“Contágio”. Ministro britânico revela que plano de vacinação foi inspirado (em parte) num filme

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock

O ministro de saúde do Reino Unido, Matt Hancock, revelou que parte da sua decisão de comprar um grande suprimento de vacinas – e antes do que muitos outros países – foi porque viu como as coisas funcionaram para Matt Damon, Kate Winslet, e Bryan Cranston no filme de 2011 “Contágio”.

Enquanto as vacinas ainda estavam em fase de desenvolvimento e teste, os Governos em todo o mundo estavam numa corrida para comprar suprimentos. No geral, os Estados Unidos e a União Europeia (UE) compraram mais – 1,2 mil milhões de doses e 1,6 mil milhões, respetivamente.

Porém, o Reino Unido e o Canadá têm a maioria per capita, com o Canadá a ter 9,6 doses por pessoa e o Reino Unido 5,5, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

Assim, o Reino Unido está entre os três principais países com o maior número de vacinas encomendadas por pessoa – e os britânicos podem agradecer ao filme de 2011 “Contágio”.

Numa entrevista à estação de rádio LBC, Matt Hancock, ministro de saúde do Reino Unido, revelou que parte da sua decisão de comprar um grande suprimento de vacinas antes do que muitos outros países foi influenciado pelo filme “Contágio”.

O filme fala sobre uma pandemia causada por um vírus zoonótico – parcialmente inspirado no surto de SARS de 2002 a 2004 – disseminado por gotículas respiratórias e objetos contaminados. Eventualmente, após charlatães venderem as suas próprias curas, os cientistas no filme são capazes de criar uma vacina para a doença.

Neste ponto, com a oferta baixa, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças fornecem as vacinas num sorteio com base na data de nascimento.

Nos primeiros dias da pandemia de covid-19, Hancock aparentemente lembrava constantemente a sua equipa sobre a lotaria de vacinas na conclusão do filme.

“Ele continuava a referir-se ao final do filme”, ​​disse um ex-assessor do departamento, em declarações ao jornal britânico Sky News. “Ele sempre esteve muito ciente desde o início, primeiro que a vacina era realmente importante, depois que, quando uma vacina fosse desenvolvida, veríamos uma luta global todo-poderosa.”

Hancock foi informado por conselheiros que deveria receber 30 milhões de doses da vacina AstraZeneca, mas acabou por optar por comprar 100 milhões de doses.

Questionado sobre se isso se devia ao que aprendeu com o filme, o ministro de saúde respondeu: “No filme, mostra-se que o momento de maior stresse em torno do programa de vacinas não é antes de ser lançado, quando há cientistas e fabricantes a trabalhar juntos em ritmo. É depois quando há uma grande discussão sobre a ordem de prioridade”.

“Portanto, não só neste país insisti que pedíssemos o suficiente para cada adulto receber as suas duas doses, mas também pedimos esse conselho clínico sobre a priorização muito cedo e divulgá-lo publicamente, acho que pela primeira vez em agosto ou setembro para que não houvesse grande discussão sobre a ordem de prioridade”, explicou.

“Não diria que o filme é minha principal fonte de conselhos sobre isso”, disse Hancock. “Mas o que posso dizer é que sabia quando a vacina era boa e sempre tive fé que seria, que a procura seria enorme e precisaríamos de estar prontos para vacinar todos os adultos do país e não me ia contentar com menos”.

Resta saber se a corrida às vacinas é o melhor método para acabar com a pandemia, embora os epidemiologistas tenham alertado repetidamente que permitir que o vírus se espalhe noutras partes do mundo enquanto os países mais ricos vacinam apenas fará com que a doença sofra mutações, prolongando ainda mais a pandemia.

“Uma pandemia global requer nada menos do que um esforço mundial para acabar com ela”, alertaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a UE, em comunicado conjunto. “Nenhum de nós estará seguro até que todos estejam seguros. O acesso global a vacinas, testes e tratamentos para todos que precisam deles, em qualquer lugar, é a única saída.”

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Ventura admite que “vitória não foi total” ao falhar objetivo de ficar em terceiro

O líder do Chega admitiu hoje que a “vitória não foi total” nas autárquicas de domingo, ao falhar o objetivo de ser a terceira força política, mas defendeu que se “fez história” em Portugal, recusando …

Liveblog Autárquicas. Carlos Moedas ganha Lisboa

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Medina assume derrota em Lisboa. "É uma indiscutível vitória de Carlos Moedas"

Fernando Medina acaba de assumir a derrota nas eleições autárquicas, felicitando Carlos Moedas pela vitória na Câmara de Lisboa. "É uma indiscutível vitória pessoal e política de Carlos Moedas", sublinha Medina. "Foi um privilégio servir esta …

Contra a "vigarice" das sondagens, "o PSD teve um excelente resultado"

O PSD conseguiu todos os objectivos a que se propôs nestas eleições autárquicas, segundo Rui Rio. O presidente do PSD considera que o partido teve "um excelente resultado" contra a "vigarice" das sondagens e "contra …

Costa: "PS continua a ser o maior partido autárquico nacional"

António Costa canta vitória nas eleições autárquicas, apesar de ainda não se conhecerem os resultados finais de Lisboa, Sintra e Loures. Para o secretário-geral socialista, não há dúvida de que o "PS continua a ser …

O "primeiro amarelo" para Costa e o "CDS superou todos os objectivos"

"O CDS superou todos os objectivos a que se propôs nestas autárquicas". É assim que Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, canta vitória, considerando que António Costa "viu o seu primeiro cartão amarelo". Na reacção …

Pegadas provam que as Américas foram povoadas milhares de anos antes do que pensávamos

Investigadores descobriram evidências da presença de humanos nas Américas: pegadas com, pelo menos, cerca de 23.000 anos. A nossa espécie começou a migrar para fora de África há cerca de 100.000 anos. Além da Antártida, as …

Jerónimo assume que CDU ficou "aquém", mas não é "determinante para a política nacional"

Jerónimo de Sousa reconhece que os resultados da CDU, nas eleições autárquicas, ficaram "aquém" dos objectivos, mas alerta que não são "determinantes para a política nacional" e rejeita a hipótese de deixar a liderança do …

Geringonça à direita... ou à esquerda? Com Moedas e Medina taco a taco, IL e Bloco entram em jogo

Freguesia a freguesia, eis como Fernando Medina e Carlos Moedas estão a disputar a eleição para a Câmara de Lisboa. As sondagens dão um empate técnico e a Iniciativa Liberal já manifestou que está disponível …

Autárquicas: PS reivindica vitória e acredita que ganha em Lisboa

O secretário-geral adjunto do PS reivindicou hoje vitória do seu partido nas eleições autárquicas, dizendo que irá vencer em número de câmaras e de freguesias, e manifestou-se confiante no quinto triunfo consecutivo em Lisboa. Esta posição …