Professores ameaçam com greve às avaliações se Parlamento chumbar recuperação integral

Mário Cruz / Lusa

Se dia 16 os partidos chumbarem as apreciações parlamentares que permitem corrigir o diploma do Governo, os professores farão greve às avaliações a partir de 6 de junho.

“O que mais desejamos é não avançar para essa greve” e que todo o tempo congelado seja recuperado, ainda que faseadamente e com possibilidade de os docentes pedirem a antecipação da aposentação, sublinhou está sexta-feira Mário Nogueira.

O líder da Federação Nacional de Professores (Fenprof) assegura que esta semana quando se deslocou ao Parlamento para entregar a petição com mais de 60 mil assinaturas ficou convencido que PSD, PCP e BE mantêm a intenção de corrigir o diploma do Governo e aprovarem a recuperação integral do tempo congelado.

Na conferência de imprensa realizada a meio do secretariado nacional, Nogueira criticou a possibilidade de os docentes puderem optar pelo regime de recuperação dos dois anos, nove meses e 18 dias criado para as restantes carreiras especiais. O líder da Fenprof acusa, segundo o Jornal de Notícias, o Governo de pretender “desviar a atenção” dos professores do “roubo” de 6,5 anos e de “criar ruído” antes da discussão da apreciação parlamentar.

Além disso, insistiu, a proposta pode servir para “limpar inconstitucionalidades” previstas no diploma dos docentes, pois permitirá contornar a ultrapassagem dos professores, mais velhos, que progrediram no ano passado e só em 2022 voltariam a subir de escalão e a beneficiar da recuperação.

Assim Nogueira estima que a medida apenas possa ter algum benefício para os 10290 docentes que em 2018 passaram para o 9.º escalão. Se optarem pelo novo regime chegam ao 10° um ano mais cedo. “Mas estarão a assumir que aceitam o roubo”, frisou.

Nova medida é para escolher “modalidade de roubo”

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, considerou que a proposta de recuperação do tempo de serviço aprovada pelo Governo na quinta-feira é apenas “uma nova modalidade de roubo”.

Não há ninguém que recupere 70% do tempo congelado, ao contrário do que o Governo quer fazer passar”, disse o dirigente sindical. Os docentes, garantiu, não prescindem dos nove anos, quatro meses e dois dias que têm vindo a reclamar em sede de negociação: “Não é uma teimosia, é tempo que as pessoas cumpriram e se assim não for, toda a carreira fica comprometida”.

O Conselho de Ministros aprovou um decreto-lei que estende às carreiras especiais da função pública um mecanismo semelhante ao aprovado para os educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário, dando aos docentes a possibilidade de optarem por esta nova medida.

Questionado pela Lusa sobre as diferenças entre as duas modalidades, fonte do Ministério da Educação precisou que a solução que já está em vigor para os professores permite-lhes “recuperar os dois anos, nove meses e 18 dias, na totalidade, contabilizado depois de 1 de janeiro de 2019”.

Já a opção pelo regime agora aprovado para as carreiras verticais, nomeadamente dos militares, magistrados, GNR e oficiais de justiça, permite-lhes “recuperar os dois anos, nove meses e 18 de dias de uma forma faseada”, com “um terço desse tempo a 1 de junho de 2019, um terço a 1 de junho de 2010 e um terço a 1 de junho de 2021”, de acordo com o que entenderem “mais favorável na progressão” das carreiras.

Segundo a Fenprof, ao fazer uma destas opções, o professor está a “assumir que seis anos e meio são para apagar”. A federação sindical considera que a possibilidade dada aos professores é apenas para que escolham a forma de lhes serem “apagados” aqueles anos de serviço.

Um roubo é sempre um roubo, aconteça no âmbito de um assalto à mão armada, ou pelo método do esticão. Também neste caso o que o Governo propõe aos professores é que escolham o método de serem assaltados”, lê-se na posição emitida pela estrutura sindical e lida pelo líder sindical aos jornalistas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Supremo Tribunal espanhol reativa mandado de detenção europeu contra Puigdemont

Um juiz do Supremo Tribunal de Justiça espanhol, Pablo Llarena, aceitou o pedido do Ministério Público e reativou o mandado de detenção europeu para a extradição de Carles Puigdemont. O ex-Presidente do governo regional da Catalunha …

A partir de agora, os saldos têm mesmo que ser saldos

Já estão em vigor as alterações à lei relativa aos saldos e promoções. As novas normas definem que um produto vendido em saldo ou promoção não pode ter um preço mais alto do que o …

Marcelo Rebelo de Sousa critica "instrumentalização do medo" pelo poder

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje haver demasiados poderes com medo que o medo acabe, considerando a "instrumentalização do medo" para acorrentar os outros como um problema na ordem do dia. “Há …

CGTP ameaça Costa: “Ou dá resposta às reivindicações ou conta com contestação” nas ruas

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, defendeu a alteração das leis laborais e o aumento do salários na próxima legislatura, avisando que caso estas reivindicações não sejam atendida, o Governo terá forte contestação nas ruas. Arménio …

Das eleições resultou um "Governo instável" e Marcelo foi "o grande ganhador sem ter participado"

Para Luís Marques Mendes, o PS teve mais votos, mas tem piores condições para governar. Além disso, na opinião do comentador político, foi Marcelo quem ganhou estas eleições, por não ter havido maioria absoluta. O Partido …

"Querem que pique a bolha?" Conselheiros do Banco de Portugal compararam Montepio ao caso BES

Numa "discussão acesa" no Banco de Portugal, conselheiros da entidade de supervisão compararam a situação do Banco Montepio ao caso BES, com referências a um "esquema de Ponzi", em pirâmide, e a ideia de que …

CGD e Novo Banco vão atrás da fortuna de Paulo Maló

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco vão tentar executar o património pessoal de Paulo Maló, médico e empresário que fundou a Malo Clinic, empresa especializada em medicina dentária, escreve o Jornal …

Comandante que desviou dinheiro da Proteção Civil recebe avença do Estado

Gil Martins foi condenado de desviar mais de cem mil euros da Proteção Civil. Ainda assim, o antigo comandante recebe uma avença de mil euros brutos por mês. O ex-comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência …

New York Times divulga provas de que a Rússia bombardeou deliberadamente hospitais na Síria

O The New York Times publicou este domingo, segundo avança o próprio jornal norte-americano, provas de que a Rússia bombardeou repetidamente e deliberadamente hospitais na Síria, onde intervém em apoio do regime sírio do Presidente …

Simone Biles torna-se na ginasta mais medalhada de sempre em Mundiais

Esta foi a quarta medalha de ouro para Biles em Estugarda, depois de ter vencido a prova por equipas, o concurso geral individual e a prova de salto. A norte-americana Simone Biles tornou-se hoje a ginasta …