/

“Emergência sanitária máxima”. Coreia do Norte regista primeiro caso suspeito de covid-19

Gabriel Prehn Britto / Flickr

A Coreia do Norte declarou, este domingo, “emergência sanitária máxima” devido à pandemia de covid-19, decretando o isolamento da cidade de Kaesong, na sua fronteira com o Sul, após detetar um caso suspeito, o primeiro anunciado pelo regime.

Trata-se de um cidadão norte-coreano que se havia mudado para a Coreia do Sul há três anos e que terá regressado ao país depois de “atravessar ilegalmente”, na semana passada, a fronteira militarizada que separa os dois países, anunciou a agência estatal norte-coreana KCNA.

Este cidadão foi, entretanto, colocado em “quarentena rigorosa”, após os testes médicos realizados terem tido “resultados incertos”, segundo a agência estatal, que revela que as pessoas em contacto com esta pessoa também foram isoladas e testadas.

Após a deteção deste caso suspeito, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, presidiu a uma reunião da direção do Partido dos Trabalhadores, este sábado, na qual foi decidido “bloquear completamente” a cidade de Kaesong e colocar em isolamento os diferentes distritos da província limítrofe do sul.

Nesse encontro, Kim Jong-un decidiu, também, decretar “emergência máxima” devido à pandemia de covid-19, após o “estado de emergência contra a epidemia” na Coreia do Norte.

Na ocasião, o líder norte-coreano vincou que, “apesar das intensas medidas de combate à pandemia implementadas em todas as áreas e do encerramento rigoroso de todas as entradas durante os últimos seis meses, registou-se uma situação crítica em que o vírus agressivo poderá ter sido introduzido no país”.

Com o alerta a subir de tom, o regime deu, ainda, instruções sobre as “ações e medidas organizacionais” a serem implementadas nos vários organismos do Partido e instituições de saúde e segurança nacional, de acordo com a KCNA. Além disso, as forças militares estão a investigar os detalhes do incidente.

No início do mês, os jornais da Coreia do Norte referiam que o líder tinha apelado à cúpula do partido para se manter alerta contra o coronavírus, avisando que a complacência poderia conduzir a “riscos inimagináveis e a uma crise irrecuperável“.

Apesar do apelo, Kim Jong-un reafirmou que a Coreia do Norte não registava um único caso de covid-19, acrescentando que o país “impediu completamente a invasão do vírus maligno”, apesar da crise sanitária que se regista em todo o mundo.

A nível global, muitos especialistas já demonstraram sérias dúvidas sobre a situação da pandemia na Coreia do Norte devido à proximidade da República Popular da China e por causa das infraestruturas sanitárias precárias do país.

A Coreia do Norte encerrou as fronteiras no princípio do ano, proibiu a entrada de turistas e mobilizou os profissionais de saúde a imporem uma quarentena de 14 dias a todos os cidadãos que apresentassem sintomas da doença.

Para muitos observadores, o recente confinamento do país atingiu fortemente a economia da Coreia do Norte, seriamente afetada pelas sanções impostas pelos Estados Unidos por causa do programa nuclear.

Esta semana, o país anunciou que se vai juntar à corrida pelo desenvolvimento de uma vacina para a covid-19, uma competição global que já juntou algumas das melhores mentes médicas e que deverá custar milhares de milhões de euros.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.