal, se recandidate …

PS adia negociações com partidos de esquerda

Os socialistas vão adiar todas as reuniões com os partidos sobre as medidas para o Orçamento do Estado. O encontro com o BE estava marcado para amanhã e foi cancelado. O mesmo acontecerá com o …

Protestos continuam em Londres. Ativistas invadem centro financeiro

Centenas de ativistas pelo clima do grupo Extinction Rebellion invadiram esta segunda-feira o centro financeiro de Londres para manifestarem repúdio por as grandes corporações financiarem os combustíveis fósseis. Muitos manifestantes, protegidos da intensa chuva com lonas …

"Tenho muitas dívidas, muito financiamento por pagar"

Isabel dos Santos explicou em entrevista à Lusa a origem dos seus investimentos, salientando serem totalmente privados, o que a levou a criar muitas dívidas. Disse ainda que os empresários têm dificuldade em trabalhar e …

Estados Unidos autorizados a aplicar taxas sobre produtos europeus

A Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou oficialmente esta segunda-feira os Estados Unidos a aplicar taxas alfandegárias sobre 7500 milhões de dólares de importações oriunda da União Europeia devido aos subsídios dados à Airbus. A OMC …

Tribunal rejeita providência cautelar requerida pela Ordem dos Enfermeiros contra ministério

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou a providência cautelar pedida pela Ordem dos Enfermeiros (OE) contra o Ministério da Saúde no processo de sindicância à OE, anunciou esta segunda-feira o Governo. Em comunicado, o …

Paraísos fiscais. Portugal transferiu 672 milhões em 2018

Os bancos a operar em Portugal transferiram 672 milhões de euros no ano passado para territórios que constavam das listas de offshores problemáticos da União Europeia. Em 2018, os bancos a operar em Portugal transferiram 672 …