Olimpíadas de Tóquio serão canceladas caso não se realizem em 2021

Kimimasa Mayama / EPA

Tóquio 2020, medalhas dos Jogos Olímpicos no Japão

Os Jogos Olímpicos de Tóquio serão cancelados caso não possam ser realizados no próximo verão por causa da pandemia de coronavírus, disse o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach.

Em declarações à BBC na quinta-feira, citadas pelo Washington Post, Bach disse que o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que 2021 é “a última opção”. “Eu entendo, não se pode empregar para sempre três mil ou cinco mil pessoas num comité organizador”, indicou o presidente do COI.

“Não se pode mudar todos os anos o calendário desportivo mundial de todas as principais federações. Não se pode manter os atletas na incerteza”, referiu, acrescentando: “Eu entendo a abordagem dos nossos parceiros japoneses”.

Em abril, o primeiro-ministro japonês referiu que seria “difícil” realizar os Jogos em julho e agosto do próximo ano caso o vírus não seja contido até lá, sublinhando a vontade de organizar o evento “de forma completa”, ou seja, com os espetadores.

Contudo, vários especialistas, incluindo o chefe da Associação Médica do Japão, acreditam que será difícil, a menos que vacinas eficazes contra a covid-19 fiquem disponíveis.

O presidente do comité organizador japonês, Yoshiro Mori, disse ao Nikkan Sports no final do mês passado que os Jogos teriam que ser cancelados se a pandemia não estiver sob controle no próximo verão, expressando preocupação sobre a decisão de Abe de optar por um adiamento de um ano ao invés de um adiamento de dois anos.

Ao Asahi Shimbun, o responsável indicou que o primeiro-ministro japonês insistiu num atraso de um ano e previu que uma vacina estaria disponível até então. O mandato de três anos de Abe como presidente do Partido Democrata Liberal no poder termina em setembro de 2021 e o próximo ano pode ser a sua última hipótese de presidir os Jogos.

Bach, contudo, recusou-se a afirmar se uma vacina era essencial para os Jogos avançarem. “Sobre essa questão, contamos com os conselhos da Organização Mundial da Saúde”, disse. “Estabelecemos um princípio: organizar os Jogos num ambiente seguro para todos os participantes. Ninguém sabe como estará o mundo dentro de um ano, em dois meses”.

“Portanto, temos que confiar nos especialistas e, depois, tomar a decisão apropriada no momento apropriado, com base nesse conselho”, frisou, não descartando a opção de realizar os Jogos num ambiente controlado. “Temos que estar preparados para diferentes cenários. Existe o compromisso de realizar os Jogos em julho do próximo ano”, sublinhou.

Mas acrescentou: “Ao mesmo tempo, olhando para os cenários, esses podem exigir medidas de segurança, que podem passar pela quarentena dos atletas, ou parte dos atletas, e de outros participantes”.

Questionado se isso pode significar impedir a entrada de espetadores, Bach respondeu: “Não é isso que queremos. Como o espírito olímpico também envolve a união dos fãs, é isso que torna os Jogos tão únicos, que eles estejam num Estádio Olímpico”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …