/

Novo Banco vai ser supervisionado directamente pelo BCE

European Parliament

Danièle Nouy, presidente do Conselho de Supervisão do Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu

Danièle Nouy, presidente do Conselho de Supervisão do Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu

O Novo Banco vai ser supervisionado directamente pelo Banco Central Europeu (BCE), de acordo com informação divulgada esta quinta-feira pela instituição, substituindo assim o BES na lista dos bancos portugueses directamente supervisionados por Frankfurt.

O BCE publicou hoje uma lista em que refere quais os bancos que, a partir de Novembro, serão directamente supervisionados por si, actualizando informações anteriores.

Em Portugal, os bancos que passarão a estar sob a supervisão directa do BCE serão os já conhecidos Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, BPI e agora o Novo Banco, em vez do BES.

O BCE vai supervisionar directamente os quatro bancos portugueses referidos devido à dimensão dos seus activos, que na CGD é de entre 100 a 125 mil milhões de euros, no BCP de 75 a 100 mil milhões de euros, no Novo Banco de 50 a 75 mil milhões de euros e no BPI de 30 a 50 mil milhões de euros.

Por pertencerem ao Novo Banco, aparecem também na lista das instituições significativas o Banco Espírito Santo Açores, BES Investimento, BEST e Banco Espírito Santo et de la Vénétie (França).

A partir de Novembro deste ano, no âmbito do mecanismo único de supervisão – um dos três pilares da futura União Bancária -, o BCE vai assumir a supervisão directa dos principais bancos europeus, com os supervisores nacionais a ficarem com a competência pelas instituições mais pequenas, ainda que sob o controlo do BCE.

Até lá, o BCE está a avaliar o balanço de cerca de 130 bancos que supervisionará directamente – e que representam 80% dos activos da zona euro – e realizará também testes de stress’

Esta terça-feira, os principais banqueiros portugueses reuniram-se, em Lisboa, no Banco de Portugal, com a presidente do Conselho de Supervisão do Mecanismo Único de Supervisão, Danièle Nouy, para preparar a supervisão bancária única.

Fonte oficial do BCE disse à Lusa que, desde o início do seu mandato, Danièle Nouy tem vindo a conhecer todos os supervisores nacionais e que “o objectivo principal da sua recente viagem a Portugal foi conhecer a equipa de gestão do Banco de Portugal”.

Foi no âmbito dessa viagem que decorreu a reunião com os banqueiros: “Enquanto estava em Lisboa, teve também um encontro de cortesia com os representantes dos principais bancos do país, nas instalações do Banco de Portugal”.

A francesa Danièle Nouy tomou posse, no início deste ano, como responsável do Mecanismo Único de Supervisão, com a função de fazer os trabalhos preparatórios para que o BCE possa assumir a supervisão única dos bancos europeus no início de Novembro.

Em entrevista ao Financial Times, pouco depois de assumir o cargo, a ex-responsável pela supervisão bancária de França defendeu que é necessário “aceitar que alguns bancos não têm futuro” e “permitir que alguns desapareçam“.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

/Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.