Portugueses evitam restaurantes: seis em cada 10 ainda não comeram fora

Stephanie Lecocq / EPA

Desde a abertura da restauração, só 39% dos portugueses optaram por fazer refeições fora de casa. Quase metade dos inquiridos admite ter medo de contágio.

Um mês depois da reabertura da restauração, encerrada ao público durante o estado de emergência, quase 50% dos portugueses continuam a evitar fazer refeições fora de casa por medo da doença e por questões económicas, revela o último barómetro da Intercampus, publicado esta segunda-feira pelo Jornal de Negócios.

Desde que o Governo deu luz verde à reabertura da restauração, só 39% dos inquiridos optaram por fazer refeições fora de casa. A esmagadora maioria, 60%, ainda não voltou.

A percentagem de portugueses que pretende voltar em breve aos restaurantes ascende a 48%, mas mais de 41% dos inquiridos não prevê fazê-lo. O barómetro revela ainda que 10,7% não sabem ou não respondem.

Para justificar a decisão, quase metade dos inquiridos (48%) invoca o medo de contágio, enquanto 44% admitem que não pretendem comer fora por razões económicas.

Os homens são mais propensos a regressar com regularidade à restauração (56%), mas o valor desce ligeiramente junto das mulheres, para 46%. Por outro lado, os adultos com idades entre os 35 e os 54 anos estão mais preparados para voltar a este hábito, enquanto que os mais vulneráveis devido à idade (a partir dos 55 anos) estão menos disponíveis para o fazer.

Ao nível regional, metade dos inquiridos (50%) que residem no Algarve frequentaram a restauração após o desconfinamento, um valor que compara com 44% da região de Lisboa. Já na região Centro, apenas 34,7% voltaram a frequentar um restaurante.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Ser-se pessimista é fácil em tempos de crise, mas pensando bem não há grandes motivos para acreditar na retoma em massa dos turismos, restauração e afins. Primeiro, as restrições climáticas, mais ano menos ano, vão por fim às dezenas de milhar de aviões que cruzam os céus em todas as direções cheios de gente de terceira idade ou próxima dela, que são os que usufruem de reformas condignas, provenientes da época já passada do Estado Social, que vigorou na Europa e que se pensava nunca acabaria. Foi uma época de ouro os quarenta ou cinquenta anos que se seguiram ao pós-guerra, com significativos aumentos salariais todos os anos e outros direitos “inalienáveis”. Agora o trabalho é precário, os salários são baixos, as reformas também e essa geração privilegiada e inconsciente, que consumiu e poluiu como se não houvesse limites, estragou o meio ambiente, cuja fatura é agora endereçada aos mais novos, que terão de viver com muito pouco, porque os bens disponíveis serão cada vez menos. Os restaurantes vão dando lugar aos “comes e bebes” de centro comercial, aos pequenos estabelecimentos de coisas simples, baratas e repetitivas, adaptadas ao poder de compra dos mais jovens.
    Por outro lado, pensava-se que a globalização, a internet, a automação e a inteligência artificial iriam trazer mais riqueza generalizada, isto é, para todos. Pois foi e é exatamente ao contrário. A própria Microsoft anunciou que não renovará os contratos com aproximadamente 50 empresas de notícias que trabalham no portal MSN, indicando que essas posições serão substituídas por Inteligência Artificial. E isto acontece justamente hoje, 30 de junho, em que um número indeterminado de pessoas que não trabalham a tempo inteiro será dispensado.
    Finalmente as doenças provenientes ou que surgirão com o aumento da temperatura global e aquelas, como as viroses, que resultam da destruição dos habitats naturais de virus, também aí estarão para dar a sua “ajudazinha” na algo apocalíptica mudança em curso.
    Creio que a bandeira dos mais novos deve ser a de exigir que se refaça e reponha o meio ambiente onde isso ainda for possível, começando naturalmente por mudar o paradigma de consumo, o que já está a acontecer.

RESPONDER

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …

Vanessa Guillen foi espancada até à morte. Jovem soldado tinha dito à mãe que era vítima de assédio

Vanessa Guillen foi vista pela última vez a 22 de abril, pouco tempo depois de confessar à mãe que estava a ser assediada por um sargento. O principal suspeito da morte da jovem suicidou-se e …

Presidente da Câmara do Funchal envia carta a Boris Johnson a defender a Madeira

O presidente da Câmara do Funchal escreveu uma carta a Boris Johnson, na qual realça "alguns argumentos fortes" a favor da Madeira como destino de férias para os cidadãos do Reino Unido. O presidente da Câmara …

Livros pró-democracia desapareceram das bibliotecas de Hong Kong

Livros escritos por importantes ativistas da democracia de Hong Kong começaram a desaparecer das bibliotecas da cidade, avança a agência noticiosa francesa AFP, citando registos online destes espaços. Os livros pró-democracia desapareceram das prateleiras da …