“Não queiram fazer mistérios onde não existem”. UE encerrou caso do procurador europeu

A União Europeia (UE) deu por “encerrado” o caso do procurador europeu José Guerra e dos lapsos no seu currículo enviado pelo Governo.

“A reunião dos membros do Conselho da UE decorreu na segunda-feira e já não há nenhum dado na agenda relativo a esse assunto”, explicou uma fonte do Conselho da União Europeia (UE), em declarações ao ECO.

Na quarta-feira, o Conselho da UE vai apresentar ao Parlamento Europeu uma declaração onde ficará decidido que a nomeação do procurador do Ministério Público, escolhido pelo Governo português, é para manter.

Por outro lado, na Procuradoria Geral da República (PGR) continua um inquérito a decorrer para investigar o assunto, que teve origem numa “denúncia apresentada pela Ordem dos Advogados” e numa outra “denúncia anónima”.

Questionado pelo PSD no Parlamento na tarde de terça-feira, o primeiro-ministro António Costa disse: “Não conheço procuradores incómodos nem procuradores amigos do governo”.

“Quem selecionou os três candidatos apresentados por Portugal foi o Conselho Superior do Ministério Público, quem os ordenou e pontoou foi o Conselho Superior do Ministério Público e eu gostaria de saber o que é que o PSD diria se nós, em vez de termos mantido a ordenação feita tivéssemos optado pela ordenação feita por um júri internacional, que resulta de uma designação política por um órgão político que é o Conselho Europeu”, argumentou.

“Não queiram fazer mistérios onde não existem”, disse o primeiro-ministro. “Os dados da carta com os lapsos já foram corrigidos e o caso está encerrado”.

Em causa está a divulgação de uma carta enviada para a UE, em novembro de 2019, na qual o Governo apresentou dados errados sobre o magistrado José Guerra, o procurador que elegeu para a nova Procuradoria Europeia, após seleção do Conselho Superior do Ministério Público, mas depois de um comité europeu de peritos ter considerado Ana Carla Almeida a melhor candidata para o cargo.

Os erros no currículo já deram origem à saída do diretor-geral da Política da Justiça, Miguel Romão, que após ter apresentado a demissão disse que a informação com lapsos sobre José Guerra foi “preparada na sequência de instruções recebidas” e o seu teor era do conhecimento do gabinete da ministra da Justiça.

A ministra da Justiça considerou que tem condições para continuar no cargo, apesar dos erros contidos na carta do Governo a fundamentar a escolha de José Guerra para procurador europeu, e que tiveram repercussões internacionais.

“Condenável e lamentável”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso considerou ser “condenável e lamentável” a polémica sobre a escolha do procurador europeu José Guerra, esperando que o episódio não afete a credibilidade de Portugal no plano europeu.

“Aquilo que se passou nesse episódio da nomeação do procurador é, de facto, lamentável a todos os títulos. Ainda hoje tenho dificuldade em compreender como é que foi possível esse comportamento. É, de facto, condenável a lamentável”, vincou o também antigo primeiro-ministro durante a conferência virtual “Os Desafios da Presidência Portuguesa do Conselho da UE”, dinamizada pela Juventude Social Democrata (JSD) na rede social Facebook.

Contudo, Durão Barroso disse esperar que o episódio “não prejudique” o “perfil de Portugal construído ao longo de muito tempo”, como um elemento “ativo, membro respeitado, membro credível” da UE.

“Quero fazer votos para que digamos que uma mancha não ponha em causa a beleza que é a beleza do nosso tecido quando se trata de questões europeias”, completou o também antigo presidente social-democrata.

Maioria defende saída da ministra

Uma sondagem da Aximage para o Diário de Notícias, Jornal de Notícias e TSF revela que 69% dos inquiridos conhecem ou já ouviram falar do caso de José Guerra.

Deste total de portugueses, 64% entendem que o Governo deve recuar na decisão de nomear José Guerra como procurador europeu. Já 22% dos inquiridos disseram que a nomeação deve manter-se.

Além disso, 54% dos portugueses inquiridos consideram que a ministra da Justiça não tem condições para continuar a exercer as suas funções. Por outro lado, 36% das pessoas entendem que Francisca Van Dunem tem condições para continuar no cargo.

Em relação à importância do caso, 45% dos inquiridos consideram que a questão é verdadeiramente importante e outros 45% acham que o caso foi “empolado por razões de luta política”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Pois, não sei com que autoridade ficam agora as instituições.
    Se nos focarmos neste caso, lamento dizer, mas perderam o meu respeito e a minha confiança…

  2. O Costa diz: “Não queiram fazer mistérios onde não existem”.
    Sim, de facto é clarinho, clarinho, e não restam dúvidas para qualquer mistério. Tratou-se de uma grande aldrabice, de um golpe baixíssimo e de um comportamento que envergonha Portugal e os portugueses.

    Esperemos que ainda haja alguma instituição em Portugal que reponha a legalidade, que puna os criminosos e prevaricadores, e que dê o exemplo do que deve ser o comportamento inatacável das instituições.

  3. Este governo tem de se demitir. Por tudo o que temos assistido no domínio da pandemia, pelos casos na justiça, pelo caso do SEF, pelo que já vinha de trás. Já chega.

RESPONDER

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …