PCP rejeita acordo de legislatura, Bloco deixa tudo em aberto

Miguel A. Lopes / Lusa

A “geringonça” tal como a conhecemos pode não repetir na próxima legislatura: após a reunião com o Chefe de Estado, o PCP disse não estar disposto a fazer uma acordo, seja este verbal ou escrito.

Posição diferente apresentou o Bloco de Esquerda, que se mostrou disponível para firmar um acordo escrito com o PS – que até prefere – ou aprovar lei a lei, deixando assim todos os cenários em aberto. Os bloquistas admitem mesmo avançar para um acordo sem o PCP.

A coordenadora do Bloco repetiu o que disse na noite de domingo: está disposta para fazer um acordo para a legislatura, como para negociar lei a lei, orçamento a orçamento, recordando, contudo que a segunda opção é a que menos garante a estabilidade.

“Cá estaremos para negociar soluções que possam ser soluções de programa de Governo, portanto com o horizonte de legislatura, mas para isso é preciso que haja vontade de ambas as partes. O Bloco já afirmou a sua disponibilidade para essa negociação, naturalmente o PS tem legitimidade para, como Governo minoritário, negociar orçamento a orçamento, caso a caso”, afirmou Catarina Martins.

Segundo Catarina Martins, nos últimos quatro anos existiu “uma solução de estabilidade porque, antes ainda de ser apresentado o Programa do Governo no parlamento, esse Programa do Governo incluiu as medidas negociadas com os outros partidos”.

“Ou seja, o Programa do Governo nos últimos quatro anos não foi igual, como sabem, ao programa do PS. Foi um Programa do Governo que foi logo ao parlamento com os contributos dados por outras forças políticas, nomeadamente o BE, o PCP, e por isso mesmo houve um acordo com esse horizonte de legislatura”, salientou.

Mesmo sem o PCP, Catarina Martins admitiu avançar para um acordo com os socialistas. “Nós sempre prezamos muito a convergência com o PCP, mas somos partidos autónomos e faremos o caminho que entendermos necessário fazer”, esclareceu.

PCP não quer acordo. Vai negociar “caso a caso”

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira à tarde que o PCP não esta disponível para fazer qualquer acordo para a legislatura com o PS. Os comunistas vão negociar “caso a caso”, medida a medida.

Para o PCP é “claro e óbvio” que dos resultados das eleições resulta a indigitação do secretário-geral do PS, António Costa, como primeiro-ministro, e “não há necessidade de outro posicionamento ou de qualquer papel, não tem sentido, tendo em conta esta realidade e esta posição do próprio Presidente da República”, defendeu.

O secretário-geral do PCP realçou que “o senhor Presidente da República atual não fez nenhuma exigência idêntica” à do seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, que em 2015, para dar posse ao Governo do PS, “exigiu de uma forma persistente algumas medidas básicas que acabariam por ser contidas nesse documento”.

Questionado se a falta de um acordo escrito com o PS não trará instabilidade, Jerónimo de Sousa respondeu: “Não. Creio que não foi esse papel que determinou o desenvolvimento dos processos legislativos, das alterações que se verificaram, designadamente no exame comum das propostas de Orçamento do Estado, em que houve, de facto, convergência em relação a direitos importantes que foram concretizados”.

Na reunião de amanhã com o PS, o PCP vai “reafirmar a sua independência, embora esteja disponível para ser força construtora de avanços, mas sem abdicar da sua posição própria”. Questionado sobre se está disponível para um acordo verbal, Jerónimo de Sousa frisou que não, dando conta que o PCP negociará medida a medida.

Cristas não revela se continua como deputada

Ainda antes do Bloco e do PCP, foi a vez do CDS ser ouvido pelo Presidente da República. Na saída deste encontro, a ainda líder dos centristas, Assunção Cristas, considerou que é natural o PS formar Governo e prometeu que o seu partido será “uma oposição construtiva”, sem esclarecer se irá assumir o mandato de deputada.

“Exprimimos ao senhor Presidente da República aquilo que tem sido sempre a posição do CDS e o compromisso com quem confiou o voto no CDS, que é sermos uma oposição a um Governo socialista que naturalmente sairá destas eleições, em consonância com o resultado eleitoral”, declarou aos jornalistas em Belém.

Questionada se o CDS-PP se opõe a que o secretário-geral do PS, António Costa, seja indigitado primeiro-ministro, Assunção Cristas respondeu: “Com certeza que não, é líder do partido mais votado. Tive a oportunidade de o felicitar pelo resultado das eleições”. “Faremos aquilo que temos feito, uma oposição sempre construtiva, sempre representando aqueles que confiaram em nós”, prometeu.

Em seguida, interrogada se irá assumir o seu lugar de deputada, a líder cessante do CDS-PP escusou-se a responder a mais perguntas e dirigiu-se para a saída do Palácio de Belém, sem esclarecer se o seu futuro passará pelo parlamento.

A delegação do CDS-PP incluía, além de Assunção Cristas, os dirigentes democratas-cristãos Cecília Meireles, Nuno Melo, Nuno Magalhães e Telmo Correia, e esteve reunida com o chefe de Estado durante cerca de uma hora.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se o PCP aceitasse acordos de legislatura é que eu me admirava o PCP é do quanto pior o País estiver melhor para ele, ainda não me esqueci de 1974/75 se os militares em não se tivessem oposto Portugal iria ficar em maus lençóis, o PCP parou no tempo ainda pensa que é ele o único partido democrático.

RESPONDER

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …