PCP admite negociar Orçamento com PS, mas volta a rejeitar acordo de legislatura

Rodrigo Antunes / Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa

O PCP admitiu negociar o Orçamento do Estado para 2020 com o PS, mas rejeitou firmar qualquer acordo de legislatura, seja este oral ou escrito.

A posição dos comunistas, esta quarta-feira apresentada ao primeiro-ministro António Costa, está em linha com a apresentada nesta terça-feira ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa: PCP vai negociar medida a medida, rejeitando assinar um acordo, tal como aconteceu há quatro anos.

O PCP fez saber que “estão reunidas todas as condições para que PS possa formar o Governo e iniciar a governação” e que o partido “revelou disponibilidade para fazermos avaliação e apreciação conjunta de matérias que exijam intervenção parlamentar”, caso dos Orçamentos do Estado, disse António Costa à saída do encontro, que durou cerca de uma hora e meia.

Segundo António Costa, haverá uma “apreciação conjunta de matérias que exijam intervenção parlamentar” e essa “disponibilidade para fazer a apreciação conjunta desde o Orçamento do Estado e de outras medidas”. “Seguramente vai haver trabalho conjunto com o PCP, já para o Orçamento de Estado” do próximo ano, assegurou ainda.

Costa disse ainda que o facto de não haver papel com PCP não põe em causa um eventual acordo com Bloco. “Há quatro anos os acordos eram todos diferentes (…) Cada partido coloca a forma que entende”, recordou.

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, assegurou, por sua vez, que o apoio do PCP depende das “opções do PS”. “A estabilidade de um Governo depende sempre das políticas que executa” e o PS conhece o programa do PCP, que assenta numa “política patriótica e de esquerda”.

PEV disponível para negociações prévias

Antes do PCP, António Costa reuniu-se com o partido Os Verdes. À saída do encontro, o primeiro-ministro destacou a disponibilidade do PEV para proceder a apreciações prévias conjuntas em matérias como orçamentos ou moções de censura, embora afastem a assinatura de um documento conjunto de legislatura, como em 2015.

“Desde já ficou indiciada aqui a ideia de mantermos à prática de proceder a apreciações conjuntas prévias em propostas de Orçamento, eventuais moções de censura ou de rejeição de programas de Governo. Isto, além do trabalho que se possa desenvolver em conjunto sobre matérias em que existam possibilidades de convergências”, afirmou o secretário-geral do PS, tendo ao seu lado o deputado do PEV José Luís Ferreira.

De acordo com o líder do PS, o PEV definiu um conjunto de prioridades que correspondem também a prioridades do PS, embora possam não ser necessariamente as mesmas medidas”. “Mas isso é o trabalho que temos de fazer no dia-a-dia”, insistiu António Costa.

Perante os jornalistas, o secretário-geral do PS procurou desdramatizar o facto de o PEV, ao contrário de 2015, não pretender agora repetir a assinatura de uma declaração conjunta com o PS, com orientações políticas para toda a legislatura.

O líder socialista preferiu antes salientar um ponto de consenso: “Registei que o PEV, tal como o PS, faz uma avaliação globalmente positiva daquilo que foi a colaboração conjunta na legislatura anterior”. “Nesta reunião, foram identificados pontos que o PEV considera que seriam importantes para dar expressão e continuidade na próxima legislatura”.

António Costa está agora reunido com o Bloco de Esquerda. No encontro desta terça-feira com Marcelo, recorde-se, os bloquistas mostraram-se disponíveis para firmar um acordo ou para avaliar medida a medida, deixando todos os cenários em aberto.

Catarina Martins explicou, contudo, que preferia firmar um acordo escrito, alegando que o documento ajudará a levar a cabo uma governação estável.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais cinco mortes e 899 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta sexta-feira, mais cinco mortes e 899 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quinta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

Governo de Bolsonaro bate recorde de aprovação durante a pandemia

A aprovação do Governo brasileiro, presidido por Jair Bolsonaro, subiu para 40%, a maior percentagem desde o início do seu mandato, iniciado em janeiro de 2019, segundo uma sondagem do Instituto Ibope divulgada na quinta-feira. A …

Número de casos baixa nos EUA. Na Bélgica, deixa de ser obrigatório usar máscara na rua

A pandemia tem assolado toda a população mundial, mas há países que têm sofrido mais com o aumento de número de infetados e com mortes. Apesar de serem um dos países mais afetados, os EUA …

Seis enfermeiros infetados e cirurgias canceladas no hospital de Beja

O hospital de Beja detetou esta quinta-feira seis enfermeiros do bloco operatório infetados com Covid-19 e cancelou algumas cirurgias programadas por questões de segurança, disse à agência Lusa a presidente da Unidade Local de Saúde …

Reformas na função pública subiram para 43% (e um quinto são professores)

Mais de 6.500 trabalhadores das administrações públicas aposentaram-se na primeira metade deste ano, o que representa um crescimento de 43% face ao mesmo período de 2019. A maioria das saídas deriva de áreas como a …

“Arma de diagnóstico”. Teste que distingue covid-19 de outras infeções respiratórias chega a Portugal

A Unilabs vai disponibilizar um teste que permite “diferenciar o novo coronavírus de outros tipos de infeções respiratórias sazonais”, auxiliando os clínicos a realizarem diagnósticos mais precisos. “A ideia era tentarmos ter uma ferramenta de diagnóstico …

Jovem de 23 anos morre baleada em ação da PSP. Polícias vão alegar legítima defesa

Uma jovem de 23 anos morreu, na madrugada de quinta-feira, na sequência de ferimentos causados por uma arma de fogo, após uma intervenção policial em São João da Madeira. A mulher, de 23 anos, morreu na …

PS recua nas petições e propõe 7.500 assinaturas para ultrapassar veto de Marcelo

O PS vai avançar com uma proposta de alteração que coloca nos 7.500 o número de assinaturas necessário para que uma petição seja discutida na Assembleia da República.  O objetivo do PS é contornar o veto …

Rui Rangel endividava-se, teve execuções fiscais e contas penhoradas

Rui Rangel teve vários processos de execução fiscal por falta de pagamentos de impostos e até contas penhoradas. Era o seu alegado testa-de-ferro que o ajudava a regularizar os pagamentos. Era comum o ex-juiz Rui Rangel …

Todos os dias, 500 famílias pedem à EDP para pagarem a luz em prestações

Desde o início da pandemia até ao fim de agosto, 500 famílias pediram diariamente ajuda à EDP para pagarem a fatura da luz em prestações. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia …