Há no PS e PSD quem queira “varrer decisões ruinosas na Caixa” para debaixo do tapete

Miguel A. Lopes / Lusa

O ex-líder do PSD e ex-ministro Luís Marques Mendes

O ex-líder social-democrata Luís Marques Mendes considera que há “muito boa gente” no PS e no PSD interessada em que não se investigue o que se passou na gestão CGD, nos últimos anos, porque os dois partidos têm “responsabilidades” em actos de gestão ruinosos.

“Vai haver muito boa gente em Portugal do PS e do PSD interessado em que não se investigue nada e que não se esclareça nada, porque é evidente que há responsabilidades do chamado bloco central de interesses da gestão da Caixa, sobretudo nos anos entre 2005 e 2010″, afirmou o ex-líder social-democrata num jantar-conferência na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide até domingo.

Respondendo a uma questão colocada pelos ‘alunos’, Luís Marques Mendes recordou que a atual situação da Caixa Geral de Depósito decorre de prejuízos criados ao banco público, sobretudo por uma dezena de operações de financiamento concedidas entre 2005 e 2010.

Há 10, 12 operações que foram absolutamente ruinosas, porventura financiamentos que não deviam ter sido concedidos, financiamentos que não foram concedidos com garantias minimamente eficazes, porventura financiamentos concedidos a troco de favores políticos“.

Marques Mendes considera ainda que, se o Estado tem agora de meter dinheiro na Caixa, “ao menos que se esclareça o que aconteceu e apure responsabilidades”.

Contudo, acrescentou, apesar de, em junho, o Governo ter decidido em Conselho de Ministros a realização de uma auditoria, até agora nada foi feito e “ninguém fala da auditoria”.

Muito boa gente de 2, 3 partidos vai querer que tudo seja varrido para debaixo do tapete e acho que tudo deve ser esclarecido e escrutinado”, insistiu.

Ainda a propósito da reestruturação da CGD, o antigo presidente do PSD considerou que “no meio da trapalhada monumental” que foi a nomeação da administração da Caixa, ao nível executivo a equipa “é boa”, assinalando que “pela primeira vez não há políticos, são profissionais” e que isso é positivo.

“Não é por ter sido designada por um Governo PS que devemos criticar”, vincou.

Marques Mendes reconheceu ainda que o processo de recapitalização teve uma “parte final” que acabou por ser positiva, com o Estado a só colocar na Caixa 2,7 mil milhões de euros.

Outra coisa muito positiva, acrescentou, é que a supervisão dos grandes bancos tenha passado para o Banco Central Europeu, porque “o resultado final não teria sido o mesmo” na nomeação da nova administração.

“Somos um país demasiado pequeno em que todos se conhecem“, argumentou, considerando que em Portugal “ninguém teria tido coragem” para chumbar algum dos nomes propostos pelo Governo, ao contrário do BCE que recusou oito dos 19 propostos.

/Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. os parasitas continuam a querer viver à custa do contribuinte sem trabalhar e a chamada AT só tem olhos para quem tem trabalho honesto. Portugal nos seus melhores momentos quer políticos quer institucionais.

  2. Exmo Senhor Prof. Dr. Marques Mendes, obrigado pela postura séria emprestada a este comentário. Efectivamente a gestão da CGD nos últimos 20 anos foi liderada por politicos do dito bloco central, que permitiram na CGD roubos de lesa pátria, que a todos nos vão penalizar, sendo que penso terem estes actos contagiado e fumentado toda a banca. Senão vejamos que bancos estão com problemas e que lideres é que tiveram…
    Espero sinceramente que o pais tenha coragem para desmascarar toda esta situação.

    • Será que ainda não viu que este “Senhor” sabe o que sabe, porque também está lá metido (directa ou indirectamente)? Ele só “manda bitaites” porque ninguém o quer no “pódio” das decisões. É preciso um aldrabão para identificar aldrabões. Num exemplo (sem estar ligado a este “senhor”): Lembra-se da invasão ao Iraque e a procura (infrutífera) de armas de destruição maciça? Eles sabiam que lá estavam porque foram eles que as venderam!
      Esse “senhor” (Marques Mendes) está afazer pela vida. Já que ninguém o quer (PSD) arma-se em comentador, mas com informações (verdadeiras ou não) fornecidas pelo partido laranja. Serve para atirar ideias ao ar a ver se colam. É um senhor (juntamente com o Santana Lopes) a quem não deviam dar qualquer credibilidade e atenção.
      E todo este comentário foi em resposta à “postura séria” do “Exmo Senhor Prof. Dr. Marques Mendes”. Se há coisa que ele não é, é sério. Ele gostava era de estar lá a fazer os tais “roubos de lesa pátria”…

  3. O que o senhor LMM pretende dizer é que a CGD tal como qualquer outra empresa estatal foi mal gerida em proveito de quem o fez e neste caso esta como detentora de capital foi servindo ainda de pai natal distribuindo a massa por mais uns tantos amigos de cor politica para agradar a todos.

    • O que ele não diz é que era ele que lá queria estar a “gerir” aquilo em proveito próprio. Ele é que queria ser o “pai natal distribuindo a massa por mais uns tantos amigos de cor politica para agradar a todos”. Mas é melhor não dizer. Pode ser que tenha hipótese de vir a ser Presidente da República (à la Marcelo)… Não me parece.
      Um dia, nem para comentador da treta, o querem mais.

  4. “operações de financiamento concedidas entre 2005 e 2010” É curioso que, apesar de “indicar” que há “”muito boa gente” no PS e no PSD interessada em que não se investigue o que se passou na gestão CGD””, decidiu referir apenas (e só) um periodo de tempo do Governo Socialista. Curioso, não é?
    Este “senhor” está a ver se “dá uma de Marcelo”, ou seja, “arma-se em comentador, agrada (engana) o povo, (durante anos) diz-se independente, e candidata-se para Presidente. Só que este “sonso” não tem o carisma do Marcelo. Nem pouco mais ou menos. Ele precisa deste tempo de antena, não para se auto-promover, mas sim, para que não caia no esquecimento (algo que acontecerá eventualmente).

  5. Não há ninguém aqui que não saiba que a CGD sempre foi o “refúgio” de muita escumalha partidária. Foi sempre um albergue de “boys”, tanto do PS, como do PSD e CDS.
    É de facto uma falácia, bem reles aliäs, querer imputar responsabilidades exclusivas a tempo de gestão de um partido apenas. É uma especie de tentativa de “sacudir a água do capote” quando, todos sabemos, todos têm responsabilidades.
    O que a CGD verdadeiramente necessita é duma auditoria externa, competente, isenta e apartidária que faça luz sobre os devaneios que ali ocorreram.
    Como é óbvio, Marques Mendes fez o que era esperado, balizou temporalmente e de forma não isenta como deveria em abono da verdade, ao período de 2005/2010. No meu ponto de vista, perdeu credibilidade.
    O que vai acontecer é que vamos ser nós a “pagar o pato” uma vez mais, consequências não vão existir para os responsáveis e, a pouca vergonha vai continuar, independentemente do governo ser PS, PSD ou CDS/PP.

RESPONDER

O PSD saiu vitorioso ou derrotado das autárquicas? Depende a quem perguntar no partido

Resultado conquistado por Carlos Moedas em Lisboa está a ser visto como um autêntico balde de água fria para os possíveis adversários de Rui Rio na corrida à liderança do PSD. Uma semana antes das eleições …

Bruno Fernandes falhou grande penalidade - e Cristiano deve substituí-lo

Médio do Manchester United desperdiçou a oportunidade de dar um ponto à sua equipa, contra o Aston Villa. De repente, o ambiente em Old Trafford mudou. O Manchester United venceu três jogos e empatou um, nos …

A Islândia estava prestes a ter um parlamento de maioria feminina - até à recontagem dos votos

A recontagem dos votos das legislativas de sábado fez com que o número de mulheres passasse de 33 para 30. Mesmo assim, a Islândia mantém-se como um dos países do mundo com maior representação parlamentar …

É mesmo possível reconhecer um ditador pelas suas características faciais

Os líderes democraticamente eleitos tendem a ter rostos mais atraentes e simpáticos do que os líderes autoritários, conclui um polémico estudo. É comum as pessoas formarem juízos de valor baseados na aparência de um rosto. No …

Moedas já fala como presidente. "Temos que deixar a política da fricção e apostar na construção de soluções, de resultados"

Carlos Moedas, que se vê como um presidente inclusivo", recusa uma política de "fricção", nomeadamente na oposição ao poder nacional e promete concentrar-se nos "resultados e nas pessoas" para melhorar a vida dos lisboetas. Carlos Moedas, …

Responsabilidade é a característica mais importante para alcançar bons resultados escolares

Cerca de 300 estudantes do concelho de Sintra participaram no estudo internacional que teve como objetivo correlacionar o desempenho escolar com as competências sociais e emocionais dos mesmos. A responsabilidade é uma das características mais importantes …

CCB condenado por violar direitos laborais de técnicos de espetáculos

O Centro Cultural de Belém (CCB) foi condenado em tribunal por violação dos direitos laborais de 12 técnicos de espetáculos. Segundo o jornal Público, os juízes do Tribunal da Relação de Lisboa deram razão a 12 …

Berlinenses apoiam expropriação de grandes proprietários para conter preços da habitação

Resultados do referendo são um sinal da crescente divisão que se vive na sociedade berlinense em relação à especulação imobiliária. Agentes imobiliários interpretam o resultado como um "mau sinal" que pode levar à "paralisação imediata …

Portugal com 230 novos casos de covid-19 e uma morte. País cada vez mais próximo da zona verde da matriz de risco

Portugal registou, esta segunda-feira, 230 novos casos e uma morte na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). País está mais próximo da zona verde da …

Restauração defende manutenção do lay-off simplificado

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) defendeu hoje a continuidade do lay-off simplificado para apoio à manutenção dos postos de trabalho das atividades da restauração, similares e alojamento turístico. “Esta medida assume …