Parlamento Europeu ameaça travar eleição de Ursula von der Leyen

Dirk Vorderstraße / Flickr

A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula Von Der Leyen

A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula Von der Leyen, é a aposta dos líderes europeus para suceder a Jean-Claude Juncker no executivo comunitário. Essa decisão, contudo, não agrada a todos os membros do Parlamento Europeu (PE).

Segundo noticiou o Público na terça-feira, numa reviravolta engendrada pela chanceler alemã Angela Merkel para desbloquear o processo negocial para a distribuição dos cargos de topo das instituições comunitárias, os 28 chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) aceitaram fazer tábua rasa das posições defendidas até aqui e não considerar os cabeças de lista que se apresentaram nas eleições europeias.

Do Parlamento Europeu (PE), que terá agora de votar a nomeação de Ursula Von der Leyen, surgiram imediatamente críticas à solução. “Espero que o Conselho não tenha subavaliado a importância do PE e a sua capacidade de decisão”, afirmou o primeiro-ministro, António Costa, que votou a favor do compromisso.

Já o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, cuja condução das negociações foi muito criticada pelos líderes, afirmou: “Não sou profeta e não me compete a mim avaliar as reais hipóteses de sucesso [deste acordo] no Parlamento. Penso que os primeiros-ministros farão tudo para convencer os colegas no PE a aprovar a solução”.

Muitos eurodeputados, com os socialistas do alemão SPD à cabeça, insurgiram-se contra o acordo, por este desrespeitar o sistema de escolha de um dos Spitzenkandidaten. Esta oposição levou a que a Alemanha tivesse sido o único país a se abster na votação do Conselho, visto que, de acordo com o Público, Angela Merkel não podia endossar uma proposta que não tem o apoio do outro partido da coligação.

“Foi muito claro no Conselho que o sistema dos Spitzenkandidaten não era uma obrigação legal que tivesse de ser cumprida. Mesmo assim, penso que o resultado final é uma demonstração que os lideres quiseram respeitar tanto os cabeças de lista como o próprio mecanismo”, justificou Donald Tusk.

O impasse que se prolongou por três dias de cimeira extraordinária em Bruxelas foi vencido com base na proposta desenhada pela líder alemã para vencer a minoria de bloqueio constituída pelos países do grupo de Visegrado e alguns líderes conservadores do PPE (Croácia, Irlanda, Letónia e Roménia).

Estes tinham se juntado numa frente comum de bloqueio ao chamado “acordo de Osaca”, que esteve em cima da mesa e acabou por ser retirado da discussão por Donald Tusk, ao fim de 18 horas de negociação inconclusiva.

A chanceler prescindiu da nomeação de um dos Spitzenkandidaten para a presidência da Comissão Europeia e assim conseguiu manter o executivo comunitário nas mãos do PPE. Depois de muito se ter dito sobre uma eventual transferência de poder do centro-direita para o centro-esquerda, Angela Merkel ultrapassou a concorrência socialista e assegurou que a sua família política continuará a dominar o xadrez comunitário, lê-se no artigo.

O compromisso ocorreu porque a moeda de troca nas negociações exigida pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, lhe foi garantida: a francesa Christine Lagarde, atual directora do Fundo Monetário Internacional (FMI), será a próxima presidente do Banco Central Europeu (BCE) e responsável pela política monetária da União Europeia (UE).

Os líderes tinham dito que a indicação do sucessor de Mario Draghi não faria parte deste pacote global de nomeações, uma vez que a seleção do presidente do BCE assenta em critérios mais técnicos do que políticos.

No entanto, para garantir o apoio da França, e também para que os líderes pudessem cumprir a sua promessa de promoção da igualdade de género, Christine Lagarde foi incluída na solução de compromisso: pela primeira vez na história, haverá duas mulheres à frente de instituições comunitárias.

Os liberais, que ao lado dos socialistas viram no resultado das eleições europeias uma oportunidade de ouro para quebrar o domínio do PPE, podem festejar a indicação de Charles Michel para a presidência do Conselho Europeu. O primeiro-ministro belga comprometeu-se a “respeitar a diversidade nacional” e a fazer valer “os princípios de solidariedade, liberdade e respeito mútuo” em que assenta a UE.

Os socialistas ficaram com os mesmos cargos atribuídos em 2014: a presidência do PE e o Alto Representante da União Europeia para a Segurança e Política Externa. O ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, Josep Borrell, foi o homem escolhido para o cargo.

Quanto ao nome para o PE, terá agora de ser indicado pelo grupo dos Socialistas & Democratas, no pressuposto de que obterá os votos necessários das outras bancadas para alcançar a maioria necessária para ser eleito.

“Não foi o melhor resultado”, considerou António Costa

Depois de quase terem conseguido concretizar a sua ambição de voltar à liderança do executivo comunitário, com a nomeação do holandês Frans Timmermans, o desfecho não pode ser apresentado como uma vitória para os socialistas, continuou o Público.

António Costa reconheceu que este “não foi o melhor resultado”, mas destacou a atitude construtiva e responsável dos socialistas que, confrontados com o bloqueio dos “países do PPE que são perigosamente permeáveis às pressões e ao canto de sereia do senhor Salvini e da sua base territorial nos países de Visegrado”, privilegiaram o compromisso que evita a paralisia institucional e “permite à Europa seguir em frente”.

Frans Timmermans cumprirá um segundo mandato como primeiro vice-presidente da Comissão Europeia. A dinamarquesa Margrethe Vestager deixará a pasta da Concorrência e será promovida a vice-presidente.

Já o cabeça de lista do PPE, Manfred Weber, pode ser eleito presidente do PE na segunda metade da legislatura. O eurodeputado alemão, que foi reeleito líder da bancada dos democratas-cristãos no PE, anunciou o fim da sua jornada como Spitzenkandidat.

Como indicou o Público, os países do grupo de Visegrado e os membros do PPE que ensaiaram uma revolta contra Angela Merkel para travar a nomeação de Frans Timmermans para a Comissão saíram vencedores no braço de ferro que mantiveram com a chanceler alemã e com Emmanuel Macron.

Conseguiram arrasar com o chamado “acordo de Osaca”, que punha fim ao domínio do centro-direita no executivo comunitário, e ainda recolheram louros por fazer aprovar o plano B que elevou Ursula Von der Leyen à presidência da Comissão.

Através do porta-voz, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, reclamou a autoria dessa solução. “Na sua unidade, o grupo de Visegrado demonstrou mais uma vez a sua crescente força e influência sobre a direção da UE. Depois de derrotarem Weber, os quatro países eliminaram Timmermans e puseram em cima da mesa um pacote para a eleição de Ursula Von der Leyen que pode ser aceite por todos”, escreveu Zoltan Kovacs no Twitter.

Algo que António Costa desmentiu: “Manifestamente não é verdade“.

TP, ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. “pela primeira vez na história, haverá duas mulheres à frente de instituições comunitárias”…

    As senhoras ainda não foram eleitas, foram apenas nomeadas. Em vez de “haverá” é mais correcto dizer-se que “poderá vir a haver”. Eu pessoalmente acho aberrante não respeitarem o Spitzenkandidaten, sendo ou não obrigação legal. Já se percebeu que há muita coisa que não é obrigação legal porque pode dar jeito aos interesses corporativos e financeiros que querem controlar a UE. Mas isso é mais um passo no sentido de um défice democrático, de que a UE tem sido acusada de forma não totalmente injustificada. De facto, se é verdade que o Parlamento Europeu é eleito pelos cidadãos, já o Conselho e o Eurogrupo apesar de terem membros democraticamente eleitos, os seus chefes não são eleitos pelo povo. A Comissão Europeia, essa é totalmente “não eleita” pelo povo. É de referir contudo que a CE apenas pode propor legislação mas não é ela que a aprova nem que redige a legislação no pormenor. Apenas propõe linhas orientadoras… Mas sabe-se que na prática tem bastante influência e actualmente está muito controlada por lobbies económicos e financeiros trans-nacionais.

    “Mesmo assim, penso que o resultado final é uma demonstração que os líderes quiseram respeitar tanto os cabeças de lista como o próprio mecanismo”, justificou Donald Tusk.

    Quer dizer, fazem tábua rasa do Frans Timmermans (Socialista) ter sido o mais votado, metem lá outra pessoa que por “acaso” é Democrata Cristã (tudo a ver) e dizem que respeitaram os cabeças de lista e o Spitzenkandidaten??? Bem, afinal o bêbedo não era o Junckers!.. Que nexo tem proporem uma ministra nódoa, que só fez asneiras no próprio país e rodeada de polémicas? Não é evidente que foi pra fazer a vontade à Merkel? E depois metem Christine Lagarde para fazer o gostinho ao Macron. Com isto satisfazem as feministas da moda, e ficam os interesses todos satisfeitos. Marimba-se na democracia, no Spitzenkandidaten e no Acordo de Osaka, e depois não querem que se fale no défice democrático da UE.

    Vem o Costa dizer que privilegiaram o compromisso que evita a paralisia institucional e “permite à Europa seguir em frente”. Só se for seguir em frente para o abismo. Então numa altura em que importa abafar o crescimento dos populismos extremistas, vamos fazer a vontade aos paises Visegrado e a Salvini para lhes darmos mais força??? No meio disto tudo, a besta fascizoide do Orbán da Hungria ainda vem cantar de galo que foi ele o autor da proeza. Eu só digo: se o Parlamento Europeu não chumbar esta farsa… Quem vira as costas à UE sou eu. O mundo é grande e há muito para onde ir… Quando não estamos contentes com uma coisa, não adianta ficar a protestar. É partir pra outra.

    • O Timmermans não deveria ser eleito. Desde logo porque o seu grupo parlamentar não ganhou as eleições. Não é o partido mais votado logo seria aberrante ser o escolhido. Ah… espere… já percebi… o Costa queria fazer na Europa o que fez por cá… Ahhh, agora percebi. Mas os Europeus não são burros.

      • Se os Europeus não são burros, então o Sr. não deve ser Europeu. O que acaba de dizer não prima pelo brilhantismo intelectual. Repare que afirma que o seu grupo parlamentar não ganhou as eleições, mas é o próprio Parlamento Europeu (PE) que acaba de rejeitar um candidato do PPE para eleger um Socialista para Presidente do PE: David Sassoli.

        E esta hém? Não há vaselina que chegue?

  2. Essa gente nunca ouviu falar em democracia. E ganharem o cargo em eleicoes democráticas tal como acontece nos Estados Unidos?

    • Hahahaaaaa…. muito bom!
      Tens jeito para o sarcasmo!…
      “American elections ranked worst among Western democracies. Here’s why.”
      theconversation.com/american-elections-ranked-worst-among-western-democracies-heres-why-56485

      • Como sempre, falamos em alhos voce fala em bugalhos. O que eu falei foi de nos Estados Unidos haver um sistema muito mais democrático do que o sistema tecnocratico não democrático da UE. O que voce me trouxe é um artigo a dizer que há problemas burocráticos na hora de ir votar. Tambem lhe podia dizer que em Portugal há problemas burocraticos na hora de tirar o cartão do cidadão.
        Voce é a prova do quão mau é o sistema de ensino publico é incapaz de interpretar texto

RESPONDER

China encontra traços do coronavírus em asas de frango importadas do Brasil

Traços do novo coronavírus foram encontrados em asas de frango importadas do Brasil, na cidade de Shenzhen, no sul da China, noticiou, esta quinta-feira, um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). Os traços foram detetados …

Denúncia de Rui Pinto leva a congelamento de conta bancária da Doyen

Oito milhões de euros que estavam numa conta bancária do fundo de investimento Doyen foram congelados pelas autoridades portuguesas. Uma denúncia do whistleblower português Rui Pinto levou o fundo a ser investigado por suspeitas de fraude …

Preocupado com a Bielorrúsia, Macron ligou a Putin (e aproveitaram para falar da vacina russa)

O Presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou esta quarta-feira ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, "uma preocupação muito grande" quanto à situação na Bielorrússia após a reeleição do chefe de Estado autoritário bielorrusso, Alexander Lukashenko. Segundo indicou …

Obras do Hospital Militar de Belém custaram mais do triplo do valor estimado

As obras no Hospital Militar de Belém, em Lisboa, custaram mais do valor inicialmente estimado, avançou o Diário de Notícias esta quarta-feira. De acordo com o jornal, estava inicialmente previsto que a reabilitação de três …

Autópsia a Valentina revela descolamento do crânio

A autópsia a Valentina, a menina de 9 anos encontrada morta na serra D’el Rei, em Peniche, distrito de Leiria, em meados de maio, revela descolamento do crânio, avança esta quinta-feira o Correio da Manhã. …

Rio pede "coerência" na lotação do Avante e faz comparação com estádios

O líder do PSD pronunciou-se sobre a lotação da festa do Avante, lembrando que, se for reduzida para metade, isso é o mesmo que os estádios do FC Porto ou do Sporting estarem cheios. Na sua …

Juiz Carlos Alexandre desiste de queixa contra Rui Pinto

A proposta do Ministério Público (MP) para que o pirata informático não continuasse a ser investigado dependia da autorização do "super-juiz", avança o Correio da Manhã. De acordo com o Correio da Manhã, o juiz Carlos …

Surto na Nova Zelândia faz 17 novas infeções (e não se sabe de onde veio)

Após 102 dias sem casos de covid-19, a Nova Zelândia registou um novo surto na sua maior cidade, Auckland. O número de infeções subiu para 17, mas não se sabe de onde veio. De acordo com …

Ameaças de morte a deputadas. Bloco vai fazer queixa ao Ministério Público

O Bloco de Esquerda vai apresentar duas queixas ao Ministério Público, uma por cada deputada ameaçada no e-mail enviado à SOS Racismo. A Polícia Judiciária está a investigar um e-mail enviado a um grupo de dez …

Siza Vieira garante que subida do salário mínimo não foi discutida à Esquerda

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, garantiu, em entrevista ao Observador, que uma eventual subida do Salário Mínimo Nacional (SMN) não foi discutida com os partidos de Esquerda. "O …