Dois anos após Pedrógão. Casas estão quase concluídas, mas nova floresta ainda está longe

Paulo Cunha / Lusa

Dois anos após o incêndio de Pedrógão Grande que provocou 66 mortes, 90% das habitações encontram-se concluídas, mas ainda está longe o caminho para a gestão de uma nova floresta.

Segundo os dados disponibilizados pelo gabinete do secretário de Estado da Valorização do Interior, das 259 intervenções em habitações, 90% estão concluídas (233 obras finalizadas), sendo que 61 dizem respeito a novas construções e 172 a reconstruções parciais.

O Governo atribuiu em apoios e prestações sociais, por morte (inclui reembolso de despesas de funeral, subsídio por morte e de funeral), 54.834 euros, a um universo de 61 familiares das vítimas.

Foram ainda apoiadas com isenção de pagamento de contribuições 26 entidades e cinco trabalhadores independentes, e atribuídos 38.327 euros a 58 agregados familiares, por perda de bens, rendas, despesas de amortização de habitação, medicamentos, transporte e outros.

Já em relação às medidas de apoio de emergência pós-incêndio, foram apoiados, através do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, 7.643 agricultores, que registaram prejuízos até 1.053 euros, sendo que o Fundo Revita apoiou 14.980 agricultores que tiveram prejuízos entre os 1.054 euros e os 5.000 euros.

Segundo a Secretaria de Estado da valorização do Interior, estes apoios totalizaram 51,5 milhões de euros, “justificando uma taxa de execução de 100%”.

No âmbito do Plano de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020, foram recebidas 602 candidaturas, 540 das quais com parecer favorável, sendo que foram disponibilizados 15,8 milhões de euros.

Em relação à emergência florestal, foram abertos concursos no âmbito do PDR 2020 e enviados 117 pedidos de apoio para contratação, correspondendo a uma despesa pública de 15,27 milhões de euros.

No capítulo dos incentivos financeiros específicos para apoio ao restabelecimento da atividade económica e das indústrias afetadas pelos incêndios, os dados avançados apontam para 327 empresas apoiadas, sendo o valor do investimento total aprovado de 164,2 milhões de euros, dos quais 88,3 milhões de euros correspondem a despesa pública.

A Secretaria de Estado da Valorização do Interior explica ainda que, paralelamente aos apoios de emergência, o Governo tem lançado um conjunto de apoios específicos dirigidos ao Pinhal Interior.

De acordo com os dados disponibilizados, até ao momento foram lançados avisos que correspondem a 276 milhões de euros de investimento público, o que “representa mais de 550 milhões de euros do investimento total”.

No documento disponibilizado à agência Lusa, a Secretaria de Estado da Valorização do Interior adianta que o Governo, desde 2017, “tem vindo a combater as debilidades há muito identificadas”.

“Desde logo, cumprindo as recomendações das Comissões Técnicas Independentes e dos especialistas em matéria de ordenamento, prevenção, planeamento, reforço da proximidade com as populações e melhor comunicação e informação”, lê-se no documento.

Prevenção e combate aos incêndios

O Governo anunciou várias medidas para a prevenção e o combate aos incêndios, a maioria decidida no Conselho de Ministros extraordinário de 21 de outubro de 2017 e com base nas recomendações do primeiro relatório da comissão técnica independente sobre os incêndios de Pedrógão Grande.

Em relação à prevenção houve uma atenção muito redobrada” nestes dois últimos anos, disse à agência Lusa o presidente do observatório, Francisco Rego, sublinhando que, tanto a população em geral, como os poderes públicos, tiveram em conta as lições de 2017.

Francisco Rego frisou que, a nível da prevenção, “houve de facto lições aprendidas” e há melhorias, mas “há alguns elementos essenciais que não se alteraram”.

O especialista explicou que, depois dos incêndios, “muita da vegetação rebentou”, nomeadamente os eucaliptais e os pinhais, mas a gestão florestal dessas áreas e a possibilidade de reconversão para espécies “menos inflamáveis e mais interessantes do ponto de vista de prevenção dos incêndios “não avançaram com força suficiente”.

Não estamos a caminho de uma nova floresta mais diversificada e mais prevenida em relação aos incêndios. Esse é um aspeto que só funciona a médio e longo prazo, mas se não se avança desde já também não se tem respostas a médio e longo prazo”, sustentou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Jogadores do Porto irritados com fúrias de Sérgio Conceição

Os jogadores do FC Porto estão incomodados com os ataques de fúria do seu treinador, Sérgio Conceição, que em alguns casos já levaram a situações de humilhação pública. O caso mais mediático foi o de …

Prejuízos na TAP agravam-se e podem afastar Neeleman. Governo já procura novo comprador

A TAP apresentou prejuízos de cerca de 119 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, um agravamento de 29 milhões relativamente a 2018. São os resultados negativos mais elevados desde a privatização da companhia …

"Deixem as vacas em paz!" Marcado mega churrasco de protesto na Universidade de Coimbra

Continuam a chover críticas à Universidade de Coimbra depois da decisão de banir a carne de vaca das cantinas. Associações do sector da produção bovina apelam a que se "deixem as vacas em paz" e …

Parte do programa do PDR é literalmente igual ao do PSD

O programa eleitoral do PDR para as legislativas de 6 de outubro é "exactamente igual" ao programa do PSD. São parágrafos inteiros e medidas exactamente iguais, diz o Público. Os programas eleitorais do Partido Democrático Republicano, …

Cofina chega a acordo com Prisa. TVI vendida por 255 milhões de euros

A Cofina SGPS anunciou este sábado ter chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. Em comunicado enviado …

BE é feminista porque "isso é querer igualdade e segurança" (e não queima pontes)

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda assumiu sexta-feira o partido como feminista, explicando que "isso é querer igualdade e segurança" para ambos os sexos, e que é preciso "mudar as regras do jogo em …

O mistério da origem do estanho da Idade do Bronze foi finalmente resolvido

A origem do estanho usado na Idade do Bronze tem sido um dos maiores enigmas da pesquisa arqueológica. Agora, investigadores resolveram parte do quebra-cabeças. Um grupo de arqueólogs da Universidade de Heidelberg e do Centro de …

Votos postais dos portugueses no Reino Unido estão a ser devolvidos aos remetentes

Os correios britânicos estão a investigar "com urgência" a razão pela qual os envelopes com os votos postais dos portugueses residentes no país estão a ser devolvidos aos remetentes, informou hoje uma fonte oficial à …

Fuligem da poluição do ar encontrada na placenta de mulheres grávidas

Manchas de fuligem expelidas de motores de automóveis e centrais de combustíveis fósseis podem ser encontradas no lado fetal da placenta. Uma equipa liderada por cientistas da Universidade Hasselt, na Bélgica, estudou as placentas após o …

Mosquitos geneticamente modificados libertados no Brasil estão a reproduzir-se

O inesperado aconteceu: mosquitos geneticamente modificados estão a reproduzir-se no Brasil. A empresa responsável pela criação destes insetos mutantes realça que não há perigo para a saúde das pessoas. O plano para reduzir a população local …