Menos Estado, mais privado. PSD preocupado com o OE, Bloco pede alterações qualitativas

Mário Cruz / Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio

O primeiro-ministro assumiu que “era óptimo” conseguir “um acordo de estabilidade para a legislatura” com o Bloco de Esquerda. Uma possibilidade que é uma “preocupação” acrescida para o PSD que não ficou agradado com as linhas gerais do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021).

O Governo iniciou, nesta terça-feira, a apresentação das linhas gerais do OE2021 aos partidos da oposição. O PSD foi o primeiro a reunir-se com o ministro das Finanças, João Leão, e à saída do encontro deu sinais de “preocupação”.

Após a reunião no Parlamento, o vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, Afonso Oliveira, admitiu um “cenário difícil” e desafiou o Governo a estar “à altura das responsabilidades” para responder aos problemas das empresas e não dar prioridade apenas ao sector público.

O deputado vincou a “preocupação” com o facto de o OE2021 ter um foco “muito mais forte” no “investimento público” e no “sector público” e “menos no sector privado”, ao contrário do que defende o líder do PSD, Rui Rio.

Afonso Oliveira disse esperar que as medidas do OE2021 respondam “às empresas” para que “funcionem neste quadro económico muito difícil” de crise provocada pela pandemia de covid-19.

Assim, os sociais-democratas contam que “essa preocupação com a economia”, com “as empresas, o emprego e trabalhadores” também esteja na mente do Governo e tenha tradução no documento que será entregue no dia 12 de Outubro na Assembleia da República, apontou ainda o deputado.

“Todos os portugueses” devem saber que “o que vem” com o OE2021 “é um cenário difícil e não é expectável que haja números” que “sejam agradáveis” em relação à evolução da economia portuguesa ou do défice, destacou Afonso Oliveira.

“O que estamos à espera, perante esses números negativos, é que as medidas do Orçamento do Estado respondam a esse tipo de necessidades”, desafiou o deputado que se referiu ainda “preocupado” com o facto de não se saber “se já está fechado o acordo com o Bloco de Esquerda e o PCP” que permitiria aprovar o Orçamento.

Esse é um dado de “preocupação” acrescida na óptica de Afonso Oliveira.

Bloco espera “alterações qualitativas”

Numa altura em que o OE2021 não tem ainda aprovação garantida, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares avisou na sexta-feira os parceiros de negociação à esquerda que os avanços já registados nas conversações – em matérias como saúde, direitos laborais e políticas de rendimentos – têm como pressuposto a viabilização da proposta orçamental do Governo.

António Costa sublinhou, nesta terça-feira, durante a cerimónia do centenário de Amália Rodrigues no Panteão Nacional que “um acordo de estabilidade para a legislatura era óptimo”.

Manifestando confiança de que será possível alcançar uma “boa solução” para resolver o que é “prioritário” para o país, o primeiro-ministro notou que “a forma [desse acordo] não é o essencial”.

“Se houver um acordo para o Orçamento seria bom”, destacou ainda aos jornalistas, apontando que seria fundamental para “olhar para o ano de 2021 com confiança” e para “responder a esta crise económica e social que precisa de um bom Orçamento”.

O Bloco de Esquerda já veio pedir “alterações qualitativas” ao Governo para firmar esse acordo, salientando que “as pressões que existiam em torno da questão do défice não existem neste momento”, conforme declarações divulgadas pelo Expresso.

O Governo e os bloquistas têm, nesta terça-feira, mais uma reunião de trabalho com vista a alcançar esse potencial acordo para o OE2021. Temas como as leis laborais, os apoios sociais, o investimento nos serviços públicos e o fim do financiamento ao Novo Banco são as principais exigências do BE.

A votação na generalidade do OE2021 está marcada para 28 de Outubro e a votação final global para 27 de Novembro.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Um mau governo é sempre pior que outra solução, seja ela de salvação nacional com maiorias caso a caso, de iniciativa presidencial, ou ainda de gestão com eleições à vista. Não estou convencido que o BE seja capaz de inviabilizar este orçamento, goste dele ou não, porque isso ditaria o fim apressado da representação parlamentar que tem e que muito provávelmente não voltará a ter. Assim, o que tiver de ser será porque a democracia fez-se para isso mesmo, o pré-drama que está a ser criado deve-se exclusivamente a necessidades comerciais da comunicação social.

    • Completamente de acordo. É só manobras de diversão da CS que não tem mais o que inventar.
      Agora que preocupa os privados, as empresas privadas sem qualquer tipo de apoio, isso sim, preocupa. Não pagam o que devem às empresas, continuam a gastar como se pagassem, enfim, o mesmo regabofe de sempre.

    • É um país esmagado por tantos impostos e taxas. Com este governo esquerdoide, não há confiança para o empresariado português. O país vai viver os próximos anos num estado de desinvestimento das empresas e de dificuldades de emprego, até que surja uma nova pujança com um governo que deixe de estar de braço dado com a esquerda ultra radical.

  2. Portugal é um país onde diferentes entidades estatais, associações, IPSS, fundações, universidades, institutos e outras afins, teoricamente sem fins lucrativos, desenvolvem trabalho que deveria ser desenvolvido principalmente por empresas ou profissionais individuais.
    Essas entidades comportam-se como autênticas empresas, embora não o assumam, e operam num clima de concorrência desleal, de ilegalidade, de conluio, de fuga aos impostos e de açambarcamento de fundos e apoios.
    Essas entidades, que poderiam e deveriam desenvolver um trabalho meritório em prol da sociedade e do seu desenvolvimento, operam principalmente para sobreviverem e para sustentar os seus membros, acabando muitas vezes e de modo perverso por representarem um fator de empobrecimento e inibição da sociedade em geral e da iniciativa privada.
    Essas entidades, mais do que servir o país, servem-se do país e ninguém parece importar-se muito com isso, pelo menos tanto como o devia fazer.

    • Há uns anos, conheci uma pessoa que tinha vindo viver para Portugal, vinda da Venezuela.
      Já na altura se falava das más condições que a Venezuela atravessava, e eu perguntei-lhe se era mesmo assim e se quem lá vivia sentia que não havia oportunidades. Ela respondeu-me que para os Chavistas às coisas não estavam tão más, mas para todos os outros pura e simplesmente era impossível viver e ambicionar construir algum projeto de vida, de tal modo eram oprimidos e espoliados pelo regime e respetivos representantes.
      A ideia com que fiquei é que era quase uma nova forma de escravatura, em que um povo inteiro era sacrificado em prol de uma minoria, os ditos “representantes do Estado”.
      Infelizmente, a ideia que tenho é que em muitas situações Portugal se assemelha à Venezuela.

RESPONDER

China não está a conseguir macacos de laboratório suficientes para responder à procura da comunidade científica

A proibição do comércio de animais selvagens e o crescimento da investigação científica estão a causar uma escassez de macacos de laboratório na China. A oferta cada vez menor de macacos de laboratório, amplamente usados em …

Câmara do Porto recusa hastear bandeira LGBT no dia contra a homofobia

A Câmara Municipal do Porto recusou hastear a bandeira LGBTI+ na próxima segunda-feira, dia 17 de Maio, data em que se assinala o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. Segundo o Público, a autarquia …

E se fosse possível passar um mês no Palácio de Buckingham? O preço não seria para qualquer bolso

Viver num palácio pode ser o sonho de muitos, mas não é para a carteira de qualquer um. Agora, já se sabe quanto custaria alugar, durante um mês, uma das casas reais mais conhecidas da …

Cavaco Silva considera que seria "chocante" PSD aprovar reforma das Forças Armadas

O ex-Presidente da República defende que é "um erro grave" a reforma das Forças Armadas que o ministro da Defesa pretende fazer, afirmando que seria para si "chocante" ver o PSD aprová-la. "Considero um erro grave …

Risco de ser hospitalizado ou morrer de covid diminui 90% após vacinação

O risco de um adulto ser hospitalizado ou morrer por covid-19 diminui 90% a 95% passados 35 dias sobre o início da vacinação, conclui um estudo divulgado este sábado pelo Instituto Nacional de Saúde de …

No Japão, combater a pandemia implica pedir ajuda a um grande gato cor-de-rosa

Um super-herói mascarado patrulha dois dos distritos mais movimentados de Tóquio para ajudar os cidadãos japoneses a derrotar o coronavírus. O seu nome é Koronon e é um gato cor-de-rosa. O cruzado é um mascote com …

Portugal regista mais uma morte e 334 novos casos. Internamentos voltam a subir

Nas últimas 24 horas, foram confirmados 334 novos casos e registou-se mais um óbito. O boletim deste domingo dá ainda conta de mais 229 recuperados. Segundo o boletim epidemiológico deste domingo, dia 16 de maio, atualmente …

Romualda Fernandes - PS

"Senti alguma dor". Romualda Fernandes fala sobre a atitude racista da qual foi vítima

Romualda Fernandes pronuncia-se pela primeira vez sobre a notícia da Lusa para dizer que aquilo que a define não é a cor da pele, mas os seus valores. Em causa está uma notícia da Agência Lusa, …

Elefantes encontrados mortos numa reserva florestal. Envenenamento pode ser a causa

As autoridades estão a tentar perceber de que forma é que os 18 elefantes selvagens asiáticos morreram no nordeste da Índia. Os elefantes, que incluíam cinco filhotes, foram encontrados mortos na reserva florestal protegida de Kondali, …

"Máxima segurança". Porto de Lisboa com protocolo de segurança para receber cruzeiros

A administração do Porto de Lisboa assinalou este domingo o regresso do movimento de passageiros de cruzeiros a partir desta segunda-feira, com o levantamento das restrições ao desembarque de passageiros em viagens não essenciais, sublinhando …