Nuno Artur Silva deixa recado a Rio. “Ele próprio foi a um programa da manhã”

Marilyne Alves / Facebook

Nuno Artur Silva, secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media afirmou, esta quarta-feira, não perceber a “incompreensão” de alguns media relativamente aos apoios do Estado, uma vez que todos os beneficiados participaram desde o início no processo de definição dos critérios.

Esta quarta-feira, questionada pela agência Lusa sobre a forma como foi feita a distribuição dos 15 milhões de euros, fonte do gabinete do secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media explicou que “75% da verba total é destinada a órgãos de comunicação social de âmbito nacional, e 25% da verba é afeta a órgãos de comunicação social de âmbito regional e local”.

Depois, “a distribuição é feita de acordo com critérios proporcionais e objetivos: receitas de comunicações comerciais e de circulação em período homólogo (segundo trimestre de 2019)”, acrescentou a mesma fonte do gabinete.

“Para a fixação de critérios e de montantes foram tidos em consideração os contributos das entidades representativas do setor, nomeadamente, a Plataforma de Media Privados, a Associação Portuguesa de Imprensa, a Associação de Imprensa de Inspiração Cristã, a Associação Portuguesa de Radiodifusão e a Associação de Rádios de Inspiração Cristã, bem como outros interessados e organismos do setor”, acrescentou a mesma fonte.

Em declarações ao semanário Expresso, Nuno Artur Silva disse não perceber a “incompreensão” de alguns media, que dizem que os critérios de distribuição das verbas para a compra antecipada de publicidade institucional do Estado não são “claros”.

“Não percebo como é que há essa incompreensão porque os critérios foram explicados, mantivemos um diálogo estreito desde o início com a Plataforma de Meios Privados que representa 85% dos órgãos de comunicação nacionais e que esteve desde a primeira hora envolvida nestas conversas, sabia exatamente os critérios.”

“Em relação aos outros órgãos de comunicação social, a equipa que trabalhou este dossiê teve também ocasião de falar com todos os que não estão na Plataforma de Meios Privados, pessoalmente, com as administrações, para lhes explicar quais eram os critérios, tanto que nós pedimos os dados e eles deram-nos. Eles sabiam quais eram os critérios porque nos forneceram a informação”, explicou o secretário de Estado.

Questionado sobre o erro do valor destinado ao Observador, Nuno Artur Silva explicou que “o que aconteceu foi que quando a tabela foi publicada em Diário da República, o Observador sinalizou que podia haver ali um erro”.

“Fomos ver se estavam certos e, de facto, confirmámos que houve um erro de transposição, que corresponde a uma mudança no valor. Em vez de ser 19.906,29 euros, o valor é de facto 90.568,98 euros. Eles tinham razão.”

“Como houve uma ponderação em percentagem, os outros grupos vão receber um bocadinho menos mas a implicação no total é muito pequena. O erro foi de cerca de 70 mil euros, o que num valor global de 11,25 milhões, distribuído por 13 grupos de comunicação social nacionais, não vai ter um impacto muito significativo. Mas vai ter de se mexer no valor dos outros”, justificou.

Sobre o facto de o Observador ter dito que vai recusar o apoio, o governante disse que “foram contactados como foram contactados os outros, há um mês, e aí aceitaram o apoio”.

“Deram-nos os dados todos que foram pedidos e foi por isso que foram incluídos. Não nos passaria pela cabeça incluí-los se tivessem recusado à cabeça. Só agora nos comunicaram que não queriam ser incluídos. Respeitamos a posição deles, mas só agora a manifestaram.”

Relativamente às declarações do líder do PSD, Rui Rio, que afirmou que os 15 milhões vão servir “para ajudar a pagar os programas da manhã e o Big Brother”, o secretário de Estado não quis tecer grandes comentários, mas deixou um recado.

“Não tenho grandes comentários a fazer, é a posição do presidente do PSD em relação aos órgãos de comunicação social, ele próprio, não há muito tempo, foi a um programa da manhã. Ele que diga se acha que o Estado não deve anunciar nos órgãos de comunicação social, não sei qual é a ideia dele. Talvez seja bom perguntar-lhe se acha que o Estado não deve anunciar nos órgãos de comunicação social, se tem algum preconceito em relação a alguns órgãos de comunicação social.”

De acordo com o que foi publicado, esta quarta-feira, em Diário da República, o grupo Impresa conta com 3.491.520,32 euros e a Media Capital 3.342.532,88 euros, seguidas da Cofina (1.691.006,87 euros) e Global Media (1.064.901,66 euros).

O grupo Rádio Renascença conta com (480.258,93 euros), seguido da Trust in News, que tem a revista Visão (406.088,99 euros), Sociedade Vicra Desportiva, dona de A Bola, (329.187,48 euros), Público (314.855,38 euros) e da Newsplex, que tem o Sol e i, (38.645,00 euros).

O grupo Megafin (28.844,47 euros), dono do Jornal Económico, a dona do Porto Canal, Avenida dos Aliados — Sociedade de Comunicação (23.270,27 euros), o Observador Ontime (19.906,29 euros), e a Swipe News, dona do ECO (18.981,46 euros).

No total, todos estes 13 órgãos de comunicação social de âmbito nacional vão receber 11,25 milhões de euros, ou seja, 75% dos 15 milhões de euros (IVA incluído).

Os restantes 25% de apoios vão para os meios de comunicação regional e local, dos quais 2,019 milhões em aquisições a realizar a detentores de publicações periódicas de âmbito regional e 1,731 milhões em aquisições a realizar a detentores de serviços de programas radiofónicos de âmbito regional e/ou local.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. quem está na oposição nao condiciona a CS. O mesmo nao se pode dizer de quem está no Poder. Este idiota que se deixe de discursos para desviar atenções

RESPONDER

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …