/

“Problema logístico” adia entrega de vacinas da Pfizer em Espanha. AstraZeneca tem “fórmula vencedora”

Abir Sultan / EPA

O início efetivo da vacinação em massa contra a covid-19 em Espanha está atrasado um dia, após a Pfizer ter adiado para terça-feira a entrega de cerca de 350 mil doses da sua vacina devido a um “problema logístico” na fábrica da Puurs, na Bélgica.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

De acordo com o jornal espanhol El País, a Pfizer informou o Ministério da Saúde que a entrega em Espanha foi adiada de segunda para terça-feira devido a um “atraso nos embarques” causado por “um problema no processo de carregamento e embarque”.

A farmacêutica esclareceu que “a situação já está resolvida”, embora “a próxima entrega das vacinas demore algumas horas e chegará a Espanha na terça-feira, 29 de dezembro, para a continuação da vacinação em todo o território nacional”, segundo o ministério.

“Parece que se trata de um incidente logístico relacionado com o controle de temperatura, que está resolvido”, disse ministro da Saúde, Salvador Illa. “A informação é que chegarão as doses que foram planeadas. As doses têm de estar amanhã de manhã em todos os pontos de entrega”.

Espanha tinha previsto enviar a partir desta segunda-feira uma média de 350 mil doses semanais para as comunidades autónomas. Nas próximas 12 semanas, Espanha receberá 4.591.275 doses da vacina da Pfizer com as quais poderá imunizar 2.295.638 pessoas, o que cobriria a primeira etapa da estratégia de vacinação contra covid-19 em Espanha.

“Começamos com uma vacina, mas estamos a aguardar a autorização de mais do que adquirimos”, disse Illa, em referência à próxima avaliação da imunização da Agência Europeia de Medicamentos da farmacêutica Moderna.

O ministro explicou que Espanha tentará receber o “máximo de doses possíveis” da vacina norte-americana. Em princípio, a Europa receberá cerca de 80 milhões de doses, das quais oito milhões corresponderiam a Espanha.

As primeiras 9.750 vacinas Pfizer e BioNTech chegaram a Espanha da Bélgica no sábado em dois contentores, as mesmas doses que foram enviadas a cada Estado-Membro da União Europeia (UE) para esta “primeira entrega simbólica”, conforme explicado este domingo pelo CEO da Pfizer Espanha, Sergio Rodríguez.

Este domingo, iniciou-se a primeira das três etapas estabelecidas na referida estratégia de vacinação, que prioriza quatro grupos populacionais: residentes e pessoal de saúde e social de saúde em residências para idosos e com deficiência; pessoal de saúde da linha de frente; outro pessoal de saúde e de saúde social e grandes dependentes não institucionalizados.

Araceli Hidalgo, de 96 anos, foi a primeira idosa a receber a vacina. “Não senti nada”, disse a residente mais velha de uma casa de repouso de Guadalajara, região no Centro de Espanha. Depois de Araceli Hidalgo, a segunda vacinada foi Mónica Tapias, a funcionária mais nova do mesmo lar de idosos.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia comprou à Pfizer/BioNTech um total de 200 milhões de doses, das quais Espanha corresponde a 10%.

Vacina da AstraZeneca é a “fórmula vencedora”

O grupo farmacêutico AstraZeneca disse ter encontrado “a fórmula vencedora” para melhorar a sua vacina covid-19 desenvolvida com a Universidade de Oxford.

Em novembro, o laboratório britânico anunciou que a sua vacina era, em média, 70% eficaz em testes clínicos, em comparação com mais de 90% para vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna, que já foram autorizadas para uso em vários países.

Os resultados do ensaio clínico provisório mostraram grandes diferenças nos dados por causa de dois protocolos diferentes: a eficácia foi de 90% para voluntários que primeiro receberam meia dose e, em seguida, uma dose completa um mês depois, mas apenas 62% para outro grupo vacinado com duas doses completas.

Os resultados foram criticados porque a injeção de meia dose foi devido a um erro e um grupo relativamente pequeno seguiu esse protocolo. Por isso, a empresa anunciou que a a sua vacina exigia “um estudo adicional”.

PUBLICIDADE

Agora, Pascal Soriot, CEO da AstraZeneca, garantiu, em entrevista ao The Sunday Times, que a vacina forneceu “100% de proteção” contra formas graves de covid-19. “Achamos que descobrimos a fórmula vencedora e como obter eficácia para que, depois de duas doses, fica lá em cima com todo mundo. Não posso dizer mais nada porque vamos publicar em algum momento”, disse.

Em relação à nova variante que surgiu no Reino Unido, Sorior disse que, “por enquanto, acreditamos que a vacina deve permanecer eficaz, mas não podemos ter a certeza, por isso vamos testar”.

A vacina da Universidade de Oxford/AstraZeneca é aguardada com grande expectativa no Reino Unido porque é relativamente barata e pode ser armazenada em frigoríficos convencionais, ao contrário da vacina Pfizer / BioNTech que deve ser armazenada a -70ºC. Isso torna mais fácil vacinar em larga escala, bem como em lares de idosos.

O Reino Unido, o primeiro país ocidental a autorizar a distribuição da vacina Pfizer/BioNTech no início de dezembro, está a contar com a segunda vacina para ganhar impulso e interromper o aumento de casos atribuídos a uma nova variante do coronavírus que surgiu no seu seu país.

O governo do Reino Unido anunciou na quarta-feira que apresentou dados completos sobre esta vacina ao regulador do Reino Unido, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA). Segundo a imprensa britânica, a MHRA deve tomar uma decisão nos próximos dias, de forma a começar a injetar a vacina a partir de 4 de janeiro.

PUBLICIDADE

O Reino Unido encomendou 100 milhões de doses da vacina da Universidade de Oxford/AstraZeneca, das quais 40 milhões devem estar disponíveis até o final de março. Ao todo, o governo do Reino Unido garantiu o acesso a mais de 350 milhões de doses até o final do ano que vem, comprando de sete fabricantes durante a fase de testes clínicos.

No total, mais de 600 mil pessoas já receberam a primeira dose da vacina Pfizer/BioNTech.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.